Gostou do artigo? Compartilhe!

Anticoagulantes orais diretos foram associados a menos complicações diabéticas do que a varfarina na fibrilação atrial

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Novos dados de uma análise de pacientes com fibrilação atrial e diabetes1 sugerem que os anticoagulantes2 orais diretos (DOACs) – também chamados de anticoagulantes2 orais não antagonistas da vitamina3 K (NOACs) – foram associados a um risco menor de complicações diabéticas do que a varfarina.

Em um estudo de coorte4 retrospectivo5 de mais de 30.000 pacientes, publicado pelo Annals of Internal Medicine, os resultados demonstraram que os usuários de DOACs tinham um risco 16% menor de desenvolver complicações macrovasculares, um risco 21% menor de complicações microvasculares e um risco 22% menor de mortalidade6 em comparação com os usuários de varfarina em uma população de pacientes com diabetes mellitus7 (DM) e fibrilação atrial (FA).

Leia sobre "Anticoagulantes2: prós e contras" e "Complicações do diabetes8 mellitus".

“Este estudo de coorte4 nacional mostrou que, em comparação com o uso de varfarina, o uso de NOAC foi associado a menores riscos de complicações relacionadas ao diabetes1 e mortalidade6 entre pacientes com FA e DM e sem doença renal9 terminal. Portanto, o NOAC pode ser uma escolha terapêutica10 melhor do que a varfarina para diminuir essas complicações e a mortalidade6 em pacientes com FA e DM que necessitam de tratamento anticoagulante11 oral”, escreveram os pesquisadores.

Evidências sobre a associação entre os tipos de anticoagulantes2 orais e os riscos de complicações do diabetes8 são limitadas em pacientes com fibrilação atrial e diabetes mellitus7.

Assim, o objetivo do estudo foi comparar os riscos de complicações do diabetes8 e mortalidade6 entre pacientes com FA e DM que recebem anticoagulantes2 orais não antagonistas da vitamina3 K (NOACs) e aqueles que recebem varfarina.

O estudo de coorte4 retrospectivo5 utilizou dados nacionais obtidos do Banco de Dados Nacional de Pesquisa de Seguros de Saúde12 de Taiwan.

Foram incluídos pacientes com FA e DM recebendo NOACs ou varfarina entre 2012 e 2017 em Taiwan. Os grupos de tratamento foram determinados pelo primeiro início de anticoagulantes2 orais dos pacientes.

Os riscos de complicações do diabetes8 (complicações macrovasculares, complicações microvasculares e emergência13 glicêmica) e de mortalidade6 nos usuários de NOAC e varfarina foram investigados com um desenho de estudo alvo. Modelos de riscos proporcionais de Cox para causas específicas foram usados para estimar as razões de risco (HRs). Métodos de pontuação de propensão com ponderação estabilizada da probabilidade inversa de tratamento foram aplicados para equilibrar potenciais fatores de confusão entre os grupos de tratamento.

No total, foram incluídos 19.909 usuários de NOAC e 10.300 usuários de varfarina. Os pacientes que receberam NOACs tiveram riscos significativamente menores de desenvolver complicações macrovasculares (HR, 0,84 [IC 95%, 0,78 a 0,91]; P <0,001), complicações microvasculares (HR, 0,79 [IC, 0,73 a 0,85]; P <0,001), emergência13 glicêmica (HR, 0,91 [IC, 0,83 a 0,99]; P = 0,043) e de mortalidade6 (HR, 0,78 [IC, 0,75 a 0,82]; P <0,001) do que aqueles que receberam varfarina.

Análises com correspondência de escore de propensão mostraram resultados semelhantes. Várias análises de sensibilidade apoiaram ainda mais a robustez dos achados.

Uma limitação do estudo está no fato de que os dados baseados em alegações não permitiram a obtenção de dados detalhados sobre o estilo de vida dos pacientes e exames laboratoriais.

O estudo concluiu que os anticoagulantes2 orais não antagonistas da vitamina3 K foram associados a menores riscos de complicações do diabetes8 e de mortalidade6 do que a varfarina em pacientes com fibrilação atrial e diabetes mellitus7.

Saiba mais sobre "Diabetes Mellitus7", "Fibrilação atrial" e "O que afeta o comportamento da glicemia14".

 

Fontes:
Annals of Internal Medicine, publicação em 15 de fevereiro de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 15 de fevereiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Anticoagulantes orais diretos foram associados a menos complicações diabéticas do que a varfarina na fibrilação atrial. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1410490/anticoagulantes-orais-diretos-foram-associados-a-menos-complicacoes-diabeticas-do-que-a-varfarina-na-fibrilacao-atrial.htm>. Acesso em: 17 mai. 2022.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
3 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
6 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
7 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
8 Complicações do diabetes: São os efeitos prejudiciais do diabetes no organismo, tais como: danos aos olhos, coração, vasos sangüíneos, sistema nervoso, dentes e gengivas, pés, pele e rins. Os estudos mostram que aqueles que mantêm os níveis de glicose do sangue, a pressão arterial e o colesterol próximos aos níveis normais podem ajudar a impedir ou postergar estes problemas.
9 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
10 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
11 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
14 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
Gostou do artigo? Compartilhe!