Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento com rivaroxabana vs apixabana aumentou risco de eventos isquêmicos ou hemorrágicos maiores em pacientes com fibrilação atrial

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Há diferença no risco de eventos isquêmicos ou hemorrágicos1 maiores em pacientes com fibrilação atrial tratados com rivaroxabana e apixabana?

A eficácia comparativa da rivaroxabana e da apixabana, os anticoagulantes2 orais mais frequentemente prescritos para a prevenção do AVC isquêmico3 em pacientes com fibrilação atrial, é incerta.

O objetivo deste estudo, publicado pelo JAMA, foi comparar os principais desfechos isquêmicos e hemorrágicos1 em pacientes com fibrilação atrial tratados com rivaroxabana ou apixabana.

Foi realizado um estudo de coorte4 retrospectivo5 usando registro computadorizado e arquivos de reivindicações para beneficiários do Medicare nos Estados Unidos com 65 anos ou mais. Entre 1º de janeiro de 2013 e 30 de novembro de 2018, um total de 581.451 pacientes com fibrilação atrial iniciaram o tratamento com rivaroxabana ou apixabana e foram acompanhados por 4 anos, até 30 de novembro de 2018.

Leia sobre "Anticoagulantes2: prós e contras", "Fibrilação atrial: o que é" e "Doenças cerebrovasculares".

As exposições do estudo foram rivaroxabana (n = 227.572) e apixabana (n = 353.879), em dose padrão ou reduzida.

O desfecho primário foi um composto de eventos isquêmicos (acidente vascular cerebral6 / embolia7 sistêmica) e hemorrágicos1 (hemorragia8 intracerebral / outro sangramento intracraniano / sangramento extracraniano fatal) maiores.

Os desfechos secundários foram sangramento extracraniano não fatal e mortalidade9 total (evento isquêmico3 / hemorrágico10 fatal ou outra morte durante o acompanhamento).

Taxas, taxas de risco (HRs) e diferenças de taxas (RDs) foram ajustadas para diferenças de linha de base na comorbidade11 com probabilidade inversa de ponderação de tratamento.

Os pacientes do estudo (idade média, 77,0 anos; 291.966 [50,2%] mulheres; 134.393 [23,1%] recebendo dose reduzida) tiveram 474.605 pessoas-ano de acompanhamento (mediana [IQR] de 174 [62-397] dias).

A taxa ajustada de desfecho primário para rivaroxabana foi de 16,1 por 1000 pessoas-ano vs 13,4 por 1000 pessoas-ano para apixabana (RD, 2,7 [IC 95%, 1,9-3,5]; HR, 1,18 [IC 95%, 1,12-1,24]) .

O grupo de rivaroxabana apresentou risco aumentado para ambos eventos isquêmicos (8,6 vs 7,6 por 1000 pessoas-ano; RD, 1,1 [IC 95%, 0,5-1,7]; HR, 1,12 [IC 95%, 1,04-1,20]) e eventos hemorrágicos1 (7,5 vs 5,9 por 1000 pessoas-ano; RD, 1,6 [IC 95%, 1,1-2,1]; HR, 1,26 [IC 95%, 1,16-1,36]) maiores, incluindo sangramento extracraniano fatal (1,4 vs 1,0 por 1000 pessoas-ano; RD, 0,4 [IC 95%, 0,2-0,7]; HR, 1,41 [IC 95%, 1,18-1,70]).

Os pacientes que receberam rivaroxabana apresentaram risco aumentado de sangramento extracraniano não fatal (39,7 vs 18,5 por 1000 pessoas-ano; RD, 21,1 [IC 95%, 20,0-22,3]; HR, 2,07 [IC 95%, 1,99-2,15]), eventos isquêmicos / hemorrágicos1 fatais (4,5 vs 3,3 por 1000 pessoas-ano; RD, 1,2 [IC 95%, 0,8-1,6]; HR, 1,34 [IC 95%, 1,21-1,48]) e mortalidade9 total (44,2 vs 41,0 por 1000 pessoas- anos; RD, 3,1 [IC 95%, 1,8-4,5]; HR, 1,06 [IC 95%, 1,02-1,09]).

O risco do desfecho primário foi aumentado para rivaroxabana em ambos aqueles que receberam a dose reduzida (27,4 vs 21,0 por 1000 pessoas-ano; RD, 6,4 [IC de 95%, 4,1-8,7]; HR, 1,28 [IC 95%, 1,16- 1,40]) e a dose padrão (13,2 vs 11,4 por 1000 pessoas-ano; RD, 1,8 [IC 95%, 1,0-2,6]; HR, 1,13 [IC 95%, 1,06-1,21]).

O estudo concluiu que, entre os beneficiários do Medicare com 65 anos ou mais com fibrilação atrial, o tratamento com rivaroxabana, em comparação com apixabana, foi associado a um risco significativamente aumentado de eventos isquêmicos ou hemorrágicos1 maiores.

Veja também sobre "Hemorragia8 cerebral", "Hemorragia8 grave" e "Doenças cardiovasculares12".

 

Fonte: JAMA, publicação em 21 de dezembro de 2021. (doi:10.1001/jama.2021.21222)

 

NEWS.MED.BR, 2022. Tratamento com rivaroxabana vs apixabana aumentou risco de eventos isquêmicos ou hemorrágicos maiores em pacientes com fibrilação atrial. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1407910/tratamento-com-rivaroxabana-vs-apixabana-aumentou-risco-de-eventos-isquemicos-ou-hemorragicos-maiores-em-pacientes-com-fibrilacao-atrial.htm>. Acesso em: 18 mai. 2022.

Complementos

1 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
2 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
3 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
6 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
7 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
8 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
9 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
10 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
11 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
12 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!