Gostou do artigo? Compartilhe!

Revisão de ensaios clínicos resume as evidências sobre benefícios e danos de diferentes farmacoterapias para adultos com sobrepeso e obesidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A farmacoterapia oferece uma opção para adultos com sobrepeso1 e obesidade2 reduzirem seu peso corporal se as modificações no estilo de vida falharem. Neste estudo, publicado no The Lancet, pesquisadores resumiram as evidências mais recentes sobre os benefícios e danos dos medicamentos para redução de peso.

Esta revisão sistemática e metanálise de rede incluíram pesquisas das bases de dados PubMed, Embase e Cochrane Library (CENTRAL) desde o início até 23 de março de 2021, para ensaios clínicos3 randomizados de medicamentos para redução de peso em adultos com sobrepeso1 e obesidade2.

Leia sobre "O perigo dos remédios para emagrecer", "Usos e abusos dos anorexígenos4" e "Tratando a obesidade2".

Foram realizadas metanálises de rede de efeito aleatório frequentista para resumir as evidências e aplicou-se a abordagem GRADE (Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation) para classificar a certeza da evidência, calcular os efeitos absolutos, categorizar as intervenções e apresentar os resultados.

14.605 citações foram identificadas pela pesquisa, das quais 143 ensaios elegíveis envolveram 49.810 participantes.

Com exceção da levocarnitina, todos os medicamentos reduziram o peso corporal em comparação com a modificação do estilo de vida sozinha; todos os números subsequentes referem-se a comparações com a modificação do estilo de vida.

Evidências de certeza alta a moderada estabeleceram fentermina-topiramato como o mais eficaz na redução de peso (odds ratio [OR] de redução de peso ≥5% 8,02, IC 95% 5,24 a 12,27; diferença média [DM] da porcentagem de mudança de peso corporal -7,97, IC 95% -9,28 a -6,66), seguido por agonistas do receptor de GLP-1 (OR 6,33, IC 95% 5,00 a 8,00; DM -5,76, IC 95% -6,30 a -5,21).

Naltrexona-bupropiona (OR 2,69, IC 95% 2,11 a 3,43), fentermina-topiramato (2,40, 1,69 a 3,42), agonistas do receptor de GLP-1 (2,17, 1,71 a 2,77) e orlistate (1,72, 1,44 a 2,05) foram associados ao aumento de eventos adversos que levam à descontinuação do medicamento.

Em uma análise post-hoc, a semaglutida, um agonista5 do receptor de GLP-1, mostrou benefícios substancialmente maiores do que outros medicamentos com risco semelhante de eventos adversos ao de outros medicamentos para probabilidade de perda de peso de 5% ou mais (OR 9,82, IC 95% 7,09 a 13,61) e alteração percentual do peso corporal (DM -11,41, IC 95% -12,54 a -10,27).

O estudo concluiu que, em adultos com sobrepeso1 e obesidade2, a fentermina-topiramato e os agonistas dos receptores de GLP-1 provaram ser os melhores medicamentos para reduzir o peso; dos agonistas de GLP-1, a semaglutida pode ser o mais eficaz.

Veja também sobre "Obesidade2", "Dietas para emagrecer" e "Consequências do emagrecimento rápido".

 

Fonte: The Lancet, publicação em 08 de dezembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Revisão de ensaios clínicos resume as evidências sobre benefícios e danos de diferentes farmacoterapias para adultos com sobrepeso e obesidade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1407325/revisao-de-ensaios-clinicos-resume-as-evidencias-sobre-beneficios-e-danos-de-diferentes-farmacoterapias-para-adultos-com-sobrepeso-e-obesidade.htm>. Acesso em: 5 out. 2022.

Complementos

1 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
4 Anorexígenos: Que ou o que provoca anorexia (diz-se de substância ou droga), ou seja, que ou o que produz falta ou perda de apetite.
5 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
Gostou do artigo? Compartilhe!