Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de azitromicina foi vinculado a menos exacerbações em pacientes com asma

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em estudo apresentado no CHEST 2021, o encontro anual do American College of Chest Physicians realizado online, as exacerbações da asma1 foram eliminadas em cerca de um terço dos pacientes adultos com asma1 tratados profilaticamente com o macrolídeo azitromicina, relatou um pesquisador.

Hanan Ajay, estudante de medicina do quinto ano da Universidade de Liverpool, na Inglaterra, disse que dos 34 pacientes incluídos no estudo de observação, apenas um não reduziu as infecções2 em pelo menos 50% em comparação com a média histórica de 6,44 infecções2 por ano.

No geral, a média anual para pacientes3 enquanto tomavam azitromicina foi de 1,47 infecções2 por ano (P <0,01), e 12 dos pacientes no estudo tiveram zero infecções2 enquanto tomavam azitromicina. “A azitromicina é uma droga profilática segura e eficaz na redução das exacerbações neste estudo do mundo real”, disse Ajay.

A equipe de pesquisa começou a testar como as recomendações da British Thoracic Society para o uso a longo prazo de macrolídeos para reduzir a taxa de exacerbação em adultos com asma1 funcionavam no mundo real. “O macrolídeo de escolha no Reino Unido é a azitromicina”, observou Ajay.

Leia sobre "Asma1 - Prevenção e Tratamento", "Asma1 brônquica" e "Usos e abusos dos antibióticos".

O estudo teve quatro objetivos e os resultados foram os seguintes:

  • Determinar se o uso de azitromicina no mundo real reduz o número de infecções2 do trato respiratório –> reduziu.
  • Determinar se os eventos adversos observados em estudos clínicos da abordagem se manifestam no mundo real –> manifestaram, embora em uma taxa menor do que a observada em estudos clínicos.
  • Determinar as razões para a descontinuação da azitromicina –> 13 pacientes interromperam o uso no estudo: quatro devido a eventos adversos gastrointestinais, dois devido a problemas auditivos e sete por percepção de ineficácia.
  • Determinar se o uso a longo prazo de azitromicina melhora a função pulmonar –> nenhum impacto na função pulmonar foi observado.

A asma1 afeta aproximadamente 300 milhões de pessoas em todo o mundo, com a carga global da doença estimada em 15 milhões de anos de vida ajustados por incapacidade. A azitromicina exibe efeitos anti-inflamatórios além de propriedades antibióticas. As diretrizes da British Thoracic Society recomendam o uso de macrolídeos em longo prazo em asmáticos adultos para reduzir a taxa de exacerbação.

A azitromicina foi associada a efeitos colaterais4 como QTc prolongado, arritmias5 ventriculares, deficiência auditiva e diarreia6. Os estudos do mundo real são importantes para a tomada de decisões clínicas.

Este estudo, publicado no CHEST Journal, teve como objetivo determinar se há uma melhora no número de exacerbações em pacientes asmáticos em uso de azitromicina de longo prazo, além de outros aspectos da prescrição.

Foi realizado um estudo observacional em 34 pacientes asmáticos em uso de azitromicina. Os conjuntos de dados dos pacientes foram tornados anônimos e analisados ​​em uma planilha Excel 2010.

Pacientes asmáticos com 18 anos ou mais foram incluídos. Este estudo excluiu pacientes com micobactéria7 não tuberculosa, condições de sobreposição, como DPOC e bronquiectasia8, e pacientes em uso de antibióticos nebulizados ou anticorpos9 monoclonais.

Os dados coletados incluíram: idade, sexo, diagnóstico10 respiratório, comorbidades11 e estado imunológico, número de infecções2 e hospitalizações antes e depois de iniciar a azitromicina, função pulmonar, intervalos QT corrigidos, problemas de audição, teste de função hepática12 e sintomas13 gastrointestinais.

34 pacientes asmáticos (9 homens, 25 mulheres) com idade mediana de 58 (Faixa: 23-81) anos iniciaram a azitromicina profilática na dose de 250 mg três vezes por semana. O IMC14 médio foi 31,66 (DP 7,83). Havia 8 fumantes, 9 ex-fumantes e 17 não fumantes. 7 pacientes eram imunossuprimidos.

A duração média do uso de azitromicina foi de 39,83 meses (DP 24,04). O tratamento foi interrompido em 13 pacientes: 7/13 por inefetividade, 4/13 por efeitos colaterais4 (problemas gastrointestinais em 2/13 e problemas auditivos em 2/13) e 2/13 por outras razões não documentadas.

Aproximadamente 5,8% da deficiência auditiva observada deveu-se exclusivamente à azitromicina. Além disso, 2/34 pacientes (1 homem, 1 mulher) tiveram QTc prolongado antes do início e 5/34 pacientes (3 mulheres, 2 homens) tiveram QTc prolongado após o início da azitromicina.

O número médio de infecções2 no grupo de pré-tratamento foi de 6,44 (DP 2,80) versus 1,52 (DP 2,20) na fase pós-azitromicina. A redução no número de infecções2 e hospitalizações ao longo dos 12 meses após o tratamento foi significativa com p <0,001 e p <0,034, respectivamente.

12/34 pacientes experimentaram uma redução de 100% no número de infecções2.

As informações sobre o número de infecções2 pré e pós-tratamento foram baseadas na recordação dos pacientes e podem representar um viés de recordação.

Foi demonstrado que a azitromicina profilática em longo prazo se correlaciona com uma redução significativa do número de infecções2 e hospitalizações em pacientes asmáticos. O estudo não mostrou nenhuma melhora da função pulmonar com o uso de azitromicina e o efeito adverso da perda auditiva foi semelhante a estudos anteriores de 5%.

A azitromicina é um medicamento profilático seguro e eficaz na redução das exacerbações nesta coorte15 de pacientes com asma1, e essa experiência no mundo real está de acordo com os estudos feitos até agora.

Veja também sobre "Asma1", "Doenças respiratórias" e "Alergia16 respiratória".

 

Fontes:
CHEST Journal, Vol. 160, Nº 5, em 01 de outubro de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 20 de outubro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Uso de azitromicina foi vinculado a menos exacerbações em pacientes com asma. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1405370/uso-de-azitromicina-foi-vinculado-a-menos-exacerbacoes-em-pacientes-com-asma.htm>. Acesso em: 27 nov. 2021.

Complementos

1 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
4 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
5 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
6 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
7 Micobactéria: Classe de bactérias dentre as quais se destaca as bactérias causadoras da tuberculose e da lepra.
8 Bronquiectasia: Sinônimo de “dilatação dos brônquios”. Há uma dilatação anormal e permanente dos brônquios cartilaginosos de médio calibre, da quinta à décima divisão brônquica. A dilatação está associada a uma destruição inflamatória dos tecidos musculares e elásticos das paredes brônquicas.
9 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
12 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
15 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
16 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!