Gostou do artigo? Compartilhe!

Ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 de cadeia longa tem efeito protetor na esquizofrenia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notcia

Embora estudos sugiram que as concentrações de ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 são mais baixas em indivíduos com esquizofrenia1, as evidências dos efeitos benéficos da suplementação2 de ácidos graxos são escassas. Portanto, neste estudo, publicado no The Lancet Psychiatry, o objetivo foi determinar se as concentrações de ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 estão causalmente relacionadas à esquizofrenia1.

Foi feito um estudo de randomização mendeliana de duas amostras, usando dados não identificados em nível de resumo que estavam disponíveis publicamente. As relações exposição-desfecho foram avaliadas usando o método de randomização mendeliana de duas amostras de variância inversa ponderada usando resultados de estudos de associação do genoma (GWASs) de concentrações de ácidos graxos e esquizofrenia1.

Os resultados do GWAS estavam disponíveis para amostras de ancestrais europeus (ácidos graxos) e europeus e asiáticos (esquizofrenia1). As informações gerais sobre idade e gênero não foram calculáveis a partir dos resultados do GWAS de nível resumido.

Leia sobre "Esquizofrenia1", "Benefícios do ômega 3 para a saúde3' e "Suplementos alimentares - devemos usá-los?"

Mediana ponderada, modo ponderado e métodos de regressão de Egger de randomização Mendeliana foram usados ​​como análises de sensibilidade. Para abordar os mecanismos subjacentes, análises adicionais foram feitas usando instrumentos únicos dentro do agrupamento de genes FADS e do locus do gene ELOVL2. Os efeitos causais do agrupamento de gene FADS e do gene ELOVL2 na esquizofrenia1 foram calculados dividindo a estimativa do efeito do polimorfismo de nucleotídeo único4 (PNU) na esquizofrenia1 pela estimativa do efeito do PNU no ácido graxo com erros padrão derivados usando o primeiro termo de uma expansão do método delta para a estimativa da razão.

A randomização mendeliana multivariável foi usada para estimar os efeitos diretos dos ácidos graxos ômega-3 na esquizofrenia1, independentemente dos ácidos graxos ômega-6, lipoproteínas (ou seja, HDL5 e LDL6) e triglicerídeos.

As análises de randomização Mendeliana indicaram que as concentrações de ácidos graxos ômega-3 de cadeia longa e ômega-6 de cadeia longa foram associadas a um menor risco de esquizofrenia1 (por exemplo, razão de probabilidade [OR] ponderada de variância inversa 0,83 [IC 95% 0,75–0,92] para ácido docosahexaenóico).

Em contraste, houve evidência fraca de que os ácidos graxos ômega-3 de cadeia curta e ômega-6 de cadeia curta foram associados a um risco aumentado de esquizofrenia1 (por exemplo, OR ponderada de variância inversa 1,07 [IC 95% 0,98–1,18] para ácido α-linolênico).

Os efeitos foram consistentes nas análises de sensibilidade e nas análises de PNU único do FADS, sugerindo que as concentrações de ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 de cadeia longa foram associadas a um menor risco de esquizofrenia1 (por exemplo, OR 0,74 [IC 95% 0,58–0,96] para ácido docosahexaenóico), enquanto as concentrações de ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 de cadeia curta foram associadas a um risco aumentado de esquizofrenia1 (por exemplo, OR 1,08 [IC 95% 1,02–1,15] para ácido α-linolênico).

Em contraste, as estimativas das análises de PNU único de ELOVL2 foram mais imprecisas e compatíveis com os efeitos de aumento de risco e de proteção para cada uma das medidas de ácido graxo.

A randomização mendeliana multivariável indicou que o efeito protetor do ácido docosahexaenóico na esquizofrenia1 persistiu após o condicionamento com outros lipídios, embora a evidência tenha sido ligeiramente mais fraca (OR ponderada de variância inversa multivariável 0,84 [IC 95% 0,71–1,01]).

Os resultados são compatíveis com os efeitos protetores dos ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 de cadeia longa na esquizofrenia1, sugerindo que as pessoas com esquizofrenia1 podem ter dificuldade em converter ácidos graxos poliinsaturados de cadeia curta em ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa.

Mais estudos são necessários para determinar se a suplementação2 de ácidos graxos poliinsaturados de cadeia longa ou o enriquecimento da dieta podem ajudar a prevenir o início da esquizofrenia1.

Veja também sobre "O que é uma alimentação saudável", "A importância das gorduras para o organismo" e "Principais transtornos mentais".

 

Fonte: The Lancet Psychiatry, Vol. 8, Nº 12, em 01 de dezembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 de cadeia longa tem efeito protetor na esquizofrenia. Disponvel em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1405295/acidos-graxos-omega-3-e-omega-6-de-cadeia-longa-tem-efeito-protetor-na-esquizofrenia.htm>. Acesso em: 27 nov. 2021.

Complementos

1 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
2 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Polimorfismo de nucleotídeo único: Do inglês “single nucleotide polymorphism“, significa uma variação na sequência de DNA que afeta somente uma base [adenina (A), timina (T), citosina (C) ou guanina (G)] na sequência do genoma entre indivíduos de uma espécie ou entre pares de cromossomos de um indivíduo.
5 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como âBom Colesterolâ. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
6 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
Gostou do artigo? Compartilhe!