Gostou do artigo? Compartilhe!

Uma rede cerebral pode estar envolvida em seis condições de saúde mental

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Distúrbios em uma rede de regiões cerebrais podem estar envolvidos no início de seis condições de saúde1 mental: depressão, ansiedade, esquizofrenia2, transtorno bipolar, dependência e transtorno obsessivo-compulsivo.

A alegação vem de uma análise de coleções existentes de dados médicos, com publicação na revista Nature Human Behaviour.

Estudos de varredura cerebral sugeriram anteriormente que várias áreas diferentes do órgão estão ligadas a vários problemas de saúde1 mental, mas seus resultados foram inconsistentes, diz Joseph Taylor, do Brigham and Women's Hospital, em Boston, EUA. Taylor e seus colegas se perguntaram se essa inconsistência era porque várias regiões cerebrais diferentes dentro de uma rede poderiam desempenhar um papel.

Para saber mais, a equipe analisou os registros de saúde1 de 194 veteranos da guerra do Vietnã que sofreram lesões3 físicas no cérebro4. Os veteranos tinham maior probabilidade de serem diagnosticados com múltiplas condições de saúde1 mental, incluindo as seis mencionadas anteriormente, se tivessem danos em regiões na parte posterior do cérebro4, incluindo uma área chamada córtex parietal posterior, que está ligada às percepções espaciais.

Eles eram menos propensos a ter tal diagnóstico5 se tivessem sido feridos perto da frente do cérebro4, incluindo o cingulado anterior, uma região associada às emoções, e a ínsula, que está ligada à autoconsciência.

Leia sobre "Saúde1 mental - o que é" e "Principais transtornos mentais".

A equipe comparou suas descobertas com um mapa existente de conexões cerebrais, conhecido como conectoma. Isso revelou que quando as regiões identificadas na parte de trás do cérebro4 têm baixa atividade, as da frente tendem a ter alta atividade e vice-versa.

Os pesquisadores também analisaram 193 estudos de escaneamento cerebral envolvendo quase 16.000 pessoas. Eles descobriram que indivíduos com qualquer um dos seis problemas de saúde1 mental tendiam a ter tecido6 encolhido nas regiões frontais ou em outras áreas ligadas a elas.

Juntas, as descobertas sugerem que em pessoas sem qualquer problema de saúde1 mental, as regiões posteriores do cérebro4 inibem as regiões frontais, enquanto em pessoas com danos nas regiões posteriores, as regiões anteriores se tornam muito ativas, o que pode levar a doenças mentais e encolhimento do tecido6, diz Taylor.

Isso é apoiado por cirurgias passadas realizadas por outros pesquisadores que destruíram pequenas partes do cérebro4 em pessoas com problemas graves de saúde1 mental, como TOC e depressão, que não responderam a outros tratamentos. Todos os locais que foram destruídos estavam nas regiões frontais.

A equipe de Taylor apelidou o circuito de rede transdiagnóstica, porque parece estar envolvido em muitos diagnósticos psiquiátricos diferentes. Ele planeja aumentar a atividade cerebral nas regiões posteriores usando uma técnica chamada estimulação magnética transcraniana como um tratamento potencial para doenças mentais.

As descobertas se encaixam na ideia de que, em vez de diferentes doenças mentais terem causas distintas, todas elas podem ter uma causa subjacente compartilhada, ou “fator p”. A ideia é controversa porque condições como depressão e esquizofrenia2 têm sintomas7 muito diferentes.

“Os resultados aumentam o peso crescente das evidências de que a maioria dos transtornos psiquiátricos compartilha vulnerabilidades”, diz Terrie Moffitt, da Duke University.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem essa rede transdiagnóstica para doenças psiquiátricas derivadas de atrofia8 e lesões3.

Eles relatam que os transtornos psiquiátricos compartilham a neurobiologia e frequentemente ocorrem concomitantemente. Essa sobreposição neurobiológica e clínica destaca oportunidades para tratamentos transdiagnósticos.

Neste estudo, usou-se mapeamento de rede de coordenadas e lesões3 para testar uma rede cerebral compartilhada entre transtornos psiquiátricos.

Nessa metanálise de 193 estudos, a atrofia8 é coordenada entre seis transtornos psiquiátricos mapeados para uma rede cerebral comum, definida por conectividade positiva com o cingulado anterior e a ínsula e por conectividade negativa com o córtex parietal posterior e occipital lateral.

Essa rede foi robusta para validação cruzada de deixar um diagnóstico5 de fora e específica para coordenadas de atrofia8 de transtornos psiquiátricos versus neurodegenerativos (72 estudos).

Em 194 pacientes com traumatismo9 cranioencefálico penetrante, o dano da lesão10 a esta rede se correlacionou com o número de diagnósticos psiquiátricos pós-lesão10. Alvos de ablação11 neurocirúrgica para doenças psiquiátricas (quatro alvos) também se alinharam com a rede.

Essa rede cerebral convergente para doenças psiquiátricas pode explicar parcialmente as altas taxas de comorbidade12 psiquiátrica e destacar alvos de neuromodulação para pacientes13 com mais de um transtorno psiquiátrico.

Veja também sobre "Neurologia ou Psiquiatria: quais são as diferenças?"

 

Fontes:
Nature Human Behaviour, publicação em 12 de janeiro de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 12 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Uma rede cerebral pode estar envolvida em seis condições de saúde mental. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1432435/uma-rede-cerebral-pode-estar-envolvida-em-seis-condicoes-de-saude-mental.htm>. Acesso em: 14 abr. 2024.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
3 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
9 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
10 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
11 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
12 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
13 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
Gostou do artigo? Compartilhe!