Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo identifica aumento da prevalência e do fardo global de transtornos depressivos e de ansiedade devido à pandemia de COVID-19

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Antes de 2020, os transtornos mentais eram as principais causas do fardo global relacionado à saúde1, com os transtornos depressivos e de ansiedade sendo os principais contribuintes para esse fardo.

O surgimento da pandemia2 de COVID-19 criou um ambiente onde muitos determinantes da saúde1 mental precária são exacerbados. A necessidade de informações atualizadas sobre os impactos da COVID-19 na saúde1 mental de uma maneira que informe as respostas do sistema de saúde1 é imperativa.

Neste estudo, publicado pelo The Lancet, objetivou-se quantificar o impacto da pandemia2 de COVID-19 sobre a prevalência3 e o fardo do transtorno depressivo maior e dos transtornos de ansiedade globalmente em 2020.

Leia sobre "Saúde1 mental na pandemia2", "Principais transtornos mentais" e "Isolamento social".

Realizou-se uma revisão sistemática de dados relatando a prevalência3 de transtorno depressivo maior e transtornos de ansiedade durante a pandemia2 de COVID-19 e publicados entre 1º de janeiro de 2020 e 29 de janeiro de 2021. Foram pesquisadas as bases de dados PubMed, Google Scholar, servidores de artigos em pré-impressão, fontes de literatura cinzenta e especialistas foram consultados.

Os estudos elegíveis relataram a prevalência3 de transtornos depressivos ou de ansiedade que eram representativos da população em geral durante a pandemia2 de COVID-19 e tinham uma linha de base pré-pandêmica.

Usou-se os dados reunidos em uma meta-regressão para estimar a mudança na prevalência3 de transtorno depressivo maior e transtornos de ansiedade entre pré-pandemia2 e pandemia2 média (usando períodos definidos por cada estudo) por meio de indicadores de impacto da COVID-19 (mobilidade humana, taxa de infecção4 diária por SARS-CoV-2 e taxa de mortalidade5 excessiva diária).

Em seguida, usou-se esse modelo para estimar a mudança da prevalência3 pré-pandêmica (estimada usando o Disease Modeling Meta-Regression versão 2.1 [conhecido como DisMod-MR 2.1]) por idade, sexo e localização. Usou-se estimativas finais de prevalência3 e pesos de deficiência para estimar os anos vividos com deficiência e anos de vida ajustados por deficiência (DALYs) para transtorno depressivo maior e transtornos de ansiedade.

Foram identificadas 5.683 fontes de dados únicas, das quais 48 preencheram os critérios de inclusão (46 estudos preencheram os critérios para transtorno depressivo maior e 27 para transtornos de ansiedade).

Dois indicadores de impacto da COVID-19, especificamente as taxas de infecção4 diária por SARS-CoV-2 e reduções na mobilidade humana, foram associados ao aumento da prevalência3 de transtorno depressivo maior (coeficiente de regressão [B] 0,9 [intervalo de incerteza de 95% 0,1 a 1,8; p = 0,029] para a mobilidade humana, 18,1 [7,9 a 28,3; p = 0,0005] para a infecção4 diária por SARS-CoV-2) e de transtornos de ansiedade (0,9 [0,1 a 1,7; p = 0,022] e 13,8 [10,7 a 17,0; p <0,0001].

As mulheres foram mais afetadas pela pandemia2 do que os homens (B 0,1 [0,1 a 0,2; p = 0,0001] para transtorno depressivo maior, 0,1 [0,1 a 0,2; p = 0,0001] para transtornos de ansiedade) e os grupos de idade mais jovens foram mais afetados do que os grupos de idade mais avançada (-0,007 [-0,009 a -0,006; p = 0,0001] para transtorno depressivo maior, -0,003 [-0,005 a -0,002; p = 0,0001] para transtornos de ansiedade).

Estima-se que os locais mais afetados pela pandemia2 em 2020, conforme medido com a diminuição da mobilidade humana e a taxa de infecção4 diária por SARS-CoV-2, tiveram os maiores aumentos na prevalência3 de transtorno depressivo maior e de transtornos de ansiedade.

Estima-se um adicional de 53,2 milhões (44,8 a 62,9) de casos de transtorno depressivo maior globalmente (um aumento de 27,6% [25,1 a 30,3]) devido à pandemia2 de COVID-19, de modo que a prevalência3 total foi de 3.152,9 casos (2.722,5 a 3.654,5) por 100.000 habitantes.

Também se estima 76,2 milhões (64,3 a 90,6) de casos adicionais de transtornos de ansiedade em todo o mundo (um aumento de 25,6% [23,2 a 28,0]), de modo que a prevalência3 total foi 4.802,4 casos (4.108,2 a 5.588,6) por 100 000 habitantes.

Ao todo, o transtorno depressivo maior causou 49,4 milhões (33,6 a 68,7) de DALYs e os transtornos de ansiedade causaram 44,5 milhões (30,2 a 62,5) de DALYs globalmente em 2020.

Essa pandemia2 criou uma urgência6 cada vez maior para fortalecer os sistemas de saúde1 mental na maioria dos países. As estratégias de mitigação podem incorporar maneiras de promover o bem-estar mental e objetivar os determinantes de saúde1 mental precária e intervenções para tratar as pessoas com transtorno mental.

Não tomar medidas para lidar com o fardo do transtorno depressivo maior e dos transtornos de ansiedade não deve ser uma opção.

Saiba mais sobre "Depressão maior", "Transtorno de ansiedade" e "Saúde1 mental - o que é".

 

Fonte: The Lancet, publicação em 08 de outubro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo identifica aumento da prevalência e do fardo global de transtornos depressivos e de ansiedade devido à pandemia de COVID-19. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1404355/estudo-identifica-aumento-da-prevalencia-e-do-fardo-global-de-transtornos-depressivos-e-de-ansiedade-devido-a-pandemia-de-covid-19.htm>. Acesso em: 8 dez. 2021.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
3 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
6 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
Gostou do artigo? Compartilhe!