Gostou do artigo? Compartilhe!

Refrigerantes diet podem estimular intensos desejos por comida, especialmente em mulheres e pessoas com obesidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O “diet” nas bebidas dietéticas pode ser uma falsa promessa para alguns amantes de refrigerantes. É verdade que eles entregam a efervescência e o sabor de uma experiência de refrigerante, sem as calorias1. No entanto, novas pesquisas mostram que eles também podem deixar as pessoas com maior desejo por comida.

Um estudo publicado recentemente no JAMA Network Open acrescenta evidências de que as bebidas feitas com sucralose podem estimular o apetite, pelo menos entre algumas pessoas, e o estudo dá algumas pistas do porquê.

“Descobrimos que mulheres e pessoas com obesidade2 tinham maior atividade de recompensa cerebral” depois de consumir o adoçante artificial, diz a autora do estudo Katie Page, médica especializada em obesidade2 na Universidade do Sul da Califórnia.

Ambos os grupos também tiveram uma redução no hormônio3 que inibe o apetite e comeram mais depois de consumir bebidas com sucralose, em comparação com as bebidas normais adoçadas com açúcar4. Em contraste, o estudo descobriu que homens e pessoas com peso saudável não tiveram um aumento na atividade de recompensa do cérebro5 ou na resposta à fome, sugerindo que eles não são afetados da mesma forma.

“Acho que o mais surpreendente foi o impacto do peso corporal e do sexo biológico”, diz Page. “Eles foram fatores muito importantes na maneira como o cérebro5 respondeu ao adoçante artificial.”

Os adoçantes não nutritivos (ANNs) são usados ​​como uma alternativa aos adoçantes nutritivos para saciar o desejo por doces e, ao mesmo tempo, reduzir a ingestão calórica. No entanto, estudos têm mostrado resultados mistos sobre os efeitos dos ANNs no apetite, e as associações entre sexo e obesidade2 com respostas de recompensa e do apetite ao ANN em comparação com o açúcar4 nutritivo são desconhecidas.

Nesse contexto, o objetivo do estudo foi examinar a reatividade neural a diferentes tipos de estímulos alimentares de alto teor calórico (doces e salgados), respostas metabólicas e comportamento alimentar após o consumo de sucralose (ANN) vs sacarose (açúcar4 nutritivo) entre jovens adultos saudáveis.

Leia sobre "Adoçantes: prós e contras", "Como funciona o controle do apetite" e "Obesidade2".

Em um estudo cruzado randomizado6, intraparticipantes, incluindo 3 consultas separadas, os participantes foram submetidos a uma tarefa de ressonância magnética7 funcional medindo o sinal8 dependente do nível de oxigênio no sangue9 em resposta a pistas visuais.

Para cada consulta do estudo, os participantes chegaram ao Centro de Neuroimagem Cognitiva10 Dornsife da Universidade do Sul da Califórnia aproximadamente às 8h00, após um jejum noturno de 12 horas. O sangue9 foi coletado no início do estudo e 10, 35 e 120 minutos após os participantes receberem uma bebida contendo sacarose, sucralose ou água para medir a glicose11 plasmática, insulina12, peptídeo semelhante ao glucagon13 (7-36), acil-grelina, peptídeo total YY, e leptina14.

Os participantes foram então apresentados com uma refeição à vontade. Os participantes eram destros, não fumantes, com estabilidade de peso por pelo menos 3 meses antes das consultas do estudo, não faziam dieta, não tomavam medicamentos e não tinham histórico de transtornos alimentares, uso de drogas ilícitas15 ou diagnósticos médicos. A análise dos dados foi realizada de março de 2020 a março de 2021.

Os participantes ingeriram bebidas de 300 mL contendo sacarose (75 g), sucralose (doçura individualmente combinada) ou água (como controle).

Os desfechos primários de interesse foram os efeitos do índice de massa corporal16 (IMC17) e do sexo no sinal8 dependente do nível de oxigênio no sangue9 para estímulos alimentares de alto teor calórico e respostas endócrinas e alimentares após o consumo de sucralose vs sacarose.

Os desfechos secundários incluíram respostas neurais, endócrinas e alimentares após consumo de sacarose vs água e sucralose vs água (controle) e avaliações de apetite induzido por estímulo após sucralose vs sacarose (e vs água).

Um total de 76 participantes foram randomizados, mas 2 desistiram, deixando 74 adultos (43 mulheres [58%]; idade média [DP], 23,40 [3,96] anos; faixa de IMC17, 19,18-40,27) que completaram o estudo.

Neste design cruzado, 73 participantes receberam água (bebida 1) e sacarose (bebida 2), e 72 participantes receberam água (bebida 1), sacarose (bebida 2) e sucralose (bebida 3).

Sacarose vs sucralose foi associada com maior produção de glicose11 circulante, insulina12 e peptídeo 1 semelhante ao glucagon13 e supressão de acil-grelina, mas nenhuma diferença foi encontrada para o peptídeo YY ou leptina14.

As interações do status do IMC17 por bebida foi observado no córtex frontal medial (CFM; P para interação <0,001) e córtex orbitofrontal (COF; P para interação = 0,002). Indivíduos com obesidade2 (CFM, β, 0,60; IC 95%, 0,38 a 0,83; P <0,001; COF, β, 0,27; IC 95%, 0,11 a 0,43; P = 0,002), mas não aqueles com sobrepeso18 (CFM , β, 0,02; IC 95%, -0,19 a 0,23; P = 0,87; COF, β, -0,06; IC 95%, -0,21 a 0,09; P = 0,41) ou peso saudável (CFM, β, -0,13 ; IC 95%, -0,34 a 0,07; P = 0,21; COF, β, -0,08; IC 95%, -0,23 a 0,06; P = 0,16) exibiram maior responsividade no CFM e no COF para estímulos de alimentos saborosos após sucralose vs sacarose.

As interações do sexo por bebida foram observadas no CFM (P para interação = 0,03) e COF (P para interação = 0,03) após o consumo de sucralose vs sacarose. Participantes do sexo feminino tiveram maiores respostas do CFM e do COF aos estímulos alimentares (estímulos de alto teor calórico vs baixo teor calórico no CFM, β, 0,21; IC 95%, 0,05 a 0,37; P = 0,01; estímulos de doce vs não alimentar no CFM, β, 0,22; IC 95%, 0,02 a 0,42; P = 0,03; estímulos alimentar vs não alimentar no COF, β, 0,12; IC 95%, 0,02 a 0,22; P = 0,03; e estímulos de doce vs não alimentar no COF, β, 0,15; IC 95%, 0,03 a 0,27; P = 0,01), mas as respostas dos participantes do sexo masculino não diferiram (estímulos de alto teor calórico vs baixo teor calórico no CFM, β, 0,01; IC 95%, -0,19 a 0,21; P = 0,90; estímulos de doce vs não alimentar no CFM, β, -0,04; IC 95%, -0,26 a 0,18; P = 0,69; estímulos alimentar vs não alimentar no COF, β, -0,08; IC 95%, -0,24 a 0,08; P = 0,32; estímulos de doce vs não alimentar no COF, β, -0,11; IC 95%, -0,31 a 0,09; P = 0,31).

Foi observada uma interação do sexo por bebida no total de calorias1 consumidas durante a refeição do buffet (P para interação = 0,03). Participantes do sexo feminino consumiram mais calorias1 totais (β, 1,73; IC 95%, 0,38 a 3,08; P = 0,01), enquanto a ingestão calórica não diferiu nos participantes do sexo masculino (β, 0,68; IC 95%, -0,99 a 2,35; P = 0,42) após a ingestão de sucralose vs sacarose.

Assim, neste estudo cruzado randomizado6, tanto a obesidade2 quanto o sexo feminino foram associados com responsividade diferencial do estímulo alimentar neural em áreas de processamento de recompensas após a ingestão de sucralose (um adoçante não nutritivo) em comparação com a sacarose (açúcar4 nutritivo).

Essas descobertas sugerem que indivíduos do sexo feminino e obesos podem ser particularmente sensíveis à responsividade neural díspar induzida pela sucralose em comparação com o consumo de sacarose, destacando a necessidade de considerar fatores biológicos individuais que podem influenciar a eficácia do adoçante não nutritivo.

Veja também sobre "O que são calorias1", "Dicas para mulheres perderem peso", "O que é uma alimentação saudável" e "Perigos dos sucos em caixinhas".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 28 de setembro de 2021.
NPR, notícia publicada em 07 de outubro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Refrigerantes diet podem estimular intensos desejos por comida, especialmente em mulheres e pessoas com obesidade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1403755/refrigerantes-diet-podem-estimular-intensos-desejos-por-comida-especialmente-em-mulheres-e-pessoas-com-obesidade.htm>. Acesso em: 8 dez. 2021.

Complementos

1 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
4 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
7 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
8 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
11 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
12 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
13 Glucagon: Hormônio produzido pelas células-alfa do pâncreas. Ele aumenta a glicose sangüínea. Uma forma injetável de glucagon, disponível por prescrição médica, pode ser usada no tratamento da hipoglicemia severa.
14 Leptina: Proteína secretada por adipócitos que age no sistema nervoso central promovendo menor ingestão alimentar e incrementando o metabolismo energético, além de afetar o eixo hipotalâmico-hipofisário e regular mecanismos neuroendócrinos. Do grego leptos = magro.
15 Ilícitas: 1. Condenadas pela lei e/ou pela moral; proibidas, ilegais. 2. Qualidade das que não são legais ou moralmente aceitáveis; ilicitude.
16 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
17 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
18 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
Gostou do artigo? Compartilhe!