Gostou do artigo? Compartilhe!

Terapia de reprocessamento da dor para pacientes com dor crônica nas costas pode fornecer um alívio substancial e durável da dor

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um tratamento psicológico baseado na reavaliação da dor crônica nas costas1 primária como decorrente de processos não perigosos do sistema nervoso central2 pode fornecer alívio substancial e durável da dor?

A dor crônica nas costas1 (DCC) é uma das principais causas de incapacidade e o tratamento costuma ser ineficaz. Aproximadamente 85% dos casos são de DCC primária, para a qual a etiologia3 periférica não pode ser identificada, e os fatores de manutenção incluem medo, evitação e crenças de que a dor indica lesão4.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Psychiatry, foi testar se um tratamento psicológico (terapia de reprocessamento da dor [TRD]), com o objetivo de mudar as crenças dos pacientes sobre as causas e o valor da ameaça da dor, fornece alívio substancial e durável da dor da DCC primária e investigar os mecanismos de tratamento.

Este ensaio clínico randomizado5 com ressonância magnética6 funcional longitudinal (fMRI) e avaliação de acompanhamento de 1 ano foi conduzido em um ambiente de pesquisa universitária de novembro de 2017 a agosto de 2018, com acompanhamento de 1 ano concluído em novembro de 2019. Dados clínicos e de fMRI foram analisados ​​de janeiro de 2019 a agosto de 2020. O estudo comparou a TRD com um tratamento placebo7 aberto e com os cuidados habituais em uma amostra da comunidade.

Saiba mais sobre "Dores nas costas1", "Dores crônicas", "Lombalgia8, dor nas costas1 ou dor lombar" e "Psicoterapia".

Os participantes randomizados para TRD participaram de uma sessão de telessaúde com um médico e oito sessões de tratamento psicológico durante 4 semanas. O tratamento teve como objetivo ajudar os pacientes a reconceituar sua dor como sendo devida à atividade cerebral não perigosa, em vez de lesão4 do tecido9 periférico, usando uma combinação de técnicas cognitivas, somáticas e baseadas na exposição.

Os participantes randomizados para receber placebo7 receberam uma injeção subcutânea10 de solução salina nas costas1; participantes randomizados para cuidados usuais continuaram com seus cuidados de rotina contínuos.

Os principais resultados e medidas foram a pontuação média de intensidade de dor nas costas1 em uma semana (0 a 10) no pós-tratamento, crenças sobre a dor e medidas de fMRI de dor evocada e conectividade em repouso.

No início do estudo, 151 adultos (54% mulheres; idade média [DP], 41,1 [15,6] anos) relataram dor média (DP) de gravidade baixa a moderada (intensidade média [DP] da dor, 4,10 [1,26] de 10; incapacidade média [DP], 23,34 [10,12] de 100) e duração média (DP) da dor de 10,0 (8,9) anos.

Grandes diferenças na dor entre os grupos foram observadas no pós-tratamento, com uma pontuação média (DP) de dor de 1,18 (1,24) no grupo de TRD, 2,84 (1,64) no grupo de placebo7 e 3,13 (1,45) no grupo de tratamento usual.

Hedges g foi -1,14 para TRD vs placebo7 e -1,74 para TRD vs tratamento usual (P <0,001).

Do total de 151 participantes, 33 de 50 participantes (66%) randomizados para TRD estavam sem dor ou quase sem dor no pós-tratamento (relatando uma pontuação de intensidade de dor de 0 ou 1 de 10), em comparação com 10 de 51 participantes (20%) randomizados para placebo7 e 5 de 50 participantes (10%) randomizados para cuidados usuais.

Os efeitos do tratamento foram mantidos no acompanhamento de 1 ano, com uma pontuação média (DP) de dor de 1,51 (1,59) no grupo de TRD, 2,79 (1,78) no grupo de placebo7 e 3,00 (1,77) no grupo de tratamento usual.

Hedges g foi -0,70 para TRD vs placebo7 (P = 0,001) e -1,05 para TRD vs cuidado usual (P <0,001) em 1 ano de acompanhamento.

A fMRI longitudinal mostrou:

  1. respostas reduzidas à dor nas costas1 evocada no córtex pré-frontal anterior e cingulado médio anterior para TRD vs placebo7;
  2. respostas reduzidas na ínsula anterior para TRD vs cuidado usual;
  3. conectividade em repouso aumentada do córtex pré-frontal anterior e ínsula anterior ao córtex somatossensorial primário para TRD vs ambos os grupos de controle;
  4. e conectividade aumentada do cingulado médio anterior ao pré-cuneiforme para TRD vs cuidado usual.

O estudo concluiu que o tratamento psicológico centrado na mudança das crenças dos pacientes sobre as causas e o valor da ameaça da dor pode fornecer alívio substancial e durável da dor para pessoas com dor crônica nas costas1.

Os efeitos do tratamento na dor foram mediados por crenças reduzidas de que a dor indica dano ao tecido9, e a ressonância magnética6 funcional longitudinal mostrou respostas pré-frontais reduzidas à dor nas costas1 evocada e aumento da conectividade pré-frontal-somatossensorial em repouso em pacientes randomizados para tratamento em relação a pacientes randomizados para placebo7 ou tratamento usual.

Leia sobre "A dor como relatada pelos pacientes" e "Dor na coluna: quais são as causas".

 

Fonte: JAMA Psychiatry, publicação em 29 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Terapia de reprocessamento da dor para pacientes com dor crônica nas costas pode fornecer um alívio substancial e durável da dor. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1403205/terapia-de-reprocessamento-da-dor-para-pacientes-com-dor-cronica-nas-costas-pode-fornecer-um-alivio-substancial-e-duravel-da-dor.htm>. Acesso em: 8 dez. 2021.

Complementos

1 Costas:
2 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
3 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
4 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
7 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
8 Lombalgia: Dor produzida na região posterior inferior do tórax. As pessoas com lombalgia podem apresentar contraturas musculares, distensões dos ligamentos da coluna, hérnias de disco, etc. É um distúrbio benigno que pode desaparecer com uso de antiinflamatórios e repouso.
9 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
10 Injeção subcutânea: Injetar fluido no tecido localizado abaixo da pele, o tecido celular subcutâneo, com uma agulha e seringa.
Gostou do artigo? Compartilhe!