Gostou do artigo? Compartilhe!

Terapia antioxidante no início da doença de Parkinson não foi clinicamente benéfica para retardar a progressão da doença

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tratamento com um precursor de urato, a inosina, não resultou em uma diferença significativa na taxa de progressão da doença clínica no início da doença de Parkinson1, mostrou o ensaio clínico de fase III SURE-PD3.

As taxas de progressão clínica, medidas pelas partes I-III da Escala de Avaliação da Doença de Parkinson1 Unificada da Sociedade de Distúrbios do Movimento (MDS-UPDRS), não foram significativamente diferentes entre os pacientes com Parkinson randomizados para tratamento sustentado com inosina oral ou placebo2 por até 2 anos, relataram Michael Schwarzschild, MD, PhD, do Massachusetts General Hospital em Boston, e co-autores em estudo publicado no JAMA.

“O ensaio SURE-PD3 testou uma hipótese convincente de que o aumento dos níveis cerebrais de um antioxidante natural, o urato, retarda a progressão da doença”, disse Schwarzschild ao MedPage Today. “Embora os resultados forneçam fortes evidências contra a hipótese, o rigor do estudo e suas inovações aumentam as perspectivas de que estudos futuros demonstrem o benefício da terapia modificadora da doença para pessoas com doença de Parkinson1.”

O SURE-PD3 foi o primeiro estudo de Parkinson randomizado3 controlado por placebo2 a usar imagens do cérebro4 para limitar o recrutamento de pessoas com deficiência do transportador de dopamina5 estriatal, observou Schwarzschild. “Apenas os candidatos que foram diagnosticados recentemente com base em características clínicas e cujas varreduras indicaram perda substancial das células6 cerebrais produtoras de dopamina5 características da doença de Parkinson1 foram inscritos e randomizados”, disse ele.

“O estudo representa uma tendência emergente para o desenvolvimento da medicina de precisão no Parkinson, com tratamentos adaptados ao subconjunto de pacientes com maior probabilidade de se beneficiar”, ressaltou. “No SURE-PD3, apenas os pacientes que tinham níveis mais baixos de urato foram inscritos, para aumentar a chance de benefício e reduzir a chance de efeitos colaterais”.

Saiba mais sobre "Doença ou Mal de Parkinson", "10 sinais7 precoces da doença de Parkinson1" e "O que é ácido úrico".

No artigo, os pesquisadores contextualizam que a elevação do urato, apesar das associações com distúrbios cristalopáticos, cardiovasculares e metabólicos, tem sido buscada como uma estratégia potencial modificadora da doença para a doença de Parkinson1 (DP) com base em dados biológicos, epidemiológicos e clínicos convergentes.

Assim, o objetivo do estudo foi determinar se o tratamento sustentado de elevação de urato com o precursor de urato inosina retarda a progressão inicial da DP.

Foi realizado um ensaio de fase 3 randomizado3, duplo-cego, controlado por placebo2, de tratamento com inosina oral no início da DP. Um total de 587 indivíduos consentiram, e 298 com DP ainda não exigindo medicação dopaminérgica, com deficiência do transportador de dopamina5 estriatal e com urato sérico abaixo da concentração média da população (<5,8 mg/dL8) foram randomizados entre agosto de 2016 e dezembro de 2017 em 58 locais dos EUA, e foram acompanhados até junho de 2019.

A intervenção do estudo foi a inosina, administrada por titulação às cegas para aumentar as concentrações de urato sérico para 7,1-8,0 mg/dL8 (n = 149) ou placebo2 correspondente (n = 149) por até 2 anos.

O desfecho primário foi a taxa de mudança na pontuação total (variação, 0-236; pontuações mais altas indicam maior deficiência; diferença clinicamente importante mínima de 6,3 pontos) da Escala de Avaliação da Doença de Parkinson1 Unificada da Sociedade de Distúrbios do Movimento (MDS-UPDRS; partes I-III) antes do início da terapia com drogas dopaminérgicas.

Os resultados secundários incluíram urato sérico para medir o engajamento do alvo, eventos adversos para medir a segurança e 29 medidas de eficácia de deficiência, qualidade de vida, cognição9, humor, função autonômica e ligação do transportador de dopamina5 estriatal como um biomarcador de integridade neuronal.

Com base em uma análise de futilidade intermediária pré-especificada, o estudo foi encerrado cedo, com 273 (92%) dos participantes randomizados (49% mulheres; idade média de 63 anos) completando o estudo.

As taxas de progressão clínica não foram significativamente diferentes entre os participantes randomizados para inosina (pontuação da MDS-UPDRS, 11,1 [IC 95%, 9,7-12,6] pontos por ano) e placebo2 (pontuação da MDS-UPDRS, 9,9 [IC 95%, 8,4-11,3] pontos por ano; diferença, 1,26 [IC 95%, -0,59 a 3,11] pontos por ano; P = 0,18).

A elevação sustentada do urato sérico em 2,03 mg/dL8 (a partir de um nível basal de 4,6 mg/dL8; aumento de 44%) ocorreu no grupo de inosina vs uma mudança de 0,01 mg/dL8 no urato sérico no grupo placebo2 (diferença, 2,02 mg/dL8 [IC 95%, 1,85-2,19 mg/dL8]; P <0,001).

Não houve diferenças significativas para os resultados de eficácia secundária, incluindo perda de ligação do transportador de dopamina5. Os participantes randomizados para inosina, em comparação com o placebo2, experimentaram menos eventos adversos graves (7,4 vs 13,1 por 100 pacientes-ano), mas mais cálculos renais (7,0 vs 1,4 cálculos por 100 pacientes-ano).

O estudo concluiu que entre os pacientes recentemente diagnosticados com doença de Parkinson1, o tratamento com inosina, em comparação com o placebo2, não resultou em uma diferença significativa na taxa de progressão clínica da doença.

Assim, o tratamento com inosina que eleva o urato não foi clinicamente benéfico no início da doença de Parkinson1 e os resultados não apoiam o uso de inosina como tratamento para doença de Parkinson1 inicial.

Leia sobre "Conhecendo as doenças degenerativas10", "Tremor essencial – como ele é" e "O envelhecimento saudável".

 

Fontes:
JAMA, publicação em 14 de setembro de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 14 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Terapia antioxidante no início da doença de Parkinson não foi clinicamente benéfica para retardar a progressão da doença. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1402240/terapia-antioxidante-no-inicio-da-doenca-de-parkinson-nao-foi-clinicamente-benefica-para-retardar-a-progressao-da-doenca.htm>. Acesso em: 24 out. 2021.

Complementos

1 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
5 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
8 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
9 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
10 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
Gostou do artigo? Compartilhe!