Gostou do artigo? Compartilhe!

Uma enzima chamada proteína fosfatase 2A (PP2A) pode ser uma das principais causas da pré-eclâmpsia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo estudo realizado por cientistas da UT Southwestern indica que uma enzima1 chamada proteína fosfatase 2A (PP2A) parece ser um dos principais fatores que causam a pré-eclâmpsia2, uma perigosa complicação da gravidez3 caracterizada pelo desenvolvimento de pressão alta e excesso de proteína na urina4. A descoberta, publicada na revista Circulation Research, pode levar a novos tratamentos para a pré-eclâmpsia2 além do parto prematuro, que muitas vezes é a única opção.

“A pré-eclâmpsia2 é uma causa lamentavelmente comum de parto prematuro, que pode ser fatal para bebês5 e levar a consequências para a vida toda. Ao identificar o papel da PP2A nesta condição, podemos desenvolver tratamentos para a pré-eclâmpsia2 que são muito melhores para mães e bebês”, disse o líder do estudo Philip W. Shaul, MD, Professor e Vice-Presidente de Pesquisa do Departamento de Pediatria da UTSW e Diretor do Centro de Biologia Pulmonar e Vascular6. O Dr. Shaul co-liderou este estudo com Chieko Mineo, Ph.D., Professor de Pediatria e Biologia Celular.

A pré-eclâmpsia2, que afeta 5 a 7% das grávidas em todo o mundo, pode ser mortal para mães em gestação e seus bebês5 e requer parto prematuro.

Embora as causas da pré-eclâmpsia2 não sejam bem compreendidas, explicou o Dr. Shaul, os pesquisadores relacionaram a condição a uma variedade de fatores de risco. Um deles é uma doença autoimune7 conhecida como síndrome8 antifosfolípide (SAF), na qual os anticorpos9 reagem a proteínas10 na superfície de algumas células11. Embora a SAF seja relativamente rara, afetando apenas cerca de 5 em cada 100.000 pessoas, estudos identificaram anticorpos9 da SAF em cerca de 29% das grávidas com pré-eclâmpsia2.

Saiba mais sobre "Diferenças entre pré-eclâmpsia2 e eclâmpsia12", "Como é a síndrome8 antifosfolipídica", "O que é parto prematuro" e "Gravidez3 de risco".

Para entender melhor como a SAF leva à pré-eclâmpsia2, Dr. Shaul, Dr. Mineo e seus colegas desenvolveram este estudo que demonstrou como a ativação da proteína fosfatase 2A via ApoER2 no trofoblasto13 estimula a pré-eclâmpsia2 em um modelo de camundongo da síndrome8 antifosfolípide.

No artigo, os pesquisadores relatam que a pré-eclâmpsia2 é um distúrbio hipertensivo baseado na placenta com potencial de risco de vida durante a gravidez3, e a síndrome8 antifosfolípide (SAF) frequentemente leva à pré-eclâmpsia2. A gravidez3 com SAF também é complicada pela morte fetal e restrição do crescimento intrauterino.

No estudo, eles determinaram como os anticorpos9 antifosfolípides (aPL) circulantes característicos da SAF alteram a função do trofoblasto13 da placenta para causar pré-eclâmpsia2 e também colocar o feto14 em perigo.

Os experimentos foram realizados em camundongos, em trofoblastos15 humanos em cultura e em amostras de placenta humana. Os efeitos de aPL e IgG de indivíduos saudáveis ​​foram comparados.

Com base em achados anteriores em cultura, estudos in vivo foram realizados em camundongos com deficiência de ApoER2 (receptor 2 da apolipoproteína E) no trofoblasto13. Os desfechos em tecidos e células11 foram determinados por ensaio enzimático, reação em cadeia da polimerase quantitativa, ELISA ou imunotransferência.

Enquanto em camundongos de tipo selvagem os aPL causaram hipertensão16 e proteinúria17 maternas, morte fetal e restrição de crescimento intrauterino, camundongos sem ApoER2 no trofoblasto13 foram protegidos.

Em cultura, os aPL atenuaram a proliferação e migração do trofoblasto13 por meio de um complexo de proteínas10 relacionadas com o ApoER2 composto por PP2A (proteína fosfatase 2A), Dab2 (disabled-2) e JIP4 (proteína 4 de interação com a quinase Jun-N-terminal).

Por meio do ApoER2 no trofoblasto13 em camundongos e em cultura, os aPL estimularam a atividade da PP2A, levando à suprarregulação de MMP14 (matriz metalopeptidase 14) e HIF1α (fator 1 indutível por hipóxia18) e aumento da produção de endoglina solúvel. A suprarregulação de HIF1α e endoglina solúvel foi relacionada à desfosforilação de PHD2 (domínio da prolil hidroxilase contendo proteína 2) pela PP2A.

Em camundongos, a inibição da PP2A preveniu a hipertensão16 e a proteinúria17 maternas induzidas por aPL, e morte fetal e restrição de crescimento intrauterino.

Placentas de pacientes com SAF exibiram hiperativação da PP2A, desfosforilação de PHD2 e regulação positiva de HIF1α, e esses achados foram generalizáveis ​​para placentas de mulheres com pré-eclâmpsia2 por outras causas que não a SAF.

O estudo concluiu que na síndrome8 antifosfolípide, trofoblastos15 da gravidez3 são o alvo celular crítico de anticorpos9 antifosfolípides, e via ativação da proteína fosfatase 2A dependente de ApoER2, os anticorpos9 antifosfolípides causam pré-eclâmpsia2 por meio de suprarregulação de MMP14 e desfosforilação de PHD2 levando à suprarregulação de HIF1α e de endoglina solúvel.

Além disso, processos paralelos podem ser operativos na pré-eclâmpsia2 em pacientes sem síndrome8 antifosfolípide.

As intervenções direcionadas à PP2A podem fornecer novos meios para combater a pré-eclâmpsia2 relacionada à síndrome8 antifosfolípide e a pré-eclâmpsia2 não relacionada à síndrome8 antifosfolípide.

Leia sobre "Hipertensão16 da gravidez3", "Perda de proteína na urina4", "Entendendo a prematuridade" e "Baixo peso ao nascer".

 

Fontes:
Circulation Research, Vol. 129, Nº 7, em setembro de 2021.
EurekAlert!, notícia publicada em 09 de setembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Uma enzima chamada proteína fosfatase 2A (PP2A) pode ser uma das principais causas da pré-eclâmpsia. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1401430/uma-enzima-chamada-proteina-fosfatase-2a-pp2a-pode-ser-uma-das-principais-causas-da-pre-eclampsia.htm>. Acesso em: 18 out. 2021.

Complementos

1 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
2 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
5 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
6 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
7 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
8 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
9 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
10 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
11 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
12 Eclâmpsia: Ocorre quando a mulher com pré-eclâmpsia grave apresenta covulsão ou entra em coma. As convulsões ocorrem porque a pressão sobe muito e, em decorrência disso, diminui o fluxo de sangue que vai para o cérebro.
13 Trofoblasto: Na embriologia, é a camada de células epiteliais que forma a parede externa da blástula dos mamíferos (blastocisto) e atua na implantação e nutrição do embrião. É a camada de células que vem a formar a camada superficial da placenta.
14 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
15 Trofoblastos: Células que revestam a parte externa do BLASTOCISTO. Depois que os trofoblastos se ligam ao ENDOMÉTRIO, desenvolvem duas camadas distintas
16 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
17 Proteinúria: Presença de proteínas na urina, indicando que os rins não estão trabalhando apropriadamente.
18 Hipóxia: Estado de baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores, tais como mudança repentina para um ambiente com ar rarefeito (locais de grande altitude) ou por uma alteração em qualquer mecanismo de transporte de oxigênio, desde as vias respiratórias superiores até os tecidos orgânicos.
Gostou do artigo? Compartilhe!