Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo demonstra incerteza considerável sobre a eficácia clínica e segurança dos relaxantes musculares para a dor lombar

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma revisão sistemática e metanálise de ensaios clínicos1 randomizados, publicada pelo The British Medical Journal, teve como objetivo investigar a eficácia, aceitabilidade e segurança de relaxantes musculares para dor lombar.

Foram pesquisadas as bases de dados Medline, Embase, CINAHL, CENTRAL, ClinicalTrials.gov, clinicialtrialsregister.eu e WHO ICTRP desde o início até 23 de fevereiro de 2021.

Foram selecionados para análise ensaios clínicos1 controlados randomizados de relaxantes musculares comparados com placebo2, tratamento usual, lista de espera ou nenhum tratamento em adultos (≥18 anos) relatando dor lombar inespecífica.

Saiba mais sobre "Dores nas costas3" e "Lombalgia4, dor nas costas3 ou dor lombar".

Dois revisores identificaram independentemente os estudos, extraíram os dados e avaliaram o risco de viés e a certeza das evidências usando a ferramenta de risco de viés Cochrane e o sistema GRADE (Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation), respectivamente.

Modelos metanalíticos de efeitos aleatórios por meio de estimativa de máxima verossimilhança restrita foram usados ​​para estimar os efeitos combinados e os intervalos de confiança de 95% correspondentes.

Os resultados incluíram intensidade da dor (medida em uma escala de 0-100 pontos), incapacidade (escala de 0-100 pontos), aceitabilidade (descontinuação do medicamento por qualquer motivo durante o tratamento) e segurança (eventos adversos, eventos adversos graves e número de participantes que desistiram do estudo devido a um evento adverso).

49 estudos foram incluídos na revisão, dos quais 31, amostrando 6.505 participantes, foram analisados ​​quantitativamente.

Para dor lombar aguda, evidências de certeza muito baixa mostraram que em duas semanas ou menos os antiespasmódicos não benzodiazepínicos foram associados a uma redução na intensidade da dor em comparação com o controle (diferença média -7,7, intervalo de confiança de 95% -12,1 a-3,3), mas não a uma redução na deficiência (-3,3, -7,3 a 0,7).

Evidências de certeza baixa e muito baixa mostraram que antiespasmódicos não benzodiazepínicos podem aumentar o risco de um evento adverso (risco relativo 1,6, 1,2 a 2,0) e podem ter pouco ou nenhum efeito na aceitabilidade (0,8, 0,6 a 1,1) em comparação com o controle para dor lombar aguda, respectivamente.

O número de estudos que investigaram outros relaxantes musculares e durações diferentes de dor lombar foi pequeno e a certeza da evidência foi reduzida porque a maioria dos estudos apresentou alto risco de viés.

Esta metanálise concluiu que existe uma incerteza considerável sobre a eficácia clínica e segurança dos relaxantes musculares. Evidências com certeza muito baixa e baixa mostram que os antiespasmódicos não benzodiazepínicos podem fornecer reduções pequenas, mas não clinicamente importantes, na intensidade da dor em ou antes de duas semanas, e podem aumentar o risco de um evento adverso na dor lombar aguda, respectivamente.

Ensaios clínicos1 grandes e de alta qualidade controlados por placebo2 são urgentemente necessários para resolver a incerteza.

Leia sobre "O que é dor e como a sentimos", "Dor na coluna: quais são as causas" e "Dor crônica".

 

Fonte: The British Medical Journal, publicação em 08 de julho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo demonstra incerteza considerável sobre a eficácia clínica e segurança dos relaxantes musculares para a dor lombar. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1398410/estudo-demonstra-incerteza-consideravel-sobre-a-eficacia-clinica-e-seguranca-dos-relaxantes-musculares-para-a-dor-lombar.htm>. Acesso em: 6 dez. 2021.

Complementos

1 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
3 Costas:
4 Lombalgia: Dor produzida na região posterior inferior do tórax. As pessoas com lombalgia podem apresentar contraturas musculares, distensões dos ligamentos da coluna, hérnias de disco, etc. É um distúrbio benigno que pode desaparecer com uso de antiinflamatórios e repouso.
Gostou do artigo? Compartilhe!