Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de estatinas está associado a menor risco de câncer e de mortalidade relacionada ao câncer em pacientes com insuficiência cardíaca

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Dados de registro de mais de 87.000 pacientes sugerem que os pacientes com insuficiência cardíaca1 que usam estatinas tinham um risco 16% menor de desenvolver câncer2 e um risco 26% reduzido de mortalidade3 por câncer2 em comparação com aqueles que não usavam terapia com estatinas.

Realizado por pesquisadores da Universidade de Hong Kong e do National Heart Centre em Cingapura, os resultados do estudo de coorte4 retrospectivo5, publicado no European Heart Journal, também indicam que o aumento do tempo de uso de estatina foi associado a reduções ainda maiores no risco de desenvolver câncer2.

“Nossas descobertas devem aumentar a conscientização dos médicos sobre o aumento da incidência6 de câncer2 entre pacientes com insuficiência cardíaca1 e encorajá-los a prestar atenção extra aos resultados não cardiovasculares. Além disso, nosso estudo destaca a relação entre insuficiência cardíaca1 e desenvolvimento de câncer2 e fornece informações importantes sobre a possibilidade de reduzir a incidência6 de câncer2 e mortes relacionadas com o uso de estatinas nesses pacientes”, disse Kai-Hang Yiu, MD, PhD, Professor Associado Clínico na Universidade de Hong Kong, em comunicado.

Leia sobre "Estatinas: prós e contras", "Insuficiência cardíaca congestiva7" e "Câncer2 - informações importantes".

No estudo, os pesquisadores relatam como pacientes com insuficiência cardíaca1 apresentam risco aumentado de câncer2 incidente8. E os dados relacionados à associação do uso de estatinas com o risco de câncer2 e mortalidade3 por câncer2 entre pacientes com insuficiência cardíaca1 são esparsos.

Usando um registro de informações clínicas de todo o território previamente validado, o uso de estatina foi verificado entre todos os pacientes elegíveis com insuficiência cardíaca1 (n = 87.102) de 2003 a 2015. A probabilidade inversa de ponderação de tratamento foi usada para equilibrar as covariáveis ​​basais entre não usuários de estatina (n = 50.926) com usuários de estatina (n = 36.176).

A regressão de risco competitivo com modelos de risco proporcional de Cox foi realizada para estimar o risco de câncer2 e mortalidade3 relacionada ao câncer2 associado ao uso de estatina.

De todos os sujeitos elegíveis, a média de idade foi de 76,5 ± 12,8 anos e 47,8% eram do sexo masculino. Ao longo de um acompanhamento médio de 4,1 anos (intervalo interquartil: 1,6-6,8), 11.052 (12,7%) pacientes foram diagnosticados com câncer2.

O uso de estatina (vs. nenhum) foi associado a um risco 16% menor de incidência6 de câncer2 (razão de risco de subdistribuição [SHR] ajustada multivariável = 0,84; Intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,80-0,89).

Essa associação inversa com o risco de câncer2 era dependente da duração; em comparação com o uso de estatina de curto prazo (3 meses a <2 anos), a SHR ajustada foi de 0,99 (IC 95%, 0,87-1,13) para 2 a <4 anos de uso, 0,82 (IC 95%, 0,70-0,97) para 4 a <6 anos de uso e 0,78 (IC 95%, 0,65-0,93) para ≥6 anos de uso.

A mortalidade3 relacionada ao câncer2 em dez anos foi de 3,8% entre usuários de estatina e 5,2% entre não usuários (diferença de risco absoluto, -1,4 pontos percentuais [IC 95%, -1,6% a -1,2%]; SHR ajustada = 0,74; IC 95%, 0,67–0,81).

Esse estudo sugere que o uso de estatinas está associado a um risco significativamente menor de câncer2 incidente8 e mortalidade3 relacionada ao câncer2 em pacientes com insuficiência cardíaca1, uma associação que parece ser dependente da duração.

“Ensaios clínicos randomizados devem ser realizados para investigar isso mais profundamente. Além disso, os resultados, combinados com pesquisas anteriores que mostram a forte associação entre insuficiência cardíaca1 e câncer2, exigem estratégias potenciais para reduzir o risco de câncer2, como o rastreamento para câncer2 em pacientes com insuficiência9 cardíaca”, acrescentou Yiu.

Veja também sobre "Prevenção do câncer2", "Atorvastatina: prós e contras" e "Doenças cardiovasculares10".

 

Fontes:
European Heart Journal, publicação em 22 de junho de 2021.
Practical Cardiology, notícia publicada em 23 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Uso de estatinas está associado a menor risco de câncer e de mortalidade relacionada ao câncer em pacientes com insuficiência cardíaca. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1397930/uso-de-estatinas-esta-associado-a-menor-risco-de-cancer-e-de-mortalidade-relacionada-ao-cancer-em-pacientes-com-insuficiencia-cardiaca.htm>. Acesso em: 21 out. 2021.

Complementos

1 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
6 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
7 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
8 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
9 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
10 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!