Gostou do artigo? Compartilhe!

Antidepressivos ISRSs e ISRSNs se mostraram eficazes para transtornos de ansiedade, obsessivo-compulsivo e relacionados ao estresse

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Transtornos de ansiedade, obsessivo-compulsivo e relacionados ao estresse frequentemente co-ocorrem, e os pacientes frequentemente apresentam sintomas1 em vários domínios. O tratamento envolve o uso de inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) e inibidores seletivos da recaptação da serotonina e norepinefrina (ISRSNs), mas faltam dados sobre eficácia comparativa e aceitabilidade.

O objetivo deste estudo, publicado na revista PLOS Medicine, foi comparar a eficácia de ISRSs, ISRSNs e placebo2 em vários domínios de sintomas1 em pacientes com esses diagnósticos ao longo da vida por meio de uma metanálise de rede de 3 níveis.

Os pesquisadores procuraram por ensaios clínicos3 randomizados publicados e não publicados que visavam avaliar a eficácia de ISRSs ou ISRSNs em participantes (adultos e crianças) com diagnóstico4 de qualquer transtorno de ansiedade, obsessivo-compulsivo ou relacionado ao estresse nas bases de dados MEDLINE, PsycINFO, Embase e Cochrane Library desde o início até 23 de abril de 2015, com uma atualização em 11 de novembro de 2020.

As pesquisas de banco de dados eletrônico foram suplementadas com pesquisas manuais de ensaios clínicos3 randomizados publicados e não publicados registrados em registros de ensaios clínicos3 acessíveis ao público e bancos de dados de empresas farmacêuticas.

Nenhuma restrição foi feita em relação a comorbidades5 com qualquer outro transtorno mental, idade e sexo dos participantes, cegamento dos participantes e pesquisadores, data de publicação ou idioma do estudo.

Saiba mais sobre "Principais transtornos mentais", "Transtorno de ansiedade generalizada", "Transtorno obsessivo compulsivo ou TOC" e "Estresse".

O resultado primário foi a medida agregada dos sintomas1 de internalização desses transtornos. Os desfechos secundários incluíram domínios de sintomas1 específicos e taxa de descontinuação do tratamento.

Estimou-se diferenças médias padronizadas (DMPs) com metanálise de rede de 3 níveis com inclinações aleatórias por estudo para medicação e instrumento de avaliação. A avaliação de risco de viés foi realizada usando a ferramenta de risco de viés da Cochrane Collaboration.

Foram analisadas 469 medidas de desfecho de 135 estudos (n = 30.245). Todos os medicamentos foram mais eficazes do que o placebo2 para a medida agregada dos sintomas1 de internalização (DMP -0,56, IC 95% -0,62 a -0,51, p <0,001), para todos os domínios de sintomas1 e em pacientes de todas as categorias diagnósticas.

Também foram encontrados resultados significativos ao restringir ao instrumento de avaliação mais utilizado para cada diagnóstico4; no entanto, essa restrição levou à exclusão de 72,71% das medidas de desfecho.

As comparações entre pares revelaram apenas pequenas diferenças entre os medicamentos em eficácia e aceitabilidade. As limitações incluem a heterogeneidade moderada encontrada na maioria dos resultados e o risco moderado de viés identificado na maioria dos ensaios.

Neste estudo, portanto, observou-se que todos os ISRSs e ISRSNs foram eficazes para múltiplos domínios de sintomas1 e em pacientes de todas as categorias diagnósticas incluídas. Foram encontradas diferenças mínimas entre os medicamentos em relação à eficácia e aceitabilidade.

Essa metanálise de rede de três níveis contribui para uma discussão em andamento sobre o verdadeiro benefício dos antidepressivos com evidências robustas, considerando a quantidade significativamente maior de dados e maior poder estatístico quando comparados a estudos anteriores.

A abordagem de três níveis permitiu avaliar adequadamente a eficácia desses medicamentos na internalização da psicopatologia, evitando vieses potenciais relacionados à exclusão de informações devido a instrumentos de avaliação distintos e explorar a estrutura multinível da eficácia transdiagnóstica.

Leia sobre "O que saber sobre antidepressivos", "Uso excessivo de antidepressivos" e "Neurologia ou Psiquiatria: quais são as diferenças".

 

Fonte: PLOS Medicine, publicação em 10 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Antidepressivos ISRSs e ISRSNs se mostraram eficazes para transtornos de ansiedade, obsessivo-compulsivo e relacionados ao estresse. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1397490/antidepressivos-isrss-e-isrsns-se-mostraram-eficazes-para-transtornos-de-ansiedade-obsessivo-compulsivo-e-relacionados-ao-estresse.htm>. Acesso em: 2 ago. 2021.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
3 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!