Gostou do artigo? Compartilhe!

Inalação de óxido nitroso, conhecido como gás do riso, demonstrou potencial como um tratamento para a depressão

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Cerca de um terço dos indivíduos que sofrem de depressão estão em risco de resistência ao tratamento.

Há muito se sabe que o óxido nitroso pode melhorar o humor e também aliviar a dor – daí seu nome original de gás do riso – mas acredita-se que o efeito desapareça rapidamente. O óxido nitroso é um dos anestésicos mais comuns, utilizado por hospitais, consultórios odontológicos e paramédicos, além de estar disponível ilegalmente em pequenas cápsulas para uso recreativo.

O gás parece afetar principalmente o cérebro1, bloqueando moléculas nas células nervosas2 chamadas de receptores N-metil-D-aspartato (NMDA). Esse é o mesmo alvo do anestésico mais forte cetamina, que também alivia a depressão; um produto químico semelhante à cetamina foi recentemente aprovado como um novo tratamento em spray intranasal.

Veja sobre "Depressões", "Principais transtornos mentais" e "Saúde3 mental".

Enquanto o óxido nitroso 50% inalado tem efeitos antidepressivos precoces em indivíduos com depressão maior resistente ao tratamento (DMRT), efeitos adversos podem ocorrer nessa concentração.

Não se sabe se uma concentração mais baixa de óxido nitroso 25% fornece eficácia e persistência semelhantes de efeitos antidepressivos enquanto reduz o risco de efeitos colaterais4 adversos.

Neste ensaio clínico de fase 2, publicado na revista Science Translational Medicine, pesquisadores estudaram os efeitos de um único tratamento de 1 hora com óxido nitroso 25% nos sintomas5 de depressão em pessoas com DMRT.

24 pacientes com DMRT grave foram aleatoriamente designados de forma cruzada para três tratamentos consistindo em uma única inalação de 1 hora com (1) óxido nitroso 50%, (2) óxido nitroso 25%, ou (3) placebo6 (ar/oxigênio). O resultado primário foi a mudança na Escala de Avaliação de Depressão de Hamilton (HDRS-21).

Enquanto o óxido nitroso melhorou significativamente os sintomas5 depressivos em relação ao placebo6 (P = 0,01), não houve diferença entre óxido nitroso 25% e 50% (P = 0,58).

As diferenças estimadas entre 25% e o placebo6 foram -0,75 pontos na HDRS-21 em 2 horas (P = 0,73), -1,41 pontos em 24 horas (P = 0,52), -4,35 pontos na semana 1 (P = 0,05), e -5,19 pontos na semana 2 (P = 0,02), e as diferenças estimadas entre 50% e o placebo6 foram -0,87 pontos em 2 horas (P = 0,69), -1,93 pontos em 24 horas (P = 0,37), -2,44 pontos na semana 1 (P = 0,25) e -7,00 pontos na semana 2 (P = 0,001). Os eventos adversos diminuíram substancialmente com a dose mais baixa (P <0,001).

Esses resultados sugerem que o óxido nitroso 25% tem eficácia comparável ao óxido nitroso 50% na melhora da depressão maior resistente ao tratamento ao longo de várias semanas, mas com uma taxa marcadamente menor de efeitos adversos.

Assim, o estudo destaca que concentrações mais baixas de óxido nitroso podem ser um tratamento útil para a depressão.

Leia também: "O que saber sobre antidepressivos" e "Antidepressivos: eles estão sendo usados em excesso?"

 

Fontes:
Science Translational Medicine, Vol. 13, Nº 597, em 09 de junho de 2021.
New Scientist, notícia publicada em 09 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Inalação de óxido nitroso, conhecido como gás do riso, demonstrou potencial como um tratamento para a depressão. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1396215/inalacao-de-oxido-nitroso-conhecido-como-gas-do-riso-demonstrou-potencial-como-um-tratamento-para-a-depressao.htm>. Acesso em: 4 ago. 2021.

Complementos

1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Células Nervosas: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
Gostou do artigo? Compartilhe!