Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo de associação genômica ampla sobre a depressão identifica fatores de risco genéticos para a condição e destaca novas direções terapêuticas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O transtorno depressivo maior é o transtorno neuropsiquiátrico mais comum, afetando 11% dos veteranos militares e cerca de 4% da população mundial.

A comunidade científica já demonstrou que aspectos genéticos são significativos quando o assunto é risco de depressão e, agora, um estudo identificou novas variantes genéticas capazes de aumentar o risco de uma pessoa desenvolver a condição.

Leia sobre "Depressão maior" e "Depressões - o que são".

Neste estudo, publicado pela revista Nature Neuroscience, foram relatados os resultados de uma grande metanálise da depressão usando dados do Million Veteran Program, 23andMe, UK Biobank e FinnGen, incluindo indivíduos de ascendência europeia (n = 1.154.267; 340.591 casos) e ascendência africana (n = 59.600; 25.843 casos).

A análise do estudo de associação genômica ampla (GWAS) revelou associações significativas com a expressão do gene NEGR1 no hipotálamo1 e do DRD2 no núcleo accumbens, entre outros.

Foi feito um mapeamento preciso de 178 loci de risco genômico e identificou-se a provável patogenicidade nessas variantes e a expressão gênica sobreposta para 17 genes desse estudo de associação genômica ampla, incluindo TRAF3.

Finalmente, os pesquisadores foram capazes de mostrar replicações substanciais desses achados em uma grande coorte2 independente (n = 1.342.778) fornecida pela 23andMe.

As análises mostraram ainda que alguns dos fatores de risco da depressão também são válidos para transtornos de ansiedade e estresse pós-traumático. Todas essas novas informações, afirmam os pesquisadores, são úteis para compreender o aspecto biológico da depressão e identificar as pessoas mais vulneráveis ao quadro.

Além disso, ao mostrar regiões do genoma que podem ser alvos de futuras investigações, o estudo contribui para que os tratamentos sejam aprimorados e para que fármacos específicos passem a ser adotados.

“Isso nos permite utilizar as informações para identificar drogas que já estão aprovadas para outras indicações e podem ser aproveitadas para o tratamento da depressão”, afirma, em nota, o pesquisador Joel Gelernter, da Escola de Medicina da Universidade Yale, nos EUA.

Assim, este estudo lança luz sobre a arquitetura genética da depressão e fornece uma nova visão3 sobre a inter-relação de traços psiquiátricos complexos.

Veja também sobre "Mutações genéticas", "Uso excessivo de antidepressivos" e "Transtorno de ansiedade generalizada".

 

Fontes:
Nature Neuroscience, publicação em 27 de maio de 2021.
Galileu, notícia publicada em 27 de maio de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Estudo de associação genômica ampla sobre a depressão identifica fatores de risco genéticos para a condição e destaca novas direções terapêuticas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1396185/estudo-de-associacao-genomica-ampla-sobre-a-depressao-identifica-fatores-de-risco-geneticos-para-a-condicao-e-destaca-novas-direcoes-terapeuticas.htm>. Acesso em: 21 set. 2021.

Complementos

1 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
2 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
3 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
Gostou do artigo? Compartilhe!