Gostou do artigo? Compartilhe!

Globalmente, são atribuíveis ao tabagismo 7,69 milhões de mortes e 200 milhões de anos de vida ajustados por incapacidade por ano

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Acabar com a epidemia global do tabaco é um desafio definitivo na saúde1 global. Estimativas oportunas e abrangentes da prevalência2 do tabagismo e da carga de doenças atribuíveis são necessárias para orientar os esforços de controle do tabagismo em nível nacional e global.

Neste estudo, publicado pelo The Lancet, estimou-se a prevalência2 do tabagismo e a carga de doenças atribuíveis para 204 países e territórios, por idade e sexo, de 1990 a 2019 como parte do Estudo sobre Carga Global de Doenças, Lesões3 e Fatores de Risco (Global Burden of Diseases, Injuries, and Risk Factors Study).

Leia sobre "Tabagismo - como as pessoas se viciam", "Como parar de fumar" e "Cigarro eletrônico".

Foram modelados vários indicadores relacionados ao tabagismo a partir de 3.625 pesquisas representativas em nível nacional. As revisões sistemáticas e metarregressões bayesianas foram concluídas para 36 desfechos de saúde1 relacionados de forma causal para estimar curvas de risco de dose-resposta não linear para fumantes atuais e ex-fumantes.

Usou-se uma abordagem de estimativa direta para estimar a carga atribuível, fornecendo estimativas mais abrangentes dos efeitos do fumo na saúde1 do que as disponíveis anteriormente.

Globalmente em 2019, 1,14 bilhão (intervalo de incerteza de 95%, 1,13-1,16) de indivíduos eram fumantes atuais, que consumiram tabaco equivalente a 7,41 trilhões (7,11-7,74) de cigarros em 2019.

Embora a prevalência2 do tabagismo tenha diminuído significativamente desde 1990 entre homens (redução de 27,5% [26,5-28,5]) e mulheres (redução de 37,7% [35,4-39,9]) com 15 anos ou mais, o crescimento populacional levou a um aumento significativo no número total de fumantes de 0,99 bilhão (0,98-1, 00) em 1990.

Globalmente em 2019, o uso de tabaco de fumar foi responsável por 7,69 milhões (7,16-8,20) mortes e 200 milhões (185-214) de anos de vida ajustados por incapacidade, e foi o principal fator de risco4 para morte entre homens (20,2% [19,3-21,1] das mortes masculinas).

6,68 milhões [86,9%] das 7,69 milhões de mortes atribuíveis ao uso de tabaco de fumar ocorreram entre os fumantes atuais.

Na ausência de intervenção, o número anual de 7,69 milhões de mortes e 200 milhões de anos de vida ajustados por incapacidade atribuíveis ao tabagismo aumentará nas próximas décadas.

Progressos substanciais na redução da prevalência2 do uso de tabaco de fumar foram observados em países de todas as regiões e em todos os estágios de desenvolvimento, mas uma grande lacuna de implementação permanece para o controle do tabaco.

Os países têm uma oportunidade clara e urgente de aprovar políticas fortes e baseadas em evidências para acelerar as reduções na prevalência2 do tabagismo e colher enormes benefícios para a saúde1 de seus cidadãos.

Veja também sobre "Fumo e gestação", "Fumante passivo - como evitar os danos" e "Substâncias cancerígenas".

 

Fonte: The Lancet, publicação em 27 de maio de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Globalmente, são atribuíveis ao tabagismo 7,69 milhões de mortes e 200 milhões de anos de vida ajustados por incapacidade por ano. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1395695/globalmente-sao-atribuiveis-ao-tabagismo-7-69-milhoes-de-mortes-e-200-milhoes-de-anos-de-vida-ajustados-por-incapacidade-por-ano.htm>. Acesso em: 21 set. 2021.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
3 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
4 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!