Gostou do artigo? Compartilhe!

Partículas de colesterol HDL estão ligadas a inflamação reduzida e menor risco de doença cardiovascular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma avaliação de pacientes no estudo PREVEND, publicado no Circulation, indica que a capacidade anti-inflamatória do HDL1 pode ajudar a identificar pacientes com maior risco de doença cardiovascular (DCV).

Embora o HDL1 seja há muito referido como o colesterol2 “bom”, essa nova pesquisa sugere que as avaliações das partículas de HDL1 podem ser mais úteis do que se pensava.

“O nível de colesterol2 HDL1 é um biomarcador de risco de DCV bom, estabelecido, simples e de baixo custo. Nossos resultados, no entanto, demonstram que a capacidade anti-inflamatória ou os ensaios que examinam a função do HDL1 em geral têm o potencial de fornecer informações clinicamente relevantes além das medições estáticas de colesterol2 HDL1 que são usadas atualmente”, disse o investigador do estudo Uwe Tietge, MD, PhD, professor do Departamento de Medicina Laboratorial do Karolinska Institutet, em um comunicado da American Heart Association.

Saiba mais sobre "Doenças cardiovasculares3" e "Como aumentar os níveis do HDL1".

O papel da função da lipoproteína de alta densidade (HDL1) na doença cardiovascular representa um importante conceito emergente. O presente estudo investigou se a capacidade anti-inflamatória do HDL1 está prospectivamente associada a primeiros eventos cardiovasculares na população em geral.

A capacidade anti-inflamatória do HDL1 foi determinada como sua capacidade de suprimir a expressão de mRNA de VCAM-1 (molécula de adesão vascular4-1) induzida por TNFα (fator de necrose5 tumoral α) em células6 endoteliais in vitro (resultados expressos como redução percentual alcançada por HDL1 individual, relacionado ao efeito máximo do TNFα sem HDL1 presente).

Em um projeto de caso-controle aninhado do estudo PREVEND, 369 casos experimentando um primeiro evento cardiovascular (desfecho combinado de morte por causas cardiovasculares, doença cardíaca isquêmica, infarto do miocárdio7 não fatal e revascularização coronária) durante uma mediana de 10,5 anos de acompanhamento foram identificados e combinados individualmente com 369 controles com relação à idade, sexo, tabagismo e colesterol2 HDL1. Amostras de linha de base estavam disponíveis em 340 casos e 340 controles correspondentes.

A capacidade anti-inflamatória do HDL1 não se correlacionou com o colesterol2 HDL1 ou com a PCRas (proteína C reativa de alta sensibilidade). A capacidade anti-inflamatória do HDL1 foi significativamente menor nos casos em comparação com os controles (31,6% [15,7-44,2] versus 27,0% [7,4-36,1]; P <0,001) e foi inversamente associada à incidência8 de DCV em um modelo totalmente ajustado (odds ratio [OR] por 1 desvio padrão [DP], 0,74 [IC, 0,61-0,90]; P = 0,002).

Além disso, essa associação foi aproximadamente semelhante com todos os componentes individuais do desfecho de doença cardiovascular.

A capacidade anti-inflamatória do HDL1 não se correlacionou com a capacidade de efluxo do colesterol2 (r = -0,02; P >0,05). Ao combinar essas 2 métricas de função do HDL1 em 1 modelo, ambas foram significativamente e independentemente associadas à doença cardiovascular incidente9 em um modelo totalmente ajustado (efluxo: OR por 1 DP, 0,74; P = 0,002; capacidade anti-inflamatória: OR por 1 DP, 0,66; P <0,001).

Adicionar a capacidade anti-inflamatória do HDL1 melhorou a previsão de risco pelo escore de risco de Framingham, com um aumento estatístico da razão de verossimilhança do modelo de 10,50 para 20,40 (P = 0,002).

O estudo concluiu que a capacidade anti-inflamatória do HDL1, refletindo a proteção vascular4 contra as etapas principais da aterogênese, foi inversamente associada com eventos cardiovasculares incidentes10 em uma coorte11 da população geral, independente do colesterol2 HDL1 e da capacidade de efluxo do colesterol2 HDL1. Adicionar a capacidade anti-inflamatória do HDL1 ao escore de risco de Framingham melhora a previsão de risco.

“Nossos resultados apontam para novas oportunidades para melhorar a avaliação do risco cardiovascular usando um biomarcador funcional biologicamente significativo para HDL1 em vez de seu conteúdo de colesterol”, acrescentou Tietge, em um comunicado. “No entanto, o método de análise da atividade anti-inflamatória dos HDLs é atualmente bastante complexo e difícil. Nosso próximo objetivo é, portanto, tornar o método mais simples e mais clinicamente implementável.”

Leia sobre "Entendendo o colesterol2 do organismo", "Aterosclerose12" e "Sete passos para um coração13 saudável".

 

Fontes:
Circulation, publicação em 12 de abril de 2021.
Practical Cardiology, notícia publicada em 14 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Partículas de colesterol HDL estão ligadas a inflamação reduzida e menor risco de doença cardiovascular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1392920/particulas-de-colesterol-hdl-estao-ligadas-a-inflamacao-reduzida-e-menor-risco-de-doenca-cardiovascular.htm>. Acesso em: 28 jul. 2021.

Complementos

1 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
2 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
3 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
4 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
5 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
6 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
7 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
8 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
9 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
10 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
11 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
12 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
13 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!