Gostou do artigo? Compartilhe!

Consultas pós-operatórias virtuais para cirurgias de baixo risco se mostraram não inferiores às consultas presenciais

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As consultas virtuais baseadas em vídeo após a alta hospitalar são um aspecto crescente do cuidado cirúrgico e aumentaram dramaticamente durante a pandemia1 de COVID-19. Agora, um ensaio do JAMA Surgery descobriu que essas consultas não são inferiores aos acompanhamentos presenciais após cirurgias de baixo risco.

Os 432 participantes adultos do estudo foram aleatoriamente designados para consultas de acompanhamento virtuais baseadas em vídeo com um membro da equipe cirúrgica ou para consultas pessoais padrão após apendicectomia minimamente invasiva ou colecistectomia. Cinquenta e três pacientes passaram para o grupo presencial durante o ensaio.

O objetivo do estudo foi avaliar os resultados da proporção de consultas hospitalares por todas as causas dentro de 30 dias entre os pacientes que fazem um acompanhamento por consulta virtual baseada em vídeo pós-alta em comparação com o acompanhamento pessoalmente.

Leia sobre "O que é a telemedicina" e "Características do paciente associadas à escolha de uma consulta por telemedicina". 

A porcentagem de pacientes que retornaram ao hospital por qualquer motivo dentro de 30 dias da alta foi não inferior entre os 2 grupos – 12,8% para consultas virtuais e 13,3% para consultas presenciais. Ambos os grupos gastaram cerca de 8 minutos em média com os médicos, mas as consultas virtuais economizaram uma média de 63,9 minutos para os pacientes, eliminando o tempo de viagem e diminuindo os tempos de espera.

Este foi um ensaio de não inferioridade randomizado2, ativo e controlado em um ambiente urbano, incluindo pacientes de um pequeno hospital comunitário e um grande hospital terciário. Pacientes submetidos a apendicectomia minimamente invasiva ou colecistectomia por um grupo de cirurgiões que cobrem cirurgia geral de emergência3 nestes 2 hospitais foram incluídos. Pacientes submetidos a procedimentos eletivos4 e não eletivos4 foram incluídos.

Os pacientes foram randomizados de forma 2:1 para consulta virtual baseada em vídeo ou consulta presencial.

O desfecho primário é a porcentagem de pacientes com consulta hospitalar dentro de 30 dias, e formulou-se a hipótese de que não haveria um aumento significativo na proporção de consultas hospitalares de 30 dias para pacientes5 que recebem atendimento pós-alta virtual baseado em vídeo em comparação com pacientes que recebem atendimento padrão (pessoalmente). A consulta hospitalar inclui visita ao departamento de emergência3, observação ou admissão para internação.

Um total de 1.645 pacientes foram selecionados; 289 pacientes foram randomizados para o grupo virtual e 143 para o grupo presencial. Cinquenta e três pacientes passaram para o grupo de acompanhamento presencial.

A porcentagem de pacientes que tiveram uma consulta hospitalar foi não inferior para consultas virtuais (12,8% vs 13,3% para consulta pessoalmente, Δ 0,5% com IC de 95% unilateral, −∞ a 5,2%).

A quantidade de tempo que os pacientes passaram com o clínico (média de 8,4 minutos virtuais vs 7,8 minutos presenciais; P = 0,30) não foi diferente, mas o tempo médio geral da consulta pós-operatória foi 27,5 minutos mais curto (IC 95%, −33,5 a −24,0).

O ensaio concluiu que consultas virtuais baseadas em vídeo após a alta hospitalar não aumentaram as proporções de consultas hospitalares e forneceram um comprometimento geral de tempo mais curto, mas igual tempo com o membro da equipe cirúrgica.

Essas informações ajudarão os cirurgiões e pacientes a se sentirem mais confiantes no uso de consultas virtuais baseadas em vídeo.

Veja também sobre "Benefícios da cirurgia robótica" e "Relação médico-paciente para pacientes5".

 

Fontes:
JAMA Surgery, publicação em 13 de janeiro de 2021.
JAMA, atualização publicada em 23 de março de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Consultas pós-operatórias virtuais para cirurgias de baixo risco se mostraram não inferiores às consultas presenciais. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1391805/consultas-pos-operatorias-virtuais-para-cirurgias-de-baixo-risco-se-mostraram-nao-inferiores-as-consultas-presenciais.htm>. Acesso em: 15 mai. 2021.

Complementos

1 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
2 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
4 Eletivos: 1. Relativo à eleição, escolha, preferência. 2. Em medicina, sujeito à opção por parte do médico ou do paciente. Por exemplo, uma cirurgia eletiva é indicada ao paciente, mas não é urgente. 3. Cujo preenchimento depende de eleição (diz-se de cargo). 4. Em bioquímica ou farmácia, aquilo que tende a se combinar com ou agir sobre determinada substância mais do que com ou sobre outra.
5 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
Gostou do artigo? Compartilhe!