Gostou do artigo? Compartilhe!

Genes do ritmo circadiano em região-chave do cérebro estão envolvidos no consumo excessivo de álcool

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisadores identificaram uma ligação causal entre o consumo excessivo de álcool e os genes do relógio circadiano em uma região do cérebro1 anteriormente implicada no uso perigoso de álcool. O consumo excessivo de álcool é um padrão comum e prejudicial de uso de álcool, responsável por mais da metade das mortes relacionadas ao álcool.

Já existem evidências robustas de que os genes envolvidos no controle do ritmo circadiano2 – os processos naturais do corpo que seguem um ciclo claro / escuro de 24 horas – estão associados ao consumo perigoso e ao abuso de álcool. No entanto, não se sabe quais áreas do cérebro1 medeiam os efeitos dos genes do relógio sobre a bebida.

Uma região do cérebro1 conhecida como concha do núcleo Accumbens (cnAcb) já é conhecida por seu papel no consumo de álcool de risco; a região faz parte do "sistema de recompensa" do cérebro1, reforçando o uso de álcool e outras substâncias viciantes pela liberação de dopamina3. No novo estudo, relatado na revista Alcoholism: Clinical and Experimental Research, os cientistas investigaram se os genes do relógio circadiano na cnAcb estão envolvidos na regulação do consumo excessivo de álcool.

Saiba mais sobre "Alcoolismo" e "Ritmo circadiano2 - como funciona e sua importância".

Para resolver esta questão, 2 experimentos foram realizados em camundongos C57BL/6J machos. No primeiro experimento, camundongos expostos a álcool ou sacarose sob o paradigma de beber no escuro (DID, do inglês drinking-in-the-dark) por 4 dias foram eutanizados em 2 pontos de tempo diferentes no dia 4 [7 horas após o início da luz (pré-consumo excessivo) ou do escuro (pós-consumo excessivo)]. Os cérebros foram processados ​​para RT-PCR4 para examinar a expressão dos genes do relógio circadiano (Relógio, Per1 e Per2) na cnAcb e no núcleo supraquiasmático (NSQ).

No segundo experimento, os camundongos foram expostos a álcool, sacarose ou água conforme descrito acima. No dia 4, 1 hora antes do início da exposição ao álcool, os camundongos foram infundidos bilateralmente ou com uma mistura de oligodeoxinucleotídeos antisentido (ODNs-AS) do gene do relógio circadiano (grupo antisentido) ou ODNs sem sentido / aleatórios (ODNs-R; grupo de controle) até cânulas implantadas cirurgicamente acima da cnAcb. O consumo de álcool / sacarose / água foi medido por 4 horas. A concentração de álcool no sangue5 foi medida para confirmar o consumo excessivo de álcool. Os locais de micro infusão foram verificados histologicamente usando coloração com cresil violeta.

Em comparação com a sacarose, os camundongos eutanizados após o consumo excessivo de álcool (não antes do consumo excessivo de álcool) no dia 4 exibiram uma maior expressão de genes circadianos na cnAcb, mas não no NSQ. A derrubada dos genes do relógio na cnAcb causou um volume significativamente menor de álcool a ser consumido no dia 4 do que no tratamento de controle. Não foram encontradas diferenças no consumo de sacarose ou água.

Os resultados sugerem que os genes do relógio circadiano na concha do núcleo Accumbens desempenham um papel crucial no consumo excessivo de álcool.

É cada vez mais evidente que o consumo de álcool em humanos e roedores de laboratório pode ser regulado por genes do ritmo circadiano2. A descoberta atual, de que o consumo excessivo de álcool foi significativamente reduzido pela derrubada da atividade do gene do relógio circadiano na concha do núcleo Accumbens, sugere que há uma relação causal entre os genes circadianos nessa região e o consumo excessivo de álcool em ratos de laboratório, e possivelmente também em humanos.

Leia sobre "Como manter mais baixo o risco do consumo de bebidas alcoólicas" e "Crononutrição - o relógio biológico influenciando a alimentação".

 

Fontes:
Alcoholism: Clinical and Experimental Research, publicação em 19 de fevereiro de 2021.
Newswise, notícia publicada em 17 de fevereiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Genes do ritmo circadiano em região-chave do cérebro estão envolvidos no consumo excessivo de álcool. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1388655/genes-do-ritmo-circadiano-em-regiao-chave-do-cerebro-estao-envolvidos-no-consumo-excessivo-de-alcool.htm>. Acesso em: 12 abr. 2021.

Complementos

1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Ritmo circadiano: Também conhecido como ciclo circadiano, o ritmo circadiano representa o período de um dia (24 horas) no qual se completam as atividades do ciclo biológico dos seres vivos. Uma das funções deste sistema é o ajuste do relógio biológico, controlando o sono e o apetite. Através de um marca-passo interno que se encontra no cérebro, o ritmo circadiano regula tanto os ritmos materiais quanto os psicológicos, o que pode influenciar em atividade como: digestão em vigília, renovação de células e controle de temperatura corporal.
3 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
4 PCR: Reação em cadeia da polimerase (em inglês Polymerase Chain Reaction - PCR) é um método de amplificação de DNA (ácido desoxirribonucleico).
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
Gostou do artigo? Compartilhe!