Gostou do artigo? Compartilhe!

O número de osteoclastos em uma amostra de biópsia pode predizer a eficácia da quimioterapia neoadjuvante para o osteossarcoma primário

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O osteossarcoma é o tumor1 ósseo maligno primário mais comum e seu tratamento padrão é uma combinação de cirurgia e quimioterapia2. Uma resposta pobre à quimioterapia2 causa resultados oncológicos desfavoráveis.

Em pesquisa publicada na revista Nature Scientific Reports, investigou-se a correlação entre a diferenciação de osteoclastos3 em amostras de biópsia4 e a eficácia da quimioterapia2 neoadjuvante em amostras ressectadas.

Quarenta e nove pacientes submetidos à quimioterapia2 neoadjuvante e subsequente tratamento cirúrgico no Kanazawa University Hospital, no Japão, entre 1999 e 2018 foram incluídos. Usando registros médicos, investigou-se idade; sexo; tamanho, localização, subtipo, estadiamento do tumor1; agentes quimioterápicos (doxorrubicina, cisplatina, ifosfamida e metotrexato); número de cursos de quimioterapia2 neoadjuvante; número de osteoclastos3 em amostras de biópsia4; e eficácia da quimioterapia2 neoadjuvante de acordo com a classificação de Rosen e Huvos (Grau I-IV) em amostras ressectadas.

Análises univariadas e multivariadas foram realizadas para identificar fatores preditivos de uma boa resposta em amostras ressectadas após quimioterapia2 neoadjuvante. Uma boa resposta (Grau III/IV) foi detectada em 25 amostras, enquanto uma resposta fraca (Grau I/II) foi detectada em 24.

De acordo com a análise multivariada, idade ≥46 anos (odds ratio [OR], 0,05; intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,01–0,45; p <0,01) e ≥5 osteoclastos3 maduros em uma amostra de biópsia4 (OR, 36,9; IC 95%, 6,03–225; p <0,01) foram significativamente associados à eficácia da quimioterapia2 neoadjuvante.

A precisão para prever uma boa resposta à quimioterapia2 com base em cinco ou mais osteoclastos3 em uma amostra de biópsia4 em pacientes com <46 anos foi de 85%.

A pesquisa mostrou, portanto, que o número de osteoclastos3 maduros em amostras de biópsia4 é um fator simples para prever a eficácia da quimioterapia2 antes do tratamento, embora mais estudos sejam necessários para determinar o mecanismo subjacente.

Leia mais sobre "Tumores ósseos", "Osteossarcoma", "Quimioterapia2" e "Tratamento das metástases5 ósseas".

 

Fonte: Nature Scientific Reports, publicação em 21 de janeiro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. O número de osteoclastos em uma amostra de biópsia pode predizer a eficácia da quimioterapia neoadjuvante para o osteossarcoma primário. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1387415/o-numero-de-osteoclastos-em-uma-amostra-de-biopsia-pode-predizer-a-eficacia-da-quimioterapia-neoadjuvante-para-o-osteossarcoma-primario.htm>. Acesso em: 5 mar. 2021.

Complementos

1 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
2 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
3 Osteoclastos: Célula que garante a destruição do tecido ósseo.
4 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
5 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
Gostou do artigo? Compartilhe!