Gostou do artigo? Compartilhe!

Consumo excessivo de álcool no início da adolescência está associado a resultados deletérios na maturação microestrutural da substância branca

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A maturação dos sistemas de fibras da substância branca favorece o desenvolvimento cognitivo1, comportamental, emocional e motor durante a adolescência. Beber perigosamente durante este período de neurodesenvolvimento ativo pode alterar a trajetória do desenvolvimento microestrutural da substância branca, potencialmente aumentando o risco de desenvolver disfunção relacionada ao álcool e transtorno do uso de álcool na idade adulta.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Psychiatry, foi identificar perturbações no desenvolvimento microestrutural do cérebro2 de adolescentes vinculadas ao início do consumo de álcool e avaliar se a perturbação é mais pronunciada em adolescentes mais jovens do que em adolescentes mais velhos.

Este estudo de caso-controle, conduzido de 13 de janeiro de 2013 a 15 de janeiro de 2019, consistiu na análise de 451 participantes da coorte3 “Consórcio Nacional sobre Álcool e Neurodesenvolvimento na Adolescência”, dos Estados Unidos. Os participantes tinham entre 12 e 21 anos de idade no início do estudo e tinham pelo menos 2 exames de ressonância magnética4 por tensor de difusão (DTI) utilizáveis ​​e até 5 consultas para exame durante 4 anos.

Leia sobre "Como manter mais baixo o risco do consumo de bebidas alcoólicas" e "Alcoolismo".

Os participantes foram classificados de acordo com o escore de Cahalan ajustado para jovens. Aqueles com uma pontuação 0 (zero) foram rotulados como bebedores de nenhum a pouco álcool; aqueles com uma pontuação maior que 1 (um) em pelo menos 2 consultas consecutivas foram rotulados como bebedores pesados de álcool. A análise exploratória foi realizada entre bebedores de nenhum a pouco álcool e bebedores pesados. Uma análise entre os grupos foi conduzida entre jovens da mesma idade e sexo, e uma análise intraparticipantes foi realizada antes e depois de beber.

A exposição do estudo foi o consumo autorrelatado de álcool no ano anterior resumido por níveis de consumo categóricos. Os principais resultados e medidas foram a medição, por imagem por tensor de difusão, de anisotropia fracionada (AF) em todo o cérebro2 e sistemas de fibra, quantificando a mudança de desenvolvimento de cada participante como uma inclinação.

A análise da AF de todo o cérebro2 de 451 adolescentes incluiu 291 (64,5%) bebedores de nenhum a pouco álcool e 160 (35,5%) bebedores pesados ​​que indicaram o potencial para uma associação deletéria do álcool com o desenvolvimento microestrutural.

Entre os que bebiam de nenhum a pouco álcool, 142 (48,4%) eram meninos com idade média (DP) de 16,5 (2,2) anos e 149 (51,2%) eram meninas com idade média (DP) de 16,5 (2,1) anos e 192 (66,0%) eram participantes brancos. Entre os bebedores pesados, 86 (53,8%) eram meninos com idade média (DP) de 20,1 (1,5) anos e 74 (46,3%) eram meninas com idade média (DP) de 20,5 (2,0) anos e 142 (88,8%) eram participantes brancos.

Uma análise de grupo revelou redução da AF em jovens que bebiam muito em comparação com controles pareados por idade e sexo (t154 = -2,7, P = 0,008). A inclinação dessa redução se correlacionou com o log de dias de consumo desde a consulta inicial (r156 = -0,21, P bicaudal = 0,008).

Uma análise intraparticipantes contrastando as trajetórias de desenvolvimento de jovens antes e depois de iniciarem o consumo excessivo de álcool apoiou a previsão de que o início do consumo de álcool estava associado e potencialmente precedeu a perturbação da integridade da substância branca.

As interações idade-álcool (t152 = 3,0, P = 0,004) observadas para as inclinações da AF indicaram que a perturbação associada ao álcool foi maior em adolescentes mais jovens do que mais velhos e foi mais pronunciada no genu e no corpo do corpo caloso5, regiões conhecidas por continuarem se desenvolvendo durante a adolescência.

Este estudo caso-controle de adolescentes encontrou uma associação deletéria do uso de álcool com a integridade microestrutural da substância branca, de modo que aqueles que consumiam álcool excessivamente exibiram redução significativa da anisotropia fracionada de todo o cérebro2. Esses achados apoiam o conceito de maior vulnerabilidade aos agentes ambientais, incluindo o álcool, associada ao desenvolvimento atenuado dos principais tratos de substância branca no início da adolescência.

Veja também sobre "Interação entre álcool e drogas psicotrópicas", "Limitar o consumo de álcool reduz o risco de câncer6" e "Ressaca".

 

Fonte: JAMA Psychiatry, publicação em 30 de dezembro 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Consumo excessivo de álcool no início da adolescência está associado a resultados deletérios na maturação microestrutural da substância branca. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1385645/consumo-excessivo-de-alcool-no-inicio-da-adolescencia-esta-associado-a-resultados-deleterios-na-maturacao-microestrutural-da-substancia-branca.htm>. Acesso em: 5 mar. 2021.

Complementos

1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
4 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
5 Corpo Caloso: Placa larga composta de fibras densamente mielinizadas que interconectam reciprocamente regiões do córtex de todos os lobos com as regiões correspondentes do hemisfério oposto. O corpo caloso está localizado profundamente na fissura longitudinal.
6 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
Gostou do artigo? Compartilhe!