Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo apresenta evidências que sugerem uma associação entre depressão na juventude e doenças somáticas subsequentes e morte prematura

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A depressão durante a juventude está associada a maiores riscos de morbidade1 e mortalidade2 subsequentes?

A depressão de início precoce tem sido associada a maus resultados de saúde3. No entanto, não está claro até que ponto esse transtorno está associado a doenças específicas e morte prematura e se essas associações permanecem após o controle da comorbidade4 psiquiátrica.

O objetivo desse estudo, publicado no JAMA Psychiatry, foi quantificar a associação da depressão juvenil com o diagnóstico5 subsequente de inúmeras doenças somáticas e mortalidade2.

Leia sobre "Depressões", "Depressão em crianças" e "Saúde3 mental - como reconhecer que algo anda errado".

Um estudo de coorte6 de base populacional foi conduzido usando registros nacionais suecos contendo dados de todos os indivíduos nascidos na Suécia entre 1982 e 1996. Um total de 1.487.964 participantes foram acompanhados desde os 5 anos de idade até 2013, se nenhuma censura ocorreu. A análise dos dados foi realizada de 15 de janeiro de 2019 a 10 de agosto de 2020.

Depressão juvenil foi definida como ter recebido pelo menos um diagnóstico5 de depressão a partir de cuidados ambulatoriais ou de internações entre as idades de 5 e 19 anos.

Este estudo examinou 69 doenças somáticas diagnosticadas após depressão juvenil, bem como mortalidade2 por todas as causas e por causas específicas. Razões de risco (HRs) gerais e específicas por sexo, juntamente com ICs de 95%, foram estimados usando a regressão de riscos proporcionais de Cox com a idade atingida como escala de tempo subjacente e exposição variável no tempo, e ajustados para ano de nascimento e sexo. Todas as análises foram repetidas controlando para comorbidades7 psiquiátricas. As diferenças de risco absoluto foram calculadas usando padronização com regressão de riscos proporcionais de Cox.

De 1.487.964 indivíduos incluídos na análise, 51,2% eram do sexo masculino. Um total de 37.185 pacientes (2,5%; 67,4% mulheres) receberam cuidados em ambulatório ou internação para depressão entre as idades de 5 e 19 anos (idade média [DP] no primeiro diagnóstico5 registrado de depressão, 16,7 [2,1] anos para homens e 16,7 [1.8] anos para mulheres).

A idade ao final do acompanhamento variou entre 17 e 31 anos. Indivíduos com depressão juvenil tiveram maiores riscos relativos para 66 dos 69 diagnósticos somáticos.

Fortes associações foram observadas para certas lesões8, especialmente automutilação em mulheres (HR, 14,4; IC 95%, 13,8-15,1), distúrbios do sono (HR, 8,1; IC 95%, 7,6-8,7), hepatite9 viral (HR, 6,1; IC 95%, 5,4-6,8), mortalidade2 por todas as causas (HR, 5,9; IC de 95%, 5,3-6,6) e mortalidade2 por causa específica, especialmente morte por automutilação intencional (HR, 14,6; IC 95%, 12,6-16,9).

A maioria das associações foi atenuada, mas persistiu após o ajuste para comorbidade4 psiquiátrica. A diferença de risco absoluto de uma doença específica dentro de 12 anos desde o primeiro diagnóstico5 de depressão durante a juventude variou de −0,2% (IC 95%, −1,0% a 0,6%) para artropatias entre homens a 23,9% (IC 95%, 22,7% a 25,0%) para a categoria mais ampla de lesões8 entre as mulheres.

Neste estudo de coorte6 populacional sueco, pacientes com depressão diagnosticada durante a juventude pareciam ter riscos aumentados para muitas doenças somáticas, bem como para mortalidade2. Quando ajustados para comorbidade4 psiquiátrica, particularmente para transtornos por uso de substâncias e transtornos de ansiedade, os riscos relativos diminuíram, mas persistiram.

Este estudo apresenta evidências que sugerem uma associação entre depressão na juventude, condições médicas em vários domínios de diagnóstico5 e mortalidade2, fornecendo uma base para pesquisas futuras. As descobertas sugerem que várias condições médicas devem ser consideradas ao investigar a depressão em jovens.

Veja também sobre "Depressão maior", "Transtornos afetivos", "Automutilação" e "Suicídio".

 

Fonte: JAMA Psychiatry, publicação em 09 de dezembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Estudo apresenta evidências que sugerem uma associação entre depressão na juventude e doenças somáticas subsequentes e morte prematura. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1384405/estudo-apresenta-evidencias-que-sugerem-uma-associacao-entre-depressao-na-juventude-e-doencas-somaticas-subsequentes-e-morte-prematura.htm>. Acesso em: 19 jan. 2021.

Complementos

1 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
8 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!