Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo identifica uma interação transitória e cooperativa entre as células do câncer de ovário, um novo mecanismo que impulsiona a propagação do tumor

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Qualquer tumor1 é composto de uma infinidade de tipos de células2 que podem ter aparência ou comportamento diferente de suas vizinhas. Um grupo emergente de pesquisas sugere que essas diferenças podem influenciar a progressão da doença ou a forma como um tumor1 responde aos medicamentos.

Agora, um novo estudo feito por cientistas da Harvard Medical School mostra que essa diversidade celular também pode desempenhar um papel crítico na capacidade do câncer3 de invadir locais distantes por todo o corpo, um processo conhecido como metástase4.

A pesquisa, conduzida em camundongos e publicada na Nature Communications, identifica uma interação transitória e cooperativa entre as células2 cancerígenas do ovário5 que permite que as células2 tumorais não metastáticas metastatizem.

Saiba mais sobre "Distinção entre tumores benignos e malignos", "O que são metástases6" e "O que é câncer3".

Os tumores consistem em diversas subpopulações de células2 neoplásicas7 que contribuem para a heterogeneidade intratumoral. Estudos têm sugerido que subpopulações geneticamente e epigeneticamente heterogêneas possuem diversas habilidades funcionais, entretanto, a extensão e a importância da heterogeneidade funcional e da diafonia (comunicação) entre as células2 tumorais, bem como as consequências dessa diversidade funcional intratumoral sobre o comportamento do tumor1 como um todo, são pouco compreendidas.

No estudo, os pesquisadores descrevem a geração de populações clonais a partir de um modelo de carcinoma8 de células2 claras de ovário5 derivado de paciente que forma ascite9 maligna e tumores peritoneais sólidos após transplante intraperitoneal em camundongos.

A equipe isolou subpopulações de células2 de tumores ovarianos humanos e descobriu que nenhuma tinha a capacidade de formar tumores metastáticos por conta própria. Mas quando certas subpopulações se misturavam, uma interação bioquímica cooperativa entre as células2 agia como um interruptor que desencadeou a metástase4.

As populações clonais são projetadas com luciferase Gaussia secretada para monitorar a dinâmica de crescimento do tumor1 e marcadas com um código de barras de DNA único para rastrear seu destino em misturas multiclonais durante a progressão do tumor1.

Apenas um clone, CL31, cresce de forma robusta, gerando ascite9 exclusivamente maligna. No entanto, as misturas multiclonais formam grandes metástases6 peritoneais sólidas, povoadas quase inteiramente por CL31, sugerindo que as interações interclonais cooperativas transitórias são suficientes para promover a metástase4 de CL31.

CL31 abriga exclusivamente a amplificação ERBB2, e sua atividade metastática adquirida em misturas clonais é dependente da exposição transitória à anfiregulina, que é secretada exclusivamente por clones não tumorigênicos. A anfiregulina aumenta a depuração mesotelial CL31, um pré-requisito para metástases6.

Essas descobertas demonstram que as subpopulações tumorais transitórias e aparentemente inócuas podem promover metástases6 por meio de interações comensais do tipo "bater e correr".

As descobertas lançam luz sobre um novo mecanismo que impulsiona a disseminação do tumor1 e abre novos caminhos de estudo para prevenir ou desenvolver tratamentos direcionados contra uma das características mais mortais do câncer3.

"A diafonia entre células2 inócuas dentro de um tumor1 pode desempenhar um papel fundamental na determinação da capacidade metastática de um câncer3", disse a autora sênior10 do estudo Joan Brugge, professora de Biologia Celular no Instituto Blavatnik na HMS.

“Esse mecanismo precisa ser considerado nos esforços para identificar alvos terapêuticos relevantes para o desafio extremamente difícil de bloquear a metástase”, disse Brugge, que também é codiretora do Ludwig Center em Harvard.

Leia sobre "Câncer3 - informações importantes", "Carcinomatose" e "É possível acabar com o câncer3?"

 

Fontes:
Nature Communications, publicação em 16 de novembro de 2020.
Harvard Medical School, notícia publicada em 18 de novembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Estudo identifica uma interação transitória e cooperativa entre as células do câncer de ovário, um novo mecanismo que impulsiona a propagação do tumor. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1383843/estudo-identifica-uma-interacao-transitoria-e-cooperativa-entre-as-celulas-do-cancer-de-ovario-um-novo-mecanismo-que-impulsiona-a-propagacao-do-tumor.htm>. Acesso em: 22 abr. 2021.

Complementos

1 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Metástase: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
5 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
6 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
7 Neoplásicas: Que apresentam neoplasias, ou seja, que apresentam processo patológico que resulta no desenvolvimento de neoplasma ou tumor. Um neoplasma é uma neoformação de crescimento anormal, incontrolado e progressivo de tecido, mediante proliferação celular.
8 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
9 Ascite: Acúmulo anormal de líquido na cavidade peritoneal. Pode estar associada a diferentes doenças como cirrose, insuficiência cardíaca, câncer de ovário, esquistossomose, etc.
10 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
Gostou do artigo? Compartilhe!