Gostou do artigo? Compartilhe!

Ablação como tratamento de primeira linha para fibrilação atrial se mostrou mais eficaz do que medicamentos antiarrítmicos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As diretrizes recomendam um teste de um ou mais medicamentos antiarrítmicos antes que a ablação1 por cateter seja considerada em pacientes com fibrilação atrial. No entanto, a ablação1 de primeira linha pode ser mais eficaz na manutenção do ritmo sinusal.

Dados do estudo EARLY-AF, publicado no The New England Journal of Medicine, sugerem que a terapia de primeira linha com ablação1 pode ser uma abordagem melhor para pacientes2 com fibrilação atrial (FA) sintomática3, ajudando a manter o ritmo sinusal melhor do que os agentes antiarrítmicos tradicionais.

Os resultados do estudo randomizado4 indicam que a ablação1 de primeira linha foi associada a reduções significativas nos resultados de arritmia5, incluindo carga total de FA e dias com FA, sugerindo que o tratamento inicial com ablação1 pode ser uma abordagem mais eficaz do que o tratamento de primeira linha com medicamentos antiarrítmicos, que é a recomendação atual em diretrizes contemporâneas.

Saiba mais sobre "Fibrilação atrial" e "Arritmia5 cardíaca".

“Neste estudo randomizado4 envolvendo pacientes com fibrilação atrial paroxística não tratada, a ablação1 por cateter com balão criogênico resultou em uma taxa significativamente menor de recorrência6 de taquiarritmia7 atrial, avaliada por monitoramento contínuo do ritmo cardíaco, do que a terapia com drogas antiarrítmicas”, escreveram os investigadores do estudo.

Foram designados aleatoriamente 303 pacientes com fibrilação atrial sintomática3, paroxística e não tratada para serem submetidos à ablação1 por cateter com um balão de crioterapia8 ou para receber terapia com drogas antiarrítmicas para controle inicial do ritmo.

Todos os pacientes receberam um dispositivo de monitoramento cardíaco implantável para detectar taquiarritmia7 atrial. O período de acompanhamento foi de 12 meses. O desfecho primário foi a primeira recorrência6 documentada de qualquer taquiarritmia7 atrial (fibrilação atrial, flutter atrial ou taquicardia9 atrial) entre 91 e 365 dias após a ablação1 por cateter ou o início de um medicamento antiarrítmico10. Os desfechos secundários incluíram ausência de arritmia5 sintomática3, carga de fibrilação atrial e qualidade de vida.

Em 1 ano, uma recorrência6 de taquiarritmia7 atrial ocorreu em 66 de 154 pacientes (42,9%) designados para serem submetidos à ablação1 e em 101 de 149 pacientes (67,8%) designados para receber medicamentos antiarrítmicos (taxa de risco, 0,48; intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,35 a 0,66; P <0,001).

A taquiarritmia7 atrial sintomática3 recorreu em 11,0% dos pacientes submetidos à ablação1 e em 26,2% daqueles que receberam medicamentos antiarrítmicos (razão de risco, 0,39; IC 95%, 0,22 a 0,68).

A porcentagem mediana de tempo em fibrilação atrial foi de 0% (intervalo interquartil, 0 a 0,08) com ablação1 e 0,13% (intervalo interquartil, 0 a 1,60) com antiarrítmicos.

Eventos adversos graves ocorreram em 5 pacientes (3,2%) que foram submetidos à ablação1 e em 6 pacientes (4,0%) que receberam medicamentos antiarrítmicos.

Durante sua apresentação na American Heart Association Scientific Sessions 2020, Jason Andrade, MD, apontou que a ablação1 de primeira linha estava associada a reduções significativas no tempo até a primeira recorrência6 de qualquer fibrilação atrial, tempo até a primeira recorrência6 de fibrilação atrial sintomática3, carga de FA total, e dias com FA.

O estudo concluiu que entre os pacientes recebendo tratamento inicial para fibrilação atrial paroxística sintomática3, houve uma taxa significativamente mais baixa de recorrência6 de fibrilação atrial com ablação1 por cateter com criobalão do que com terapia com drogas antiarrítmicas, conforme avaliado pelo monitoramento contínuo do ritmo cardíaco.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares11", "Taquicardia9" e "Desfibrilador - o que é e como usar".

 

Fontes:
The New England Journal of Medicine (NEJM), publicação em 16 de novembro de 2020.
Practical Cardiology, notícia publicada em 16 de novembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Ablação como tratamento de primeira linha para fibrilação atrial se mostrou mais eficaz do que medicamentos antiarrítmicos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1383483/ablacao-como-tratamento-de-primeira-linha-para-fibrilacao-atrial-se-mostrou-mais-eficaz-do-que-medicamentos-antiarritmicos.htm>. Acesso em: 22 set. 2021.

Complementos

1 Ablação: Extirpação de qualquer órgão do corpo.
2 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
3 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
4 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
6 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
7 Taquiarritmia: Cadência rápida do ritmo do coração, arritmia rápida.
8 Crioterapia: Processo terapêutico baseado em aplicações de gelo, neve carbônica e outros veículos de frio intenso.
9 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
10 Antiarrítmico: Medicamento usado para tratar altrações do ritmo cardíaco
11 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!