Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de antidepressivos no pré-natal e risco de resultados neonatais adversos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em estudo publicado pelo periódico Pediatrics, buscou-se estimar o risco de resultados neonatais a partir de padrões de uso de antidepressivos no pré-natal.

No banco de dados OptumLabs Data Warehouse foram identificados 226.932 partos únicos. Reivindicações de antidepressivos com cobertura entre o último período menstrual e 35 semanas de gestação foram convertidas em equivalentes à fluoxetina e uma análise longitudinal de grupo foi realizada.

Os resultados incluíram malformações1 cardíacas importantes (11,7 de 1000 nascimentos), parto prematuro (75,7 de 1000 nascimentos) e dificuldade respiratória do recém-nascido (54,2 de 1000 nascimentos). A trajetória mais baixa foi o grupo de referência primário, e depressão e ansiedade sem reivindicações de antidepressivos serviram como grupos de referência secundários.

Das 15.041 (6,6%) gestações expostas a um antidepressivo, os padrões de uso foram melhor descritos como (1) baixo uso (∼10 mg/dia) com redução no primeiro trimestre, (2) baixo uso sustentado (∼20 mg/dia) , (3) uso moderado (∼40 mg/dia) com redução no primeiro trimestre, (4) uso moderado sustentado (∼40 mg/dia) e (5) uso elevado e sustentado (∼75 mg/dia).

O uso moderado sustentado aumentou o risco de malformações1 cardíacas graves, embora os resultados incluam nulo quando comparado aos grupos de referência para depressão ou ansiedade.

Trajetórias moderadas sustentadas (razão de risco ajustada [RR] 1,31; intervalo de confiança [IC] de 95% 1,16–1,49) e altas sustentadas (RR ajustada 1,78; IC 95% 1,48–2,14) foram associadas a um risco aumentado de nascimento prematuro.

Todas as quatro trajetórias aumentaram o risco de desconforto respiratório neonatal de maneira dose-resposta (RRs ajustadas 1,36 [IC 95% 1,20-1,50] a 2,23 [IC 95% 1,83-2,77]).

Embora os achados apoiem ​​a continuação da dose eficaz mais baixa para tratar a depressão ou a ansiedade, o que beneficia a mãe, eles também destacam um risco aumentado de angústia respiratória do recém-nascido em todos os grupos e nascimento prematuro em doses moderadas a altas.

Leia sobre "Antidepressivos", "Depressão na gravidez2", "Depressão em mulheres" e "Entendendo a prematuridade".

 

Fonte: Pediatrics, vol. 146, nº 1, em 01 julho de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Uso de antidepressivos no pré-natal e risco de resultados neonatais adversos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1373008/uso-de-antidepressivos-no-pre-natal-e-risco-de-resultados-neonatais-adversos.htm>. Acesso em: 20 out. 2020.

Complementos

1 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
Gostou do artigo? Compartilhe!