Gostou do artigo? Compartilhe!

Eficácia comparativa e aceitabilidade de antidepressivos, psicoterapias e sua combinação no tratamento agudo de crianças e adolescentes com transtorno depressivo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Transtornos depressivos são comuns em crianças e adolescentes. Antidepressivos, psicoterapias e sua combinação são frequentemente usados ​​na prática clínica de rotina; no entanto, as evidências disponíveis sobre a eficácia e segurança comparativas dessas intervenções são inconclusivas.

Portanto, o presente estudo procurou comparar e classificar todas as intervenções de tratamento disponíveis para o tratamento agudo1 de transtornos depressivos em crianças e adolescentes.

Foi realizada uma revisão sistemática e meta-análise de rede, publicada no The Lancet Psychiatry. Foram pesquisados PubMed, Embase, Registro Central de Ensaios Controlados da Cochrane, Web of Science, PsycINFO, ProQuest, CINAHL, LiLACS, registros internacionais de ensaios e os sites de agências reguladoras para ensaios randomizados controlados publicados e não publicados, desde o início do banco de dados até 1º de janeiro de 2019.

Foram incluídos ensaios controlados por placebo2 e head-to-head (comparação direta) de 16 antidepressivos, sete psicoterapias e cinco combinações de antidepressivo e psicoterapia usados ​​no tratamento agudo1 de crianças e adolescentes (≤18 anos e de ambos os sexos) com transtorno depressivo diagnosticado de acordo com critérios operacionalizados padrão. Foram excluídos os ensaios que recrutaram participantes com depressão resistente ao tratamento, transtorno bipolar, depressão psicótica, duração do tratamento inferior a 4 semanas ou tamanho total da amostra inferior a dez pacientes.

Saiba mais sobre "Depressões", "Depressão em crianças", "Antidepressivos" e "Psicoterapias".

Os dados foram extraídos seguindo uma hierarquia predefinida de medidas de resultado e avaliou-se o risco de viés e a certeza da evidência usando métodos validados. Os desfechos primários foram eficácia (alteração dos sintomas3 depressivos) e aceitabilidade (descontinuação do tratamento devido a qualquer causa). Estimou-se diferenças médias padronizadas resumidas (DMPs) ou odds ratios (ORs) com intervalos credíveis (CrIs) usando meta-análise de rede com efeitos aleatórios.

Das 20.366 publicações, foram incluídos 71 estudos (9.510 participantes). Os transtornos depressivos na maioria dos estudos foram moderados a graves.

Em termos de eficácia, a fluoxetina mais terapia cognitivo4-comportamental (TCC) foi mais eficaz que a TCC isolada (-0,78, CrI 95% -1,55 a -0,01) e terapia psicodinâmica (-1,14, -2,20 a -0,08), mas não mais eficaz que a fluoxetina sozinha (-0,22, -0,86 a 0,42).

Nenhuma farmacoterapia isolada foi mais eficaz do que a psicoterapia isolada. Apenas fluoxetina mais TCC e fluoxetina foram significativamente mais efetivas que o placebo2 ou os controles psicológicos (DMPs variaram de -1,73 a -0,51); e apenas a terapia interpessoal foi mais eficaz do que todos os controles psicológicos (-1,37 a -0,66). A nortriptilina (DMPs variaram de 1,04 a 2,22) e a lista de espera (DMPs variaram de 0,67 a 2,08) foram menos eficazes do que a maioria das intervenções ativas.

Em termos de aceitabilidade, nefazodona e fluoxetina foram associadas a menos desistências do que sertralina, imipramina e desipramina (os ORs variaram de 0,17 a 0,50); a imipramina foi associada a mais desistências do que o placebo2, desvenlafaxina, fluoxetina mais TCC e vilazodona (2,51 a 5,06). A maioria dos resultados foi classificada como "baixa" a "muito baixa" em termos de confiança nas evidências, de acordo com o Confiança em Meta-análise de Rede (Confidence In Network Meta-Analysis).

Apesar da escassez de evidências de alta qualidade, a fluoxetina (isolada ou associada à TCC) parece ser a melhor escolha para o tratamento agudo1 do transtorno depressivo moderado a grave em crianças e adolescentes. No entanto, os efeitos dessas intervenções podem variar entre indivíduos; portanto, pacientes, prestadores de cuidados e médicos devem equilibrar cuidadosamente o perfil de risco-benefício da eficácia, aceitabilidade e risco de suicídio de todas as intervenções ativas em pacientes jovens com depressão, caso a caso.

Leia também sobre "Terapia cognitivo4-comportamental" e "O uso excessivo de antidepressivos".

 

Fonte: The Lancet Psychiatry, vol. 7, nº 7, em julho de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Eficácia comparativa e aceitabilidade de antidepressivos, psicoterapias e sua combinação no tratamento agudo de crianças e adolescentes com transtorno depressivo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1371828/eficacia-comparativa-e-aceitabilidade-de-antidepressivos-psicoterapias-e-sua-combinacao-no-tratamento-agudo-de-criancas-e-adolescentes-com-transtorno-depressivo.htm>. Acesso em: 12 jul. 2020.

Complementos

1 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Gostou do artigo? Compartilhe!