Gostou do artigo? Compartilhe!

Associação de padrões longitudinais de duração habitual do sono com o risco de eventos cardiovasculares e mortalidade por todas as causas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Medidas únicas autorreferidas da duração do sono estão associadas a resultados adversos à saúde1; no entanto, padrões de longo prazo de duração do sono autorreferidos e sua associação com eventos cardiovasculares (ECVs) e mortalidade2 por todas as causas permanecem desconhecidos.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Network Open, foi determinar se as trajetórias da duração do sono em longo prazo versus a medida única estão associadas ao risco subsequente de ECVs e mortalidade2 por todas as causas.

Saiba mais sobre "Como é o sono", "Ciclos do sono" e "Doenças cardiovasculares3".

O estudo Kailuan é um estudo prospectivo4 de coorte5 de base populacional iniciado em 2006. A presente coorte5 incluiu 52.599 adultos chineses sem fibrilação atrial, infarto do miocárdio6, acidente vascular cerebral7 ou câncer8 até 2010.

Trajetórias na duração do sono, de 1º de janeiro de 2006 a 31 de dezembro de 2010, foram identificadas para investigar a associação com o risco de ECVs e mortalidade2 por todas as causas de 1º de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2017. A análise dos dados foi realizada de 1º de julho a 31 de outubro de 2019.

As durações habituais de sono noturno autorrelatadas foram coletadas em 2006, 2008 e 2010. Trajetórias na duração do sono por 4 anos foram identificadas por modelagem latente de mistura.

A mortalidade2 por todas as causas e os primeiros ECVs incidentes9 (fibrilação atrial, infarto do miocárdio6 e acidente vascular cerebral7) de 2010 a 2017 foram confirmados por registros médicos. Com base na duração basal do sono e nos padrões ao longo do tempo, quatro trajetórias foram categorizadas (normal estável, normal decrescente, baixo crescente e baixo estável).

Dos 52.599 adultos incluídos no estudo (idade média [DP] no início do estudo, 52,5 [11,8] anos), 40.087 (76,2%) eram do sexo masculino e 12.512 (23,8%) do sexo feminino. Foram identificados quatro padrões distintos de trajetória de duração do sono em 4 anos: normal estável (variação de 7,4 a 7,5 horas [n = 40.262]), normal decrescente (diminuição média de 7,0 para 5,5 horas [n = 8.074]), baixo crescente (aumento médio de 4,9 para 6,9 horas [n = 3.384]) e baixo estável (variação de 4,2 a 4,9 horas [n = 879]).

Durante um seguimento médio (DP) de 6,7 (1,1) anos, 2.361 indivíduos morreram e 2.406 tiveram um ECV. Comparado ao padrão normal estável e ajustando para potenciais fatores de confusão, um padrão baixo crescente foi associado ao aumento do risco de primeiros ECVs (razão de risco [HR], 1,22; IC 95%, 1,04-1,43), um padrão normal descrescente foi associado ao aumento do risco de mortalidade2 por todas as causas (HR, 1,34; IC 95%, 1,15-1,57), e o padrão baixo estável foi associado ao maior risco de ECVs (HR, 1,47; IC 95%, 1,05-2,05) e morte (HR, 1,50; IC 95%, 1,07-2,10).

Neste estudo, as trajetórias de duração do sono com padrões mais baixos ou instáveis ​​foram significativamente associadas ao aumento do risco de primeiros ECVs subsequentes e mortalidade2 por todas as causas.

Padrões longitudinais de duração do sono podem ajudar na identificação mais precisa de diferentes grupos de risco para possível intervenção. As pessoas que relatam dormir constantemente menos de 5 horas por noite devem ser consideradas uma população com maior risco de ECV e mortalidade2.

Leia sobre "Privação do sono atrapalha o desempenho", "Distúrbios do sono" e "Insônia".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 22 de maio de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Associação de padrões longitudinais de duração habitual do sono com o risco de eventos cardiovasculares e mortalidade por todas as causas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1368363/associacao-de-padroes-longitudinais-de-duracao-habitual-do-sono-com-o-risco-de-eventos-cardiovasculares-e-mortalidade-por-todas-as-causas.htm>. Acesso em: 18 set. 2020.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
4 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
7 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
8 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
9 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
Gostou do artigo? Compartilhe!