Gostou do artigo? Compartilhe!

Exame de sangue se mostra promissor para detectar cânceres de alta mortalidade mais cedo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Destaques

• A análise de metilação direcionada do cfDNA detectou e localizou simultaneamente >50 tipos de câncer1, incluindo cânceres de alta mortalidade2 que não possuem paradigmas de rastreamento.

• Cânceres foram detectados em todos os estágios (sensibilidade do estágio I-III: 43,9%; sensibilidade do estágio I-IV: 54,9%) com uma especificidade de >99% e uma única taxa de falsos positivos <1%.

• Essa abordagem de metilação direcionada localizou o tecido3 de origem com precisão >90%, o que será essencial para direcionar os cuidados de acompanhamento.

• Isso apoia a investigação contínua desse teste com o objetivo de detectar precocemente o câncer1 em escala populacional.

...

A detecção precoce do câncer1 pode identificar tumores no momento em que os resultados são superiores e o tratamento é menos mórbido. Este sub-estudo prospectivo4 de caso-controle, publicado pelo periódico Annals of Oncology, avaliou o desempenho da análise de metilação direcionada do DNA livre de células5 circulantes (cfDNA) para detectar e localizar vários tipos de câncer1 em todos os estágios com alta especificidade.

Os 6.689 participantes [2.482 câncer1 (>50 tipos de câncer1), 4.207 não-câncer1] foram divididos em conjuntos de treinamento e validação. O cfDNA plasmático foi submetido a sequenciação de bissulfito visando um painel de >100.000 regiões informativas de metilação. Um classificador foi desenvolvido e validado para detecção de câncer1 e localização de tecidos de origem (TDO).

O desempenho foi consistente nos conjuntos de treinamento e validação. Na validação, a especificidade foi de 99,3% [intervalo de confiança (IC) de 95%: 98,3% a 99,8%; 0,7% de taxa de falsos positivos (TFP)].

A sensibilidade do estágio I-III foi de 67,3% (IC: 60,7% a 73,3%) em um conjunto pré-especificado de 12 tipos de câncer1 (ânus6, bexiga7, cólon8/reto9, esôfago10, cabeça11 e pescoço12, fígado13/ducto biliar, pulmão14, linfoma15, ovário16, pâncreas17, neoplasia18 de células5 plasmáticas, estômago19), que representam ∼63% das mortes por câncer1 nos EUA anualmente, e foi de 43,9% (IC: 39,4% a 48,5%) em todos os tipos de câncer1.

A detecção aumentou com o aumento do estágio: nos tipos de câncer1 pré-especificados, a sensibilidade foi de 39% (IC: 27% a 52%) no estágio I, 69% (IC: 56% a 80%) no estágio II, 83% (IC: 75% a 90%) no estágio III e 92% (IC: 86% a 96%) no estágio IV. Em todos os tipos de câncer1, a sensibilidade foi de 18% (IC: 13% a 25%) no estágio I, 43% (IC: 35% a 51%) no estágio II, 81% (IC: 73% a 87%) no estágio III e 93% (IC: 87% a 96%) no estágio IV.

TDO foi previsto em 96% das amostras com sinal20 semelhante ao câncer1; desses, a localização do TDO foi precisa em 93%.

O estudo concluiu que o sequenciamento do cfDNA, utilizando padrões informativos de metilação, detectou mais de 50 tipos de câncer1 em diferentes estágios. Considerando o valor potencial da detecção precoce em doenças malignas mortais, uma avaliação mais aprofundada desse teste é justificada em estudos prospectivos em nível populacional.

Leia sobre "Câncer1 - informações importantes", "Distinção entre tumores benignos e malignos" e "Marcadores tumorais".

 

Fonte: Annals of Oncology, publicação em 30 de março de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Exame de sangue se mostra promissor para detectar cânceres de alta mortalidade mais cedo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1364443/exame-de-sangue-se-mostra-promissor-para-detectar-canceres-de-alta-mortalidade-mais-cedo.htm>. Acesso em: 30 nov. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
4 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Ânus: Segmento terminal do INTESTINO GROSSO, começando na ampola do RETO e terminando no ânus.
7 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
8 Cólon:
9 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
10 Esôfago: Segmento muscular membranoso (entre a FARINGE e o ESTÔMAGO), no TRATO GASTRINTESTINAL SUPERIOR.
11 Cabeça:
12 Pescoço:
13 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
14 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
15 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
16 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
17 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
18 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
19 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
20 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
Gostou do artigo? Compartilhe!