Gostou do artigo? Compartilhe!

Alcoólicos Anônimos e outros programas de 12 etapas para transtorno por uso de álcool

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O transtorno por uso de álcool (AUD), ou seja, o alcoolismo, é um problema de saúde1 individual e pública em todo o mundo, e confere uma carga prodigiosa de doença, incapacidade, mortalidade2 prematura e altos custos econômicos devido à perda de produtividade, acidentes, violência, encarceramento e aumento da utilização da assistência médica.

Por mais de 80 anos, os Alcoólicos Anônimos (AA) têm sido uma organização de recuperação de AUD amplamente difundida, com milhões de membros e tratamento gratuito no ponto de acesso, mas só recentemente foi realizada uma pesquisa rigorosa sobre sua eficácia.

O objetivo desse estudo, publicado pela Cochrane Database of Systematic Reviews, foi avaliar se o programa Alcoólicos Anônimos (AA) liderado por pessoas na mesma situação e os tratamentos fornecidos por profissionais que facilitam o envolvimento com o AA (intervenções de facilitação em doze etapas [AA/TSF]), em comparação com outros tratamentos, alcançam resultados importantes, especificamente: abstinência, intensidade reduzida de bebida, consequências reduzidas relacionadas ao álcool, gravidade do vício em álcool e compensações de custos de cuidados de saúde1.

Saiba mais sobre "Alcoolismo" e "Síndrome3 de abstinência".

Foram pesquisados o Registro Especializado do Grupo Cochrane de Drogas e Álcool, Registro Central de Ensaios Controlados da Cochrane (CENTRAL), PubMed, Embase, CINAHL e PsycINFO desde o início até 2 de agosto de 2019. Pesquisou-se estudos em andamento e não publicados via ClinicalTrials.gov e Plataforma Internacional de Registro de Ensaios Clínicos4 da Organização Mundial de Saúde1 (OMS) em 15 de novembro de 2018. Todas as pesquisas incluíram literatura em inglês. Pesquisou-se manualmente referências de revisões sistemáticas relacionadas ao tópico5 e bibliografias dos estudos incluídos.

Foram identificados 27 estudos relevantes que incluíram 10.565 participantes. Os estudos variaram em design; em se os tratamentos foram entregues de acordo com procedimentos padronizados (isto é, manualizados); e em se o AA/TSF foi comparado com um tratamento que tinha uma base teórica diferente (por exemplo, terapia cognitivo6 comportamental [TCC]) ou com um tipo diferente de TSF (ou seja, um que variou em estilo ou intensidade do AA/TSF).

As intervenções AA/TSF manualizadas geralmente produziam taxas mais altas de abstinência contínua do que os outros tratamentos estabelecidos investigados. AA/TSF não manualizado se mostrou tão bom quanto outros tratamentos estabelecidos.

As principais descobertas do estudo foram:

  • O AA/TSF pode ser superior a outros tratamentos por aumentar a porcentagem de dias de abstinência, principalmente a longo prazo.
  • O AA/TSF provavelmente funciona tão bem quanto outros tratamentos para reduzir a intensidade do consumo (de álcool).
  • O AA/TSF provavelmente produz resultados tão bons quanto os de outros tratamentos quanto às consequências relacionadas ao álcool e à gravidade do vício.
  • Quatro dos cinco estudos econômicos encontraram benefícios substanciais de economia de custos para AA/TSF, indicando que as intervenções com AA/TSF provavelmente reduzem substancialmente os custos com saúde1.

Em conclusão, as intervenções TSF fornecidas clinicamente, projetadas para aumentar a participação no AA, geralmente levam a melhores resultados nos meses ou anos subsequentes em termos de produção de taxas mais altas de abstinência contínua. Esse efeito é alcançado em grande parte ao promover o aumento da participação no AA após o final da intervenção do TSF. O AA/TSF provavelmente produzirá economias substanciais nos custos com saúde1, enquanto simultaneamente melhora a abstinência do álcool.

Leia sobre "Como manter mais baixo o risco do consumo de bebidas alcoólicas" e "Limitar o consumo de álcool reduz o risco de câncer7".

Certeza de evidência

A certeza nas evidências variou de muito baixa a alta para os diferentes resultados. A maioria das evidências de alta certeza foi baseada nos resultados de estudos com design confiáveis ​​(ensaios clínicos4 randomizados) e bons métodos de medição. Considerou-se que algumas evidências são de baixa certeza, em parte devido a métodos inadequados para decidir qual tratamento cada pessoa do estudo deveria receber, o que pode permitir que outros fatores além dos tratamentos afetem os resultados. Houve alguma inconsistência nas evidências nos estudos, que pode ter ocorrido devido a variações nas características clínicas dos participantes, tempos de acompanhamento, erro na recordação dos participantes de certos resultados e diferenças nas durações da intervenção ou nos efeitos do terapeuta. Alguns estudos tiveram amostras pequenas, o que levou a estimativas menos precisas dos períodos mais longos de abstinência e alta variabilidade em torno das estimativas de bebidas por dia de consumo.

 

Fonte: Cochrane Database of Systematic Reviews, publicação em 11 de março de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Alcoólicos Anônimos e outros programas de 12 etapas para transtorno por uso de álcool. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1363148/alcoolicos-anonimos-e-outros-programas-de-12-etapas-para-transtorno-por-uso-de-alcool.htm>. Acesso em: 10 abr. 2020.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
5 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
6 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
7 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
Gostou do artigo? Compartilhe!