Gostou do artigo? Compartilhe!

Descobrindo o potencial anticâncer de medicamentos não oncológicos por perfil sistemático de viabilidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A perspectiva de redirecionar os medicamentos existentes para novas indicações clínicas é sedutora: pode ocorrer tradução clínica rápida para medicamentos já comprovadamente seguros em humanos.

Em princípio, os medicamentos existentes também podem estabelecer pontos de partida para o desenvolvimento de medicamentos quando novos alvos de medicamentos antigos são descobertos.

Ocasionalmente, foram encontrados usos anticâncer de medicamentos não oncológicos, mas, até o momento, a maioria das descobertas de reaproveitamento na oncologia tem sido acidental; a triagem sistemática e em escala de toda a farmacopeia não foi viável. Não se sabe até que ponto os medicamentos não oncológicos têm potencial como terapêutica1 futura para o câncer2.

Neste estudo, publicado pela revista Nature Cancer2, procurou-se criar um recurso público contendo a atividade inibidora do crescimento de 4.518 drogas testadas em 578 linhas de células3 de câncer2 humano.

Foi usado o PRISM (perfil de inibição relativa simultaneamente em misturas), um método de código de barras molecular, para rastrear drogas contra linhas de células3 em conjuntos. Um número inesperadamente grande de drogas não oncológicas inibiu seletivamente subconjuntos de linhas de células3 de câncer2 de uma maneira previsível a partir das características moleculares das linhas de células3.

As descobertas incluem compostos que mataram pela indução da formação do complexo fosfodiesterase 3A-Schlafen 12; compostos contendo vanádio que para matar dependiam do transportador de sulfato SLC26A2; a droga de dependência do álcool dissulfiram, que matava células3 com baixa expressão de metalotioneínas; e o medicamento anti-inflamatório tepoxalina, que matou através do membro 1 da subfamília B do cassette de ligação à ATP4 (ABCB1) da proteína multirresistente à droga.

O recurso de reaproveitamento de medicamentos PRISM (https://depmap.org/repurposing) é um ponto de partida para o desenvolvimento de novas terapêuticas oncológicas e, mais raramente, para uma possível tradução clínica direta.

Leia sobre "Câncer2 - informações importantes", "Prevenção do câncer2" e "Perigos da automedicação5".

 

Fonte: Nature Cancer2, publicação em 20 de janeiro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Descobrindo o potencial anticâncer de medicamentos não oncológicos por perfil sistemático de viabilidade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1362563/descobrindo-o-potencial-anticancer-de-medicamentos-nao-oncologicos-por-perfil-sistematico-de-viabilidade.htm>. Acesso em: 4 abr. 2020.

Complementos

1 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 ATP: Adenosina Trifosfato (ATP) é nucleotídeo responsável pelo armazenamento de energia. Ela é composta pela adenina (base azotada), uma ribose (açúcar com cinco carbonos) e três grupos de fosfato conectados em cadeia. A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos. O ATP armazena energia proveniente da respiração celular e da fotossíntese, para consumo imediato, não podendo ser estocada. A energia pode ser utilizada em diversos processos biológicos, tais como o transporte ativo de moléculas, síntese e secreção de substâncias, locomoção e divisão celular, dentre outros.
5 Automedicação: Automedicação é a prática de tomar remédios sem a prescrição, orientação e supervisão médicas.
Gostou do artigo? Compartilhe!