Gostou do artigo? Compartilhe!

Células imunes hiperativas em bebês podem levar à asma infantil - publicação do Science Translational Medicine

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O funcionamento do sistema imunológico1 de uma criança pequena parece influenciar se ela desenvolverá asma2 temporária ou persistente na infância. A descoberta pode ajudar a identificar tratamentos mais direcionados para diferentes tipos de asma2, dizem pesquisadores da University of Copenhagen e da Technical University of Denmark.

Saiba mais sobre a "Asma2".

Sabe-se que a exposição precoce a gatilhos ambientais pode desencadear trajetórias para doenças inflamatórias crônicas por meio de respostas imunes desreguladas. Quando uma criança tem 18 meses, ela já foi exposta a muitas bactérias, vírus3 e fungos, e isso começa a moldar o sistema imunológico1 de uma criança para a vida futura.

Para descobrir se essas experiências também podem prever o risco de uma criança desenvolver asma2, Anna Hammerich Thysen, da Universidade de Copenhagen, e Susanne Brix, da Universidade Técnica da Dinamarca, e demais colaboradores acompanharam um grupo infantil na Dinamarca nos primeiros seis anos de vida. A equipe analisou como as células4 imunológicas funcionam em crianças pequenas e se isso está relacionado ao risco delas desenvolverem asma2 aos seis anos de idade. "A asma2 é bastante prevalente nos países europeus nórdicos, cerca de 20% na primeira infância", diz Brix.

Nesse sentido, os pesquisadores realizaram um perfil imunológico funcional de 186 parâmetros no sangue5 de 541 crianças de 18 meses, buscando abordar as relações entre competência imune precoce e desenvolvimento de asma2 infantil. Cada amostra foi exposta a uma variedade de compostos - como fragmentos6 de vírus3 ou componentes de vacinas - para ver como as células4 imunes no sangue5 reagiriam. O trabalho foi publicado pelo periódico Science Translational Medicine.

Foram examinadas as ligações entre o fenótipo7 de resposta e o desenvolvimento de doença transitória ou persistente aos 6 anos de idade. Uma resposta antiviral anormal ligada a neutrófilos8 foi associada ao aumento do risco de asma2 transitória. As crianças que apresentaram asma2 persistente no ano 6 apresentaram aumento da produção de interleucina-5 (IL-5) e IL-13 em células4 T estimuladas aos 18 meses de idade, o que foi associado à colonização bacteriana precoce das vias aéreas.

As respostas desse tipo específico de célula9 imunológica, chamado célula9 T auxiliar, parecem estar ligadas ao risco posterior de asma2 de uma criança. Esse tipo de célula9 responde a patógenos potencialmente prejudiciais ao liberar uma variedade de proteínas10. Duas proteínas10 específicas parecem estar ligadas ao fato de uma criança continuar desenvolvendo asma2. Aqueles cujas células4 imunológicas produzem mais dessas proteínas10 têm uma probabilidade significativamente maior de ter asma2 aos seis anos de idade.

A equipe também encontrou diferenças na resposta imune entre meninas e meninos. As células4 imunes das amostras de sangue5 colhidas dos meninos reagiram mais fortemente a bactérias e fungos, enquanto as meninas parecem ter respostas mais fortes aos vírus3. Suspeita-se que hormônios sexuais como a testosterona possam influenciar o sistema imunológico1. A diferença pode explicar por que os meninos são mais propensos a desenvolver asma2 no início da vida.

Alguns casos de asma2 são temporários, resolvendo na infância, enquanto outros persistem. O tipo transitório é mais comum em meninos. Pode ser que um tipo de asma2 esteja vinculado à resposta do sistema imunológico1 a vírus3, enquanto outro está vinculado à resposta a bactérias. Tratamentos melhor direcionados poderiam ser desenvolvidos para tratar cada tipo da doença.

Esses achados destacam o aparecimento precoce de características imunológicas distintas em bebês11 que desenvolvem diferentes endotipos de asma2 durante a infância.

Leia mais sobre "Asma2 brônquica", "Bronquite", "Alergia12 respiratória" e "Oxigenioterapia".

 

Fonte: Science Translational Medicine, volume 12, número 529, de 5 de fevereiro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Células imunes hiperativas em bebês podem levar à asma infantil - publicação do Science Translational Medicine. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1360068/celulas-imunes-hiperativas-em-bebes-podem-levar-a-asma-infantil-publicacao-do-science-translational-medicine.htm>. Acesso em: 25 out. 2020.

Complementos

1 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
2 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
6 Fragmentos: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
7 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
8 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
9 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
10 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
11 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
12 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!