Gostou do artigo? Compartilhe!

Associação entre uso de múltiplas classes de antibióticos na primeira infância e doenças alérgicas na infância

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Antibióticos comumente prescritos em bebês1 foram associados a um risco maior das crianças desenvolverem doenças alérgicas, como asma2 e rinite3 alérgica, pesquisadores descobriram.

Bebês1 para os quais foram prescritos antibióticos penicilina, cefalosporina e macrolídeos apresentaram taxas mais altas de diagnóstico4 posterior de doença alérgica, relatou Sidney Zven, BSCE, da Uniformed Services University of the Health Sciences em Bethesda, Maryland, e colegas em uma carta de pesquisa publicada no periódico JAMA Pediatrics.

Saiba mais sobre "Usos e abusos dos antibióticos", "Alergias", "Asma2" e "Rinite3".

Os antibióticos afetam adversamente o microbioma5 "ao diminuir a diversidade bacteriana", observaram Zven e colegas, e isso tem sido associado a doenças alérgicas. A exposição a várias classes de antibióticos pode levar a perturbações ainda maiores no bioma intestinal do que uma classe isolada. O objetivo deste estudo foi determinar se a exposição a múltiplas classes de antibióticos na infância está associada a um maior risco de desenvolver doenças alérgicas na primeira infância. Para tanto, eles examinaram dados de cerca de 798.000 crianças com registro de nascimento no banco de dados do sistema militar de saúde6 de outubro de 2001 a setembro de 2013.

Os autores definiram a exposição como qualquer prescrição dispensada de penicilina, penicilina com inibidores da β-lactamase, cefalosporina, sulfonamida ou macrolídeos nos primeiros 6 meses de vida. Eles procuraram a presença de qualquer doença alérgica, como alergia7 alimentar, anafilaxia8, asma2, dermatite9 atópica, rinite3 alérgica, conjuntivite10 alérgica ou dermatite9 de contato.

No geral, os autores encontraram 162.605 prescrições de antibióticos. A penicilina foi de longe a mais comum (59,5% das prescrições), seguida pelos agentes macrolídeos e cefalosporinas (13,1% cada).

Mais de 80% das crianças não receberam antibióticos, enquanto 13% receberam uma classe de antibióticos e 2,5% duas classes. Menos de 1% recebeu três ou mais classes durante os primeiros 6 meses de vida.

Embora todas as classes de antibióticos tenham sido associadas a um aumento significativo do risco de doenças alérgicas, as de maior risco foram:

  • Penicilina (HR ajustada [aHR] 1,30, IC 95% 1,28-1,31)
  • Macrolídeos (aHR 1,28, IC 95% 1,26-1,30)
  • Penicilina com inibidor de β-lactamase (aHR 1,21, IC 95% 1,18-1,23)
  • Cefalosporina (aHR 1,19, IC 95% 1,17-1,21)

Além disso, as crianças para as quais foram prescritas uma classe adicional de antibiótico apresentaram riscos aumentados para doenças alérgicas, principalmente asma2 (aHR 1,47, IC 95% 1,45-1,49) e rinite3 alérgica (aHR 1,33, IC 95% 1,32-1,34).

Enquanto Zven e colegas observaram a "causalidade reversa potencial" como uma limitação potencial (ou seja, bebês1 mais suscetíveis ao desenvolvimento de doenças alérgicas também podem ser mais suscetíveis ao desenvolvimento de doenças bacterianas), eles concluíram que "a perturbação do microbioma5 pode ser um fator de risco11 para o desenvolvimento de doenças alérgicas".

Leia sobre "Agentes infecciosos", "Alergia7 respiratória" e "Bactérias".

 

Fonte: JAMA Pediatrics, publicação em 20 de dezembro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Associação entre uso de múltiplas classes de antibióticos na primeira infância e doenças alérgicas na infância. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1358058/associacao-entre-uso-de-multiplas-classes-de-antibioticos-na-primeira-infancia-e-doencas-alergicas-na-infancia.htm>. Acesso em: 26 fev. 2020.

Complementos

1 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
2 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
3 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
8 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
9 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
10 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
11 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!