Gostou do artigo? Compartilhe!

Stents e cirurgia de ponte de safena não mostram benefício nas taxas de mortalidade por doenças cardíacas entre pacientes estáveis

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pacientes com doença cardíaca grave, mas estável, tratados apenas com medicamentos e orientação sobre o estilo de vida, não correm mais risco de ataque cardíaco ou morte do que aqueles submetidos a procedimentos cirúrgicos invasivos, de acordo com um grande ensaio clínico financiado pelo governo federal dos Estados Unidos, liderado por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Stanford e da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York.

O estudo mostrou, no entanto, que entre os pacientes com doença arterial coronariana que também apresentavam sintomas1 de angina2 – dor no peito3 causada por fluxo sanguíneo restrito ao coração4 – o tratamento com procedimentos invasivos, como stents ou cirurgia de ponte de safena, era mais eficaz no alívio dos sintomas1 e melhora a qualidade de vida.

Saiba mais sobre "Doenças cardiovasculares5", "Stent" e "Ponte de safena".

"Para pacientes6 com doença cardíaca grave, mas estável, que não desejam se submeter a esses procedimentos invasivos, esses resultados são muito tranquilizadores", disse David Maron, MD, professor clínico de medicina e diretor de cardiologia preventiva da Stanford School of Medicine, e co-presidente do estudo, chamado ISCHEMIA, do inglês International Study of Comparative Health Effectiveness with Medical and Invasive Approaches (Estudo Internacional de Eficácia Comparativa da Saúde7 com Abordagens Médicas e Invasivas).

"Os resultados não sugerem que eles devam se submeter a procedimentos para evitar eventos cardíacos", acrescentou Maron, que também é chefe do Stanford Prevention Research Center.

Os eventos de saúde7 medidos pelo estudo incluíram morte por doença cardiovascular, ataque cardíaco, hospitalização por angina2 instável, hospitalização por insuficiência cardíaca8 e ressuscitação após parada cardíaca.

Os resultados do estudo, que envolveu 5.179 participantes em 320 locais em 37 países, foram apresentados em 16 de novembro nas Sessões Científicas da American Heart Association 2019, na Filadélfia. Judith Hochman, MD, reitora associada sênior9 de ciências clínicas da NYU Grossman School of Medicine, foi a coordenadora do estudo. Outras instituições envolvidas na análise do estudo foram Saint Luke’s Mid America Heart Institute e a Universidade de Duke. O Instituto Nacional do Coração4, Pulmão10 e Sangue11, dos Estados Unidos, investiu mais de US$ 100 milhões no estudo, que começou a inscrever participantes em 2012.

"Uma das questões centrais"

"Essa é uma das questões centrais da medicina cardiovascular há muito tempo: a terapia médica sozinha ou combinada a procedimentos invasivos de rotina é o melhor tratamento para esse grupo de pacientes cardíacos estáveis?", disse o co-investigador do estudo Robert Harrington, MD, professor e presidente de medicina em Stanford. "Eu vejo isso como uma redução do número de procedimentos invasivos."

O estudo foi desenvolvido para refletir a prática clínica atual, na qual os pacientes com bloqueios graves nas artérias12 geralmente passam por um angiograma e revascularização com implante13 de stent ou cirurgia de ponte de safena. Até agora, existem poucas evidências científicas para apoiar se esses procedimentos são mais eficazes na prevenção de eventos cardíacos adversos do que simplesmente tratar pacientes com medicamentos como aspirina e estatinas.

"Se você pensar bem, há uma intuição de que, se houver bloqueio em uma artéria14 e evidências de que esse bloqueio está causando um problema, a abertura desse bloqueio fará as pessoas se sentirem melhor e viverem mais", disse Harrington, que atende pacientes regularmente com doença cardiovascular na Stanford Health Care. “Mas não há evidências de que isso seja necessariamente verdade. Por isso fizemos este estudo."

Os tratamentos invasivos envolvem o cateterismo15, um procedimento no qual um cateter tipo tubo é deslizado para uma artéria14 na virilha ou no braço e é enfiado através dos vasos sanguíneos16 no coração4. Isso é seguido de revascularização, conforme necessário: colocação de um stent, que é inserido através do cateter para abrir um vaso sanguíneo ou cirurgia de ponte de safena, na qual outra artéria14 ou veia é reimplantada para contornar a área de bloqueio.

Os investigadores estudaram pacientes cardíacos que estavam em condição estável, mas que viviam com isquemia17 moderada a grave, causada principalmente pela aterosclerose18 – depósitos de placas19 nas artérias12. A doença cardíaca isquêmica, também conhecida como doença arterial coronariana ou doença cardíaca coronária, é o tipo mais comum de doença cardíaca. Os pacientes com a doença têm os vasos cardíacos estreitados que, quando completamente bloqueados, causam um ataque cardíaco. Cerca de 17,6 milhões de americanos vivem com a doença, o que resulta em cerca de 450.000 mortes a cada ano, de acordo com a American Heart Association.

A isquemia17, que reduz o fluxo sanguíneo, geralmente causa sintomas1 de dor no peito3, conhecidos como angina2. Cerca de dois terços dos pacientes cardíacos inscritos no estudo apresentavam sintomas1 de dor no peito3.

Os resultados deste estudo não se aplicam a pessoas com problemas cardíacos agudos, como aqueles que têm um ataque cardíaco, disseram os pesquisadores. Pessoas com eventos cardíacos agudos devem procurar imediatamente atendimento médico adequado.

Estudo randomizado20

Para conduzir o estudo, os pesquisadores dividiram aleatoriamente os pacientes em dois grupos. Ambos os grupos receberam medicamentos e aconselhamento sobre estilo de vida, mas apenas um deles foi submetido a procedimentos invasivos. O estudo acompanhou pacientes entre 1 ½ e sete anos, acompanhando todos os eventos cardíacos.

Os resultados mostraram que aqueles que foram submetidos a um procedimento invasivo tiveram uma taxa aproximadamente 2% maior de eventos cardíacos no primeiro ano, quando comparados com aqueles em terapia médica isoladamente. Isso foi atribuído aos riscos adicionais decorrentes de procedimentos invasivos, disseram os pesquisadores. No segundo ano, nenhuma diferença foi mostrada. No quarto ano, a taxa de eventos foi 2% menor nos pacientes tratados com procedimentos cardíacos do que naqueles sob orientação de medicamentos e estilo de vida. Essa tendência não resultou em uma diferença geral significativa entre as duas estratégias de tratamento, disseram os pesquisadores.

Entre os pacientes que relataram dor no peito3 diariamente ou semanalmente no início do estudo, 50% daqueles tratados invasivamente estavam livres de angina2 após um ano, em comparação com 20% daqueles tratados apenas com estilo de vida e medicamentos.

"Com base em nossos resultados, recomendamos que todos os pacientes tomem medicamentos comprovados para reduzir o risco de ataque cardíaco, sejam fisicamente ativos, sigam uma dieta saudável e parem de fumar", disse Maron. “Pacientes sem angina2 não verão uma melhora, mas aqueles com angina2 de qualquer gravidade tendem a ter uma melhoria maior e duradoura na qualidade de vida se fizerem um procedimento cardíaco invasivo. Eles devem conversar com seus médicos para decidir se devem sofrer revascularização.”

Os investigadores planejam continuar acompanhando os participantes do estudo por mais cinco anos para determinar se os resultados mudam por um longo período de tempo.

“Será importante acompanhar para ver se, com o tempo, haverá uma diferença. Durante o período em que seguimos os participantes, não havia absolutamente nenhum benefício em relação à estratégia invasiva”, disse Maron. “Acho que esses resultados devem mudar a prática clínica. Muitos procedimentos são realizados em pessoas que não apresentam sintomas1. É difícil justificar a colocação de stents em pacientes estáveis ​​e sem sintomas1."

Leia sobre "Infarto21 do miocárido", "Insuficiência cardíaca congestiva22", "Angina2 de peito3" e "Aterosclerose18".

 

Fonte: Stanford Medicine, artigo publicado em 16 de novembro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Stents e cirurgia de ponte de safena não mostram benefício nas taxas de mortalidade por doenças cardíacas entre pacientes estáveis. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1352528/stents-e-cirurgia-de-ponte-de-safena-nao-mostram-beneficio-nas-taxas-de-mortalidade-por-doencas-cardiacas-entre-pacientes-estaveis.htm>. Acesso em: 8 dez. 2019.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
3 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
4 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
5 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
6 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
9 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
10 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
13 Implante: 1. Em cirurgia e odontologia é o material retirado do próprio indivíduo, de outrem ou artificialmente elaborado que é inserido ou enxertado em uma estrutura orgânica, de modo a fazer parte integrante dela. 2. Na medicina, é qualquer material natural ou artificial inserido ou enxertado no organismo. 3. Em patologia, é uma célula ou fragmento de tecido, especialmente de tumores, que migra para outro local do organismo, com subsequente crescimento.
14 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
15 Cateterismo: Exame invasivo de artérias ou estruturas tubulares (uretra, ureteres, etc.), utilizando um dispositivo interno, capaz de injetar substâncias de contraste ou realizar procedimentos corretivos.
16 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
17 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
18 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
19 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
20 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
21 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
22 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!