Gostou do artigo? Compartilhe!

Associação de psoríase com risco de desenvolver ou morrer de câncer, publicado pelo JAMA Dermatology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O risco de desenvolvimento de câncer1 em pessoas com psoríase2 levantou preocupação quanto à diferenciação de risco de acordo com a gravidade da doença. Com o objetivo de realizar uma revisão sistemática e metanálise de estudos observacionais sobre o risco de incidência3 e mortalidade4 por câncer1 em pessoas com psoríase2, foi realizado um estudo publicado online pelo JAMA Dermatology.

Saiba mais sobre "Psoríase2".

Seis bases de dados eletrônicas (MEDLINE, Embase, MEDLINE in Process, Cochrane Central Register, Web of Science e LILACS [Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde5]) foram pesquisadas desde o início até 15 de novembro de 2017 para se qualificar os estudos. Foram incluídos estudos de coorte6 e caso-controle que forneceram estimativas do risco de incidência3 de câncer1 ou mortalidade4 por câncer1 associado à psoríase2.

Os dados extraídos foram relacionados ao desenho do estudo, população do estudo e estimativas de risco. As estimativas específicas do estudo do risco relativo (RR) foram combinadas usando um modelo de efeitos aleatórios. A heterogeneidade foi quantificada usando a estatística I². Os dados foram analisados de 9 de abril de 2018 a 22 de fevereiro de 2019. Estimativas combinadas de RR para incidência3 e mortalidade4 por câncer1 para coortes de psoríase2 em comparação com pessoas sem psoríase2 faziam parte dos principais resultados e medidas.

Foram incluídos 58 estudos únicos, com qualidade variando para os estudos de incidência3 e mortalidade4. Psoríase2 grave (RR, 1,22; IC 95%, 1,08-1,39 [9 estudos]) e todas as gravidades da psoríase2 (RR, 1,18; IC 95%, 1,06-1,31 [7 estudos]) foram associadas a um risco aumentado de câncer1 (geral) e associações foram encontradas para uma variedade de cânceres em locais específicos, incluindo:

  • cólon7 (RR, 1,18 [IC 95%, 1,03-1,35])
  • colorretal (RR, 1,34 [IC 95%, 1,06-1,70])
  • rim8 (RR, 1,58 [IC95%, 1,11-2,24])
  • laringe9 (RR, 1,79 [IC95%, 1,06-3,01])
  • fígado10 (RR, 1,83 [IC95%, 1,28-2,61])
  • linfoma11 (RR , 1,40 [IC 95%, 1,24-1,57])
  • linfoma11 não Hodgkin (RR, 1,28 [IC 95%, 1,15-1,43])
  • câncer1 de queratinócitos12 (RR, 1,71 [IC 95%, 1,08-2,71])
  • esôfago13 (RR, 2,05 [IC 95%, 1,04-4,07])
  • cavidade oral14 (RR, 2,80 [IC 95%, 1,99-3,93])
  • pancreático (RR, 1,41 [IC 95%, 1,16-1,73])

O risco geral de mortalidade4 por câncer1 foi maior em pacientes com psoríase2 grave (RR, 1,22; IC 95%, 1,08-1,38 [4 estudos]). Especificamente, para fígado10 (RR, 1,43 [IC 95%, 1,09-1,88]), esôfago13 (RR, 2,53 [IC 95%, 1,87-3,41]) e pâncreas15 (RR, 1,31 [IC 95%, 1,02-1,69]) a mortalidade4 por câncer1 foi elevada naqueles com psoríase2 grave.

A heterogeneidade das estimativas era muitas vezes muito alta, apesar da estratificação. Uma atenuação acentuada de risco foi encontrada nos estudos que ajustaram as estimativas de tabagismo, consumo de álcool e obesidade16.

Esses achados sugerem que o câncer1 é uma comorbidade17 importante em pessoas com psoríase2 e os dermatologistas devem estar cientes desse risco aumentado. Mais estudos são necessários para aprimorar o conhecimento sobre os mecanismos subjacentes a esse risco aumentado, como as que examinam estilo de vida, tratamentos e processos inflamatórios que contribuem para a psoríase2. Isso pode fornecer informações adicionais sobre os mecanismos subjacentes ao aparente aumento do risco de câncer1 nesses pacientes.

Veja sobre "Prevenção do câncer1" e "Câncer1 colorretal".

 

Fonte: JAMA Dermatology, em 16 de outubro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Associação de psoríase com risco de desenvolver ou morrer de câncer, publicado pelo JAMA Dermatology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1350733/associacao-de-psoriase-com-risco-de-desenvolver-ou-morrer-de-cancer-publicado-pelo-jama-dermatology.htm>. Acesso em: 22 nov. 2019.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Estudos de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Cólon:
8 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
9 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
10 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
11 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
12 Queratinócitos: Queratinócitos ou ceratinócitos são células diferenciadas do tecido epitelial (pele) e invaginações da epiderme para a derme (como os cabelos e unhas) de animais terrestres responsáveis pela síntese da queratina.
13 Esôfago: Segmento muscular membranoso (entre a FARINGE e o ESTÔMAGO), no TRATO GASTRINTESTINAL SUPERIOR.
14 Cavidade Oral: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
15 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
16 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
17 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!