Gostou do artigo? Compartilhe!

Global Burden of Disease Cancer Collaboration: incidência geral do câncer em grande estudo publicado pelo JAMA Oncology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Qual é a carga de câncer1 ao longo do tempo nos níveis global e nacional, medida em incidência2, mortalidade3, anos vividos com incapacidade, anos de vida perdidos e anos de vida ajustados por incapacidade (DALYs), e como ele se compara a outras doenças?

O câncer1 e outras doenças não transmissíveis (DNTs) são agora amplamente reconhecidas como uma ameaça ao desenvolvimento global. A última reunião de alto nível das Nações Unidas sobre DNTs reafirmou essa observação e também destacou o lento progresso no cumprimento da Declaração Política de 2011 sobre Prevenção e Controle de Doenças Não Transmissíveis e o terceiro Objetivo de Desenvolvimento Sustentável. A falta de análises situacionais, a definição de prioridades e o orçamento foram identificados como principais obstáculos para alcançar esses objetivos.

Todos eles têm em comum a exigência de informações sobre a epidemiologia local do câncer1. O estudo Global Burden of Disease (GBD) está preparado para fornecer esses dados cruciais, pois teve o objetivo de descrever a carga do câncer1 para 29 grupos de câncer1 em 195 países, de 1990 a 2017, e fornecer dados necessários para o planejamento do controle do câncer1.

Em 2017, houve 24,5 milhões de casos de câncer1 incidente4 em todo o mundo (16,8 milhões sem câncer1 de pele5 não melanoma6 [NMSC]) e 9,6 milhões de mortes por câncer1. A maioria dos DALYs de câncer1 veio de anos de vida perdidos (97%) e apenas 3% vieram de anos vividos com deficiência. As chances de desenvolver câncer1 foram as mais baixas no quintil7 de baixo IDS (1 em 7) e as mais altas no quintil7 de alto IDS (1 em 2) para ambos os sexos.

Em 2017, os cânceres incidentes8 mais comuns em homens foram o NMSC (4,3 milhões de casos), câncer1 de traqueia9, brônquios10 e pulmão11 (TBL) (1,5 milhão de casos incidentes8) e câncer1 de próstata12 (1,3 milhão de casos incidentes8). As causas mais comuns de mortes por câncer1 e DALYs para homens foram câncer1 de TBL (1,3 milhão de mortes e 28,4 milhões de DALYs), câncer1 de fígado13 (572 mil mortes e 15,2 milhões de DALYs) e câncer1 de estômago14 (542 mil mortes e 12,2 milhões de DALYs).

Para as mulheres em 2017, os cânceres incidentes8 mais comuns foram NMSC (3,3 milhões de casos), câncer1 de mama15 (1,9 milhão de casos) e câncer1 colorretal (819 mil casos incidentes8). As principais causas de mortes por câncer1 e DALYs para mulheres foram câncer1 de mama15 (601 mil mortes e 17,4 milhões de DALYs), câncer1 TBL (596 mil mortes e 12,6 milhões de DALYs) e câncer1 colorretal (414 mil mortes e 8,3 milhões de DALYs).

Entre 2007 e 2017, os casos incidentes8 aumentaram 33%, com o menor aumento nos países mais desenvolvidos, e entre 1990 e 2017 as neoplasias16 aumentaram entre as principais causas de DALYs do sexto para o segundo lugar. Cinquenta e um por cento dos casos de câncer1 ocorreram em países com alto índice sociodemográfico, mas apenas 30% das mortes por câncer1 e 24% dos DALYs de câncer1 se deram nesse contexto.

Isto significa que para garantir o desenvolvimento global sustentável, são necessários maiores esforços na prevenção e na garantia de acesso universal aos cuidados com o câncer1. Os perfis epidemiológicos nacionais da carga de câncer1 no estudo GBD mostram grandes heterogeneidades, que são um reflexo de diferentes exposições a fatores de risco, contextos econômicos, estilos de vida e acesso a cuidados e exames. O estudo GBD pode ser usado por formuladores de políticas e outras partes interessadas para desenvolver e melhorar o controle nacional e local do câncer1, a fim de atingir as metas globais e melhorar a equidade no tratamento do câncer1.

Leia mais em "Câncer1 de pele5 não-melanoma6", "Ebook - informações e cuidados sobre o câncer1 de mama15" e "Prevenção do câncer1".

 

Fonte: JAMA Oncology, em 27 de setembro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Global Burden of Disease Cancer Collaboration: incidência geral do câncer em grande estudo publicado pelo JAMA Oncology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1348063/global-burden-of-disease-cancer-collaboration-incidencia-geral-do-cancer-em-grande-estudo-publicado-pelo-jama-oncology.htm>. Acesso em: 12 dez. 2019.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
7 Quintil: 1. Em estatística, diz-se de ou qualquer separatriz que divide a área de uma distribuição de frequência em cinco domínios de áreas iguais. O termo quintil também é utilizado, por vezes, para designar uma das quintas partes da amostra ordenada. 2. Em astronomia, é o aspecto de dois planetas distantes 72° entre si (distância angular correspondente a um quinto do Zodíaco). 3. Em matemática, é o mesmo que quíntico. A palavra quintil deriva do latim quintus, que significa quinto.
8 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
9 Traqueia: Conduto músculo-membranoso com cerca de 22 centímetros no homem e de 18 centímetros na mulher. Da traqueia distingue-se uma parte que faz continuação direta à laringe (porção cervical) e uma parte que está situada no tórax (porção torácica). Possui anéis cartilaginosos em número variável de 12 a 16, unidos entre si por tecido fibroso. Destina-se à passagem do ar. A traqueia é revestida com epitélio ciliar que auxilia a filtração do ar inalado.
10 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
11 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
12 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
13 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
14 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
15 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
16 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
Gostou do artigo? Compartilhe!