Gostou do artigo? Compartilhe!

Mulheres têm pior qualidade de vida a longo prazo entre os sobreviventes de acidente vascular cerebral, de acordo com o estudo INSTRUCT

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As mulheres relatam pior qualidade de vida relacionada à saúde1 (QVRS) após o acidente vascular cerebral2 (AVC) do que os homens, mas as razões subjacentes são desconhecidas. Por isso, o estudo INSTRUCT, publicado pela revista Stroke, investigou os fatores que contribuem para essas diferenças entre os sexos.

Os dados individuais dos participantes sobre os 4.288 primeiros AVCs (1996–2013) foram obtidos de 4 estudos de incidência3 de base populacional de alta qualidade da Australásia e Europa. Escores de utilidade da QVRS entre os sobreviventes após o AVC (variação de escores negativos=piores que a morte a 1=saúde1 perfeita) foram calculados a partir de 3 escalas incluindo European Quality of Life-5 Dimensions, Short-Form 6-Dimension e Assessment of Quality of Life at 1 year (3 estudos; n = 1.210) e 5 anos (3 estudos; n = 1.057).

A regressão quantil foi usada para estimar as diferenças medianas na QVRS das mulheres em comparação com os homens com ajuste para covariáveis. Os fatores do estudo incluíram sociodemografia, dependência pré-existente, fatores relacionados ao AVC (por exemplo, gravidade do AVC), comorbidades4 e depressão pós-AVC. As diferenças medianas específicas do estudo foram combinadas em estimativas agrupadas usando metanálise de efeito aleatório.

As mulheres apresentaram menor QVRS agrupada do que os homens (diferença mediana não ajustada em um ano, -0,147; IC 95% de -0,258 a -0,036; 5 anos, -0,090; IC 95% de -0,119 a -0,062). Após ajuste para idade, gravidade do AVC, dependência anterior e depressão, essas diferenças médias agrupadas foram atenuadas, mais significativamente em 1 ano (−0,067; IC 95% de −0,111 a −0,022) do que em 5 anos (−0,085; IC 95% de -0,135 a -0,034).

As mulheres exibiram consistentemente pior QVRS após o AVC do que os homens. Isso foi em parte atribuível à idade avançada das mulheres, aos ataques mais graves, à dependência anterior e à depressão pós-AVC, sugerindo metas para reduzir as diferenças. Havia alguma evidência de diferenças residuais na QVRS entre os sexos, mas elas eram pequenas e improváveis de serem clinicamente significativas.

Leia mais sobre "Acidente vascular cerebral2", "Atorvastatina: prós e contras" e "Isquemia5 cerebral transitória".

 

Fonte: Stroke, publicado em 15 de agosto de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Mulheres têm pior qualidade de vida a longo prazo entre os sobreviventes de acidente vascular cerebral, de acordo com o estudo INSTRUCT. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1343963/mulheres-tem-pior-qualidade-de-vida-a-longo-prazo-entre-os-sobreviventes-de-acidente-vascular-cerebral-de-acordo-com-o-estudo-instruct.htm>. Acesso em: 16 set. 2019.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
4 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
5 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!