Gostou do artigo? Compartilhe!

Qual é o impacto dos genes no índice de massa corporal? Estudo publicado pelo BMJ observa esta relação

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O estudo HUNT foi realizado com o objetivo de pesquisar as trajetórias do índice de massa corporal1 (IMC2) na Noruega ao longo de cinco décadas e avaliar a influência diferencial do ambiente obesogênico no IMC2 de acordo com a predisposição genética. A publicação é do periódico BMJ.

Saiba mais sobre "Cálculo3 do IMC2".

A população geral do Condado de Nord-Trøndelag, Noruega, foi estudada com a participação de 118.959 pessoas, com idades entre 13 e 80 anos, que participaram de um estudo longitudinal de saúde4, das quais 67.305 foram incluídas em análises de associação entre predisposição genética e IMC2. A principal medida de desfecho foi o IMC2.

Os resultados mostraram que a obesidade5 aumentou na Noruega entre meados da década de 1980 e meados da década de 1990 e, em comparação com os grupos de nascimentos mais velhos, os nascidos após 1970 já tinham um IMC2 substancialmente mais elevado na idade adulta.

O IMC2 diferiu substancialmente entre os maiores e menores quintos da suscetibilidade genética para todas as idades em cada década, e a diferença aumentou gradualmente entre 1960 e 2000. Para homens de 35 anos, os mais predispostos geneticamente tinham 1,20 kg/m² (intervalo de confiança de 95% de 1,03 a 1,37 kg/m²) de IMC2 maior do que os menos predispostos geneticamente nos anos da década de 60, em comparação com 2,09 kg/m² (1,90 a 2,27 kg/m²) nos anos 2000. Para mulheres da mesma idade, as diferenças correspondentes no IMC2 foram de 1,77 kg/m² (1,56 a 1,97 kg/m²) e 2,58 kg/m² (2,36 a 2,80 kg/m²), respectivamente.

Este estudo fornece evidências de que pessoas geneticamente predispostas estão em maior risco de IMC2 maior e que a predisposição genética interage com o ambiente obesogênico resultando em IMC2 maior, como observado entre meados da década de 1980 e meados da década de 2000. De qualquer forma, o IMC2 tem aumentado tanto para pessoas geneticamente predispostas quanto não predispostas, mostrando que o meio ambiente continua sendo o principal contribuinte.

Veja também sobre "Obesidade5", "Circunferência abdominal e doenças cardiovasculares6", "Síndrome metabólica7" e "Diferença entre fome e gula".

 

Fonte: BMJ, em 3 de julho de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Qual é o impacto dos genes no índice de massa corporal? Estudo publicado pelo BMJ observa esta relação. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1340478/qual-e-o-impacto-dos-genes-no-indice-de-massa-corporal-estudo-publicado-pelo-bmj-observa-esta-relacao.htm>. Acesso em: 17 jul. 2019.

Complementos

1 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
2 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
6 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
7 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
Gostou do artigo? Compartilhe!