Gostou do artigo? Compartilhe!

22% dos casos de síndrome da morte súbita infantil nos Estados Unidos podem ser diretamente atribuídos ao tabagismo durante a gravidez

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tabagismo materno durante a gravidez1 é um fator de risco2 estabelecido para a síndrome3 da morte súbita infantil (SMSI). Neste estudo, publicado no periódico Pediatrics, o objetivo foi investigar os efeitos do tabagismo materno pré-gestacional, redução durante a gravidez1 e tabagismo durante a gravidez1 nas taxas de SMSI.

Saiba mais sobre "Morte súbita do lactente4".

Foram analisados os dados do Centers for Disease Control and Prevention Birth Cohort associados ao Nascimento/Morte Infantil (2007-2011: 20.685.463 nascimentos e 19.127 SMSIs). A SMSI foi definida como mortes em menores de um ano de idade pela Classificação Internacional de Doenças (CID10), 10ª revisão, dos códigos R95 (síndrome3 da morte súbita infantil), R99 (causas mal definidas ou causas desconhecidas) ou W75 (sufocamento acidental ou estrangulamento na cama).

O risco de SMSI mais do que dobrou (razão de chances ajustada [aOR] = 2,44; intervalo de confiança de 95% [IC] 2,31-2,57) com qualquer tabagismo materno durante a gravidez1 e aumentou duas vezes entre o não fumar e fumar um cigarro diariamente durante a gravidez1.

Para 1 a 20 cigarros por dia, a probabilidade de SMSI aumentou linearmente, com cada cigarro adicional fumado por dia aumentando as chances em 0,07 de 1 para 20 cigarros; além de 20 cigarros, o relacionamento se estabilizou. As mães que pararam de fumar ou reduziram o cigarro diminuíram as suas probabilidades de risco para o bebê em comparação com aquelas que continuaram fumando (redução: aOR = 0,88, IC de 95% 0,79-0,98; parar de fumar: aOR = 0,77, IC 95% 0,67-0,87). Se assumirmos causalidade, 22% das SMSIs nos Estados Unidos podem ser diretamente atribuídas ao tabagismo materno durante a gravidez1.

Os resultados do estudo mostram que estes dados suportam a necessidade de cessação do tabagismo antes da gravidez1. Se nenhuma mulher fumar na gravidez1, as taxas de SMSI nos Estados Unidos poderiam ser reduzidas substancialmente.

Leia também sobre "Parar de fumar", "Fumante passivo", "Apneia5 do sono em bebês6" e "Morte súbita".

 

Fonte: Pediatrics, março de 2019

 

NEWS.MED.BR, 2019. 22% dos casos de síndrome da morte súbita infantil nos Estados Unidos podem ser diretamente atribuídos ao tabagismo durante a gravidez. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1335078/22-dos-casos-de-sindrome-da-morte-subita-infantil-nos-estados-unidos-podem-ser-diretamente-atribuidos-ao-tabagismo-durante-a-gravidez.htm>. Acesso em: 25 mai. 2019.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
5 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
6 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
Gostou do artigo? Compartilhe!