Gostou do artigo? Compartilhe!

Avaliação de imagens do colo do útero pelo modelo de "aprendizagem profunda" pode permitir triagem cervical efetiva na detecção de lesões pré-cancerosas e cancerosas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A vacinação contra o papilomavírus humano e o rastreio do colo do útero1 são deficientes na maioria dos locais com poucos recursos, onde cerca de 80% dos mais de 500.000 casos de câncer2 do colo do útero1 ocorrem anualmente. A inspeção3 visual do colo do útero1 após a aplicação de ácido acético é prática, mas não reprodutível ou precisa. O objetivo deste estudo foi desenvolver um algoritmo de avaliação visual baseado em "aprendizagem profunda" (do inglês: deep learning) que reconhece automaticamente o pré-câncer2 / câncer2 cervical.

Saiba mais sobre "Câncer2 do colo do útero1" e "HPV (Papilomavírus humano)".

O estudo, publicado pelo Journal of the National Cancer2 Institute, utilizou uma coorte4 longitudinal de base populacional de 9.406 mulheres com idades entre 18 e 94 anos em Guanacaste, Costa Rica, que foi acompanhada por 7 anos (1993-2000), incorporando múltiplos métodos de rastreamento cervical e confirmação histopatológica de precursores. A ligação do registro tumoral identificou cânceres registrados a até 18 anos atrás. Imagens cervicais arquivadas e digitalizadas da triagem, feitas com uma câmera de foco fixo (“cervicografia”), foram usadas para treinamento / validação do algoritmo baseado em aprendizagem profunda. A pontuação de predição de imagem resultante (0–1) pode ser categorizada para equilibrar a sensibilidade e a especificidade para detecção de pré-câncer2 / câncer2 cervical. Todos os testes estatísticos foram bilaterais.

A avaliação visual automatizada de cervicogramas de registro identificou casos pré-câncer2 / câncer2 cumulativos com maior precisão (área sob a curva [AUC] = 0,91, intervalo de confiança de 95% [IC] = 0,89 a 0,93) do que a interpretação original do cervicograma (AUC = 0,69, IC 95% = 0,63 a 0,74; P <0,001) ou citologia convencional (AUC = 0,71, IC 95% = 0,65 a 0,77; P <0,001).

Uma única ronda de rastreio visual restrita a mulheres com idades entre os 25 e os 49 anos conseguiu identificar 127 (55,7%) dos 228 pré-cânceres (neoplasia5 intra-epitelial cervical 2 / neoplasia5 intra-epitelial cervical 3 / adenocarcinoma6 in situ7 [AIS]) diagnosticados cumulativamente em toda a população adulta (com idades entre 18 e 94 anos), referindo 11,0% para gerenciamento.

Os resultados apoiam a consideração da avaliação visual automatizada de imagens cervicais de câmeras digitais contemporâneas. Se alcançado o objetivo, isso pode permitir a disseminação de triagem cervical efetiva no local de atendimento.

Leia sobre "Exame de papanicolau8" e "Preventivo9 deu NIC (neoplasia5 intra-epitelial cervical), e agora?".

 

Fonte: Journal of the National Cancer2 Institute, publicação online em 10 de janeiro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Avaliação de imagens do colo do útero pelo modelo de "aprendizagem profunda" pode permitir triagem cervical efetiva na detecção de lesões pré-cancerosas e cancerosas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1332838/avaliacao-de-imagens-do-colo-do-utero-pelo-modelo-de-quot-aprendizagem-profunda-quot-pode-permitir-triagem-cervical-efetiva-na-deteccao-de-lesoes-pre-cancerosas-e-cancerosas.htm>. Acesso em: 20 fev. 2019.

Complementos

1 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
4 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
5 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
6 Adenocarcinoma: É um câncer (neoplasia maligna) que se origina em tecido glandular. O termo adenocarcinoma é derivado de “adeno”, que significa “pertencente a uma glândula” e “carcinoma”, que descreve um câncer que se desenvolveu em células epiteliais.
7 In situ: Mesmo que in loco , ou seja, que está em seu lugar natural ou normal (diz-se de estrutura ou órgão). Em oncologia, é o que permanece confinado ao local de origem, sem invadir os tecidos vizinhos (diz-se de tumor).
8 Papanicolau: Método de coloração para amostras de tecido, particularmente difundido por sua utilização na detecção precoce do câncer de colo uterino.
9 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
Gostou do artigo? Compartilhe!