Gostou do artigo? Compartilhe!

Obesidade leva a maior risco de câncer colorretal de início precoce entre mulheres

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A incidência1 e a mortalidade2 por câncer3 colorretal (CCR) em indivíduos com menos de 50 anos de idade (CCR de início precoce) estão aumentando. As razões para tais aumentos são amplamente desconhecidas, embora a crescente prevalência4 de obesidade5 possa ser parcialmente responsável.

Com o objetivo de investigar prospectivamente a associação entre obesidade5 e ganho de peso desde o início da vida adulta com o risco de CCR de início precoce, foi realizado um estudo de coorte6 prospectivo7, o Nurses' Health Study II, que contou com a participação de enfermeiras americanas que tinham entre 25 a 42 anos de idade no início do estudo (1989).

Um total de 85.256 mulheres livres de câncer3 e doença inflamatória intestinal foram incluídas nesta análise, com acompanhamento até 31 de dezembro de 2011. As medidas antropomórficas validadas e as informações de estilo de vida foram autorreferidas bienalmente. A análise estatística foi realizada no período de 12 de junho de 2017 a 28 de junho de 2018.

Saiba mais sobre "Câncer3 colorretal", "Obesidade5", "Perder peso" e "Doença de Crohn8".

As exposições foram o índice de massa corporal9 atual (IMC10), calculado pelo peso em quilogramas dividido pela altura ao quadrado em metros, o IMC10 aos 18 anos de idade e o ganho de peso desde os 18 anos de idade. Os principais resultados e medidas foram os riscos relativos (RRs) para a incidência1 de CCR precoce.

Entre as 85.256 mulheres estudadas, 114 casos de CCR de início precoce foram documentados (idade mediana ao diagnóstico11, 45 anos; intervalo interquartílico, 41-47 anos) durante 1.196.452 pessoas-anos de seguimento. Comparado com mulheres com um IMC10 de 18,5 a 22,9, o RR multivariado foi de 1,37 (IC 95% 0,81-2,30) para mulheres com excesso de peso (IMC10 entre 25,0-29,9) e 1,93 (IC 95%, 1,15-3,25) para mulheres obesas (IMC10 ≥ 30,0). O RR para cada incremento de 5 unidades no IMC10 foi de 1,20 (IC 95% 1,05-1,38; P = 0,01 para tendência).

Associações semelhantes foram observadas entre mulheres sem histórico familiar de CCR e sem colonoscopia12 nos últimos 10 anos. Tanto o IMC10 aos 18 anos de idade quanto o ganho de peso desde os 18 anos de idade contribuíram para esta observação. Comparado com mulheres com um IMC10 de 18,5 a 20,9 aos 18 anos de idade, o RR de início precoce de CCR foi de 1,32 (IC 95% 0,80-2,16) para as mulheres com um IMC10 de 21,0-22,9 e 1,63 (IC 95% 1,01-2,61) para mulheres com um IMC10 de 23,0 ou maior aos 18 anos de idade (P=0,66 para tendência).

Comparado às mulheres que ganharam menos de 5,0 kg ou perderam peso, o RR do CCR de início precoce foi de 1,65 (IC 95% 0,96-2,81) para as mulheres que ganharam 20,0 a 39,9 kg e 2,15 (IC 95% 1,01-4,55) para mulheres que ganham 40,0 kg ou mais (P=0,007 para tendência).

As conclusões mostram que a obesidade5 está associada a um risco aumentado de CCR de início precoce entre as mulheres estudadas. Maiores investigações entre os homens e a elucidação dos mecanismos biológicos subjacentes são necessárias.

Veja também sobre "Índice de massa corporal9", "Colonoscopia12" e "Pólipos13 intestinais e câncer3".

 

Fonte: JAMA Oncology, publicado em 11 de outubro de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Obesidade leva a maior risco de câncer colorretal de início precoce entre mulheres. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1325598/obesidade-leva-a-maior-risco-de-cancer-colorretal-de-inicio-precoce-entre-mulheres.htm>. Acesso em: 19 mar. 2019.

Complementos

1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
5 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
8 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
9 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
10 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Colonoscopia: Estudo endoscópico do intestino grosso, no qual o colonoscópio é introduzido pelo ânus. A colonoscopia permite o estudo de todo o intestino grosso e porção distal do intestino delgado. É um exame realizado na investigação de sangramentos retais, pesquisa de diarreias, alterações do hábito intestinal, dores abdominais e na detecção e remoção de neoplasias.
13 Pólipos: 1. Em patologia, é o crescimento de tecido pediculado que se desenvolve em uma membrana mucosa (por exemplo, no nariz, bexiga, reto, etc.) em resultado da hipertrofia desta membrana ou como um tumor verdadeiro. 2. Em celenterologia, forma individual, séssil, típica dos cnidários, que se caracteriza pelo corpo formado por um tubo ou cilindro, cuja extremidade oral, dotada de boca e tentáculos, é dirigida para cima, e a extremidade oposta, ou aboral, é fixa.
Gostou do artigo? Compartilhe!