Gostou do artigo? Compartilhe!

Aceleração do IMC, principalmente entre 2 e 6 anos de idade, e risco de obesidade na adolescência

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A dinâmica do índice de massa corporal1 (IMC2) em crianças desde o nascimento até a adolescência não é clara. Ainda não se sabe se a susceptibilidade3 para o desenvolvimento de obesidade4 sustentada ocorre em uma idade específica em crianças, o que é importante de se determinar.

Saiba mais sobre "Cálculo5 do IMC2", "Crises da adolescência" e "Obesidade4".

Para avaliar a idade de início da obesidade4, o Dr. Körner do Center for Pediatric Research, no University Hospital for Children and Adolescents, da University of Leipzig, na Alemanha, juntamente com outros pesquisadores realizaram análises prospectivas e retrospectivas do curso do IMC2 ao longo do tempo em uma amostra de base populacional de 51.505 crianças, para as quais dados antropométricos sequenciais estavam disponíveis durante a infância (0 a 14 anos de idade) e adolescência (15 a 18 anos de idade). Além disso, avaliaram a dinâmica dos incrementos anuais de IMC2, definidos como a mudança no índice de desvio padrão do IMC2 por ano, durante a infância, em 34.196 crianças.

Em análises retrospectivas, descobriram que a maioria dos adolescentes com peso normal sempre teve um peso normal durante toda a infância. Aproximadamente metade (53%) dos adolescentes obesos tinham sobrepeso6 ou obesidade4 a partir dos 5 anos de idade, e o escore de desvio padrão do IMC2 aumentou ainda mais com a idade.

Em análises prospectivas, descobriram que quase 90% das crianças que eram obesas aos 3 anos de idade apresentavam sobrepeso6 ou obesidade4 na adolescência. Entre os adolescentes que eram obesos, a maior aceleração nos incrementos anuais de IMC2 ocorreram entre 2 e 6 anos de idade, com um novo aumento no percentil do IMC2 mais tarde.

A alta aceleração nos incrementos anuais de IMC2 durante os anos pré-escolares (mas não durante os anos escolares) foi associada a um risco de sobrepeso6 ou obesidade4 na adolescência, o qual foi 1,4 vezes maior que o risco entre crianças que apresentavam IMC2 estável.

A taxa de sobrepeso6 ou obesidade4 na adolescência foi maior entre as crianças que tinham sido grandes para a idade gestacional ao nascer (43,7%) do que naquelas com peso adequado para a idade gestacional (28,4%) ou pequenas para a idade gestacional (27,2%), o que correspondeu a um risco de obesidade4 na adolescência 1,55 vezes maior entre aquelas que tinham sido grandes para a idade gestacional, assim como entre os outros grupos.

Concluiu-se que entre os adolescentes obesos, o ganho de peso mais rápido ocorreu entre os 2 e os 6 anos de idade; a maioria das crianças que eram obesas nessa idade também eram obesas na adolescência.

Leia também sobre "Acne7: o tormento dos adolescentes".

 

Fonte: The New England Journal of Medicine (NEJM), em 4 de outubro de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Aceleração do IMC, principalmente entre 2 e 6 anos de idade, e risco de obesidade na adolescência. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1325208/aceleracao-do-imc-principalmente-entre-2-e-6-anos-de-idade-e-risco-de-obesidade-na-adolescencia.htm>. Acesso em: 19 out. 2018.

Complementos

1 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
2 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
4 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
5 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
6 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
7 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
Gostou do artigo? Compartilhe!