Gostou do artigo? Compartilhe!

Associação entre exercício físico e saúde mental em 1,2 milhões de indivíduos nos EUA: estudo transversal publicado pelo The Lancet Psychiatry

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Sabe-se que o exercício físico está associado à redução do risco de mortalidade1 por todas as causas, por doença cardiovascular, acidente vascular cerebral2 e diabetes3, mas sua associação com a saúde4 mental ainda não está clara. O objetivo do estudo norte americano e britânico, com publicação online pelo The Lancet Psychiatry, foi examinar a associação entre o exercício físico e a saúde4 mental em uma grande amostra e compreender melhor a influência do tipo de exercício, frequência, duração e intensidade.

Saiba mais sobre "Atividade física", "Acidente vascular cerebral2" e "Diabetes3".

Neste estudo transversal, pesquisadores das universidades de Yale e Oxford analisaram dados de 1.237.194 pessoas, com 18 anos ou mais, nos EUA, a partir de 2011, 2013 e 2015, participantes da pesquisa conhecida como Centers for Disease Control and Prevention Behavioral Risk Factors Surveillance System.

Os pesquisadores compararam o número de dias de má saúde4 mental autorreferida entre indivíduos que se exercitaram e entre aqueles que não o fizeram, usando um procedimento de correspondência não paramétrico exato para equilibrar os dois grupos em termos de idade, raça, sexo, estado civil, renda, nível de instrução, categoria de índice de massa corporal5, saúde4 física autorreferida e diagnóstico6 prévio de depressão. Examinou-se os efeitos do tipo de exercício, duração, frequência e intensidade usando métodos de regressão ajustados para possíveis fatores de confusão e realizou-se múltiplas análises de sensibilidade.

Os indivíduos que se exercitaram apresentaram 1,49 (43,2%) menos dias de má saúde4 mental no último mês do que os indivíduos que não se exercitaram, mas que coincidiam em várias características físicas e sociodemográficas. Todos os tipos de exercícios foram associados a um menor fardo para a saúde4 mental (redução mínima de 11,8% e redução máxima de 22,3%) do que não se exercitar. As melhores associações foram observadas em esportes coletivos populares (22,3% menor), ciclismo (21,6% menor) e atividades aeróbicas e de ginástica (20,1% a menos), bem como durações de 45 minutos e frequências de três a cinco vezes por semana foram mais benéficos. A prática exagerada (cerca de 60 minutos, 3 a 5 vezes por semana) foi associada a características obsessivas, mostrando maior risco para problemas mentais.

A interpretação dos resultados mostra que em uma grande amostra norte-americana, o exercício físico foi significativamente e seriamente associado ao fardo na saúde4 mental autorreferido no último mês. Maior quantidade e frequência de exercícios nem sempre foi melhor. Diferenças em função do exercício foram grandes em relação a outras variáveis demográficas, como educação e renda. Tipos específicos, durações e frequências de exercício podem ser alvos clínicos mais eficazes do que outros para reduzir o fardo na saúde4 mental, e merece estudos intervencionistas.

Leia também sobre "Depressão" e "Transtorno de ansiedade generalizada".

 

Fonte: The Lancet Psychiatry, publicação online de 8 de agosto de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Associação entre exercício físico e saúde mental em 1,2 milhões de indivíduos nos EUA: estudo transversal publicado pelo The Lancet Psychiatry. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1322703/associacao-entre-exercicio-fisico-e-saude-mental-em-1-2-milhoes-de-individuos-nos-eua-estudo-transversal-publicado-pelo-the-lancet-psychiatry.htm>. Acesso em: 21 set. 2019.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!