Gostou do artigo? Compartilhe!

Relação cintura-quadril e mortalidade na insuficiência cardíaca

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo publicado pelo European Journal of Heart Failure sugere que a adiposidade central deve ser alvo de tratamento na insuficiência cardíaca1 (IC), especialmente em mulheres. E que a composição corporal pode ser mais importante de se avaliar do que o índice de massa corporal2 (IMC3).

Saiba mais sobre "Insufuciência cardíaca" e "Cálculo4 do IMC3".

O índice de massa corporal2 mais alto está associado a melhor sobrevida5 em pacientes com insuficiência cardíaca1 (IC), também conhecido como "paradoxo da obesidade6". No entanto, o IMC3 não leva em conta a composição corporal. Pesquisadores do Departamento de Cardiologia, da University Medical Center Groningen, na Holanda, analisaram a associação entre gordura abdominal7, medida pela relação cintura-quadril (RCQ) e pelo índice de massa corporal2 e a mortalidade8 por todas as causas em pacientes com IC.

Para esta análise, 1.738 pacientes do estudo de validação Scottish BIOlogy Study to TAilored Treatment in Chronic Heart Failure (BIOSTAT-CHF) foram incluídos. Pacientes sem medidas de cintura e quadril foram excluídos. A RCQ foi definida como circunferência da cintura/ circunferência do quadril, dividida em tercis e separada sexo. A regressão linear dos componentes principais de um extenso painel de biomarcadores foi realizada para fornecer uma visão9 da fisiopatologia10 por trás de uma maior RCQ. No total, 1.479 pacientes foram incluídos, dos quais 33% eram do sexo feminino e a média de idade era de 75 ± 11 anos.

Uma RCQ mais alta foi independentemente associada a um IMC3 mais alto, maior prevalência11 de diabetes12 e maior pontuação na Classificação Funcional da New York Heart Association para a insuficiência cardíaca1, um meio simples de classificar a extensão da insuficiência cardíaca1 e que categoriza os doentes em uma de quatro categorias baseada na limitação da atividade física (dispneia13). Os pacientes classificados na classe IV apresentam severas limitações.

Houve uma interação significativa entre sexo e RCQ em sua associação com mortalidade8 (P<0,001). Nas mulheres, uma RCQ mais alta foi associada a um maior risco de mortalidade8 [razão de risco (RR) 2,23, intervalo de confiança de 95% (IC) 1,37-3,63; P = 0,001], enquanto nenhuma associação significativa foi encontrada em homens (HR 0,87, IC 95% 0,63-1,20; P = 0,409). Encontrou-se uma forte associação entre uma RCQ mais elevada e marcadores elevados de inflamação14 e ativação da cascata de MAPK (cascata de ativação da proteína quinase mitogênica) em mulheres, enquanto estas associações foram menos evidenciadas nos homens.

As conclusões mostram que uma RCQ mais alta foi associada a um maior risco de morte em pacientes do sexo feminino com insuficiência cardíaca1, mas não em pacientes do sexo masculino. Esses achados desafiam o "paradoxo da obesidade6" e sugerem que a deposição central de gordura15 é fisiopatologicamente prejudicial e pode ser um alvo promissor na terapia de pacientes do sexo feminino com insuficiência cardíaca1.

Leia também sobre "Circunferência abdominal e doenças cardiovasculares16".

 

Fonte: European Journal of Heart Failure, publicado em 2 de julho de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Relação cintura-quadril e mortalidade na insuficiência cardíaca. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1322668/relacao-cintura-quadril-e-mortalidade-na-insuficiencia-cardiaca.htm>. Acesso em: 21 ago. 2018.

Complementos

1 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
2 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
4 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
5 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
6 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
7 Gordura Abdominal: Tecido gorduroso da região do ABDOME. Dela fazem parte as GORDURAS SUBCUTÂNEAS ABDOMINAL e a INTRA-ABDOMINAL
8 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
9 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
10 Fisiopatologia: Estudo do conjunto de alterações fisiológicas que acontecem no organismo e estão associadas a uma doença.
11 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
12 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
13 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
14 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
15 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
16 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!