Gostou do artigo? Compartilhe!

Peso corporal afeta eficácia da aspirina na prevenção primária de eventos vasculares e câncer, publicado pelo The Lancet

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma dose fixa de aspirina para a prevenção primária de eventos cardiovasculares para todos os adultos não é o ideal, devido à subdosagem em pacientes obesos e ao excesso de dose em pacientes com baixo peso corporal, assim mostra estudo publicado pelo The Lancet.

Usando dados individuais de pacientes, pesquisadores da University of Oxford, no Reino Unido, do Brigham and Women's Hospital, nos EUA, e de outras instituições analisaram os efeitos modificadores do peso corporal (bandas de 10 kg) e da altura (bandas de 10 cm) sobre os efeitos de doses baixas (≤100 mg) e doses mais altas (300-325 mg ou ≥500 mg) de aspirina em ensaios randomizados com uso de aspirina na prevenção primária de eventos cardiovasculares.

Estratificaram os achados por idade, sexo e fatores de risco vascular1 e validaram em ensaios com uso de aspirina na prevenção secundária de acidente vascular cerebral2. Além disso, avaliaram se qualquer dependência de peso ou altura era evidente para o efeito da aspirina no risco de 20 anos para o câncer3 colorretal ou para qualquer câncer3 em estudo.

Leia sobre "Cálculo4 do IMC5" e "Câncer3 colorretal".

Entre dez ensaios elegíveis com aspirina na prevenção primária (incluindo 117.279 participantes), o peso corporal variou em quatro vezes e o peso mediano do ensaio variou de 60,0 kg a 81,2 kg (p<0,0001). A capacidade de 75-100 mg de aspirina de reduzir os eventos cardiovasculares diminuiu com o aumento do peso (P para a interação = 0,0072), com benefício visto em pessoas pesando 50-69 kg (razão de risco [HR] 0,75 [IC 95% 0,65-0,85]), mas não naqueles com 70 kg ou mais (0,95 [0,86-1,04]; 1,09 [0,93-1,29] para morte vascular1). Além disso, a fatalidade de um primeiro evento cardiovascular foi aumentada pela aspirina em baixas doses em pessoas com 70 kg ou mais (odds ratio 1,33 [IC 95% 1,08-1,64], p = 0,0082).

Doses mais altas de aspirina (≥325 mg) tiveram interação oposta ao peso corporal (diferença de P para a interação = 0,0013), reduzindo os eventos cardiovasculares apenas com maior peso (P para a interação = 0,017). Os achados foram semelhantes em homens e mulheres, em pessoas com diabetes6, em ensaios de aspirina em prevenção secundária e em relação à altura (P para a interação = 0,0025 para eventos cardiovasculares).

As reduções mediadas pela aspirina no risco a longo prazo de câncer3 colorretal também foram dependentes do peso (P para a interação = 0,038). A estratificação pelo tamanho do corpo também revelou danos devido ao excesso de dosagem: o risco de morte súbita foi aumentado pela aspirina em pessoas com baixo peso para a dose (P para a interação = 0,0018) e o risco de morte por todas as causas aumentou em pessoas com menos de 50 kg que estavam recebendo aspirina 75-100 mg (HR 1,52 [IC 95% 1,04–2,21], p = 0,031). Em participantes com 70 anos ou mais, o risco de câncer3 em 3 anos também foi aumentado pela aspirina (1,20 [1,03–1,47], p = 0,02), particularmente naqueles com peso inferior a 70 kg (1,31 [1,07–1,61], p = 0,009) e consequentemente em mulheres (1,44 [1,11–1,87], p = 0,0069).

Doses baixas de aspirina (75-100 mg) só foram eficazes na prevenção de eventos vasculares7 em pacientes com peso inferior a 70 kg e não tiveram benefício em 80% dos homens e quase 50% de todas as mulheres pesando 70 kg ou mais. Por outro lado, doses mais altas de aspirina só foram eficazes em pacientes com 70 kg ou mais. Dado que os efeitos da aspirina em outros desfechos, incluindo o câncer3, também mostraram interações com o peso corporal, é improvável que uma abordagem de dose única para a aspirina seja ideal, e uma estratégia mais personalizada se faz necessária.

Leia também sobre "Prevenção do câncer3" e "Atividade física".

 

Fonte: The Lancet, em 12 de julho de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Peso corporal afeta eficácia da aspirina na prevenção primária de eventos vasculares e câncer, publicado pelo The Lancet. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1321958/peso-corporal-afeta-eficacia-da-aspirina-na-prevencao-primaria-de-eventos-vasculares-e-cancer-publicado-pelo-the-lancet.htm>. Acesso em: 12 dez. 2019.

Complementos

1 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
2 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!