Gostou do artigo? Compartilhe!

Incidência de carcinoma hepatocelular em pacientes com cirrose associada ao vírus da hepatite C tratada com agentes antivirais de ação direta

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudos produziram resultados conflitantes a respeito da incidência1 de carcinoma2 hepatocelular (CHC) em pacientes com cirrose3 associada ao vírus4 da hepatite5 C (HCV) tratados com antivirais de ação direta (DAAs). Dados de clínicas são necessários para avaliar com precisão a taxa de ocorrência de CHC em pacientes com cirrose3 no mundo real.

Saiba mais sobre "Câncer6 de fígado7", "Cirrose3" e "Hepatite5 C".

Foram coletados dados de um grande estudo prospectivo8 de 2.249 pacientes (idade média 65,4 anos e 56,9% homens) com cirrose3 associada ao HCV (90,5% Child-Pugh classe A, 9,5% Child-Pugh classe B) tratados com DAAs, de março de 2015 até julho de 2016, em 22 centros hepáticos acadêmicos e comunitários na Sicília, Itália. A ocorrência de CHC foi avaliada pelas curvas de sobrevivência9 de Kaplan-Meier. Regressão de Cox foi utilizada para identificar variáveis associadas com o desenvolvimento de CHC.

A resposta virológica sustentada (RVS) foi alcançada em 2.140 pacientes [95,2% no total; 95,9% dos pacientes Child-Pugh classe A e 88,3% dos pacientes Child-Pugh classe B (p < 0,001)]. Setenta e oito pacientes (3,5%) desenvolveram CHC durante um acompanhamento médio de 14 meses (variação de 6 a 24 meses). Em 1 ano após a exposição ao DAA, o CHC se desenvolveu em 2,1% dos pacientes Child-Pugh classe A com RVS e 6,6% dos pacientes sem RVS; CHC se desenvolveu em 7,8% dos pacientes Child-Pugh classe B com RVS e 12,4% dos pacientes sem RVS (p < 0,001 pelo teste de Log-rank).

Nível de albumina10 abaixo de 3,5 g / dL (hazard ratio 1,77 [IC 95%, 1,12–2,82; P = 0,015]), contagem de plaquetas11 abaixo de 120x109 / L (hazard ratio 3,89 [IC 95%, 2,11–7,15; P < 0,001]), e ausência de RVS (hazard ratio 3,40 [IC 95%, 1,89-6,12; P < 0,001]) foram independentemente associados ao aumento do risco de CHC.

O intervalo médio de tempo entre a exposição ao DAA e o diagnóstico12 de CHC foi de 9,8 meses (variação de 2 a 22 meses) e não diferiu significativamente entre os pacientes com (n=64, 9,2 meses) e sem RVS (n=14, 12,0 meses) (P = 0,11). Uma proporção maior de pacientes com RVS teve uma única lesão13 de CHC (78% vs 50% sem RVS; P = 0,009) ou lesão13 de CHC menor que 3 cm (58% vs 28% sem RVS; P = 0,07).

Em uma análise de dados de um grande estudo prospectivo8 de pacientes com cirrose3 compensada ou descompensada associada ao HCV, descobriu-se que a RVS para o tratamento com DAA reduz a incidência1 de CHC durante um acompanhamento médio de 14 meses.

 

Fonte: Gastroenterology, publicação online em 12 de abril de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Incidência de carcinoma hepatocelular em pacientes com cirrose associada ao vírus da hepatite C tratada com agentes antivirais de ação direta. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1318518/incidencia-de-carcinoma-hepatocelular-em-pacientes-com-cirrose-associada-ao-virus-da-hepatite-c-tratada-com-agentes-antivirais-de-acao-direta.htm>. Acesso em: 21 ago. 2018.

Complementos

1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
3 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
4 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
5 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
6 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
7 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
8 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
9 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
10 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
11 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
Gostou do artigo? Compartilhe!