Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: segurança cardiovascular do celecoxibe, naproxeno ou ibuprofeno no tratamento da artrite

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A segurança cardiovascular do celecoxibe, em comparação com outras medicações anti-inflamatórias não-seletivas não esteroides (AINEs), permanece incerta. Para estudar tal relação foi realizado um estudo publicado pelo The New England Journal of Medicine (NEJM).

Pacientes que necessitaram de AINEs para osteoartrite1 ou artrite reumatoide2 e estavam em risco cardiovascular aumentado foram designados aleatoriamente a receber celecoxibe, ibuprofeno ou naproxeno. O objetivo do estudo foi avaliar a não-inferioridade do celecoxibe em relação ao desfecho primário composto de morte cardiovascular (incluindo morte hemorrágica3), infarto do miocárdio4 não fatal ou acidente vascular cerebral5 não fatal.

A não-inferioridade requer uma razão de risco de 1,12 ou inferior, bem como um limite de confiança superior a 97,5% de 1,33 ou inferior na população com intenção de tratar e de 1,40 ou inferior na população em tratamento. Resultados gastrointestinais e renais também foram julgados.

Leia mais sobre "Osteoartrite1", "Artrite reumatoide2", "Infarto do miocárdio4" e "Acidente Vascular Cerebral5".

Um total de 24.081 doentes foram distribuídos aleatoriamente no grupo do celecoxibe (dose média diária [± DP], 209 ± 37 mg), no grupo do naproxeno (852 ± 103 mg) ou no grupo do ibuprofeno (2045 ± 246 mg). Duração do tratamento de 20,3 ± 16,0 meses e um período médio de seguimento de 34,1 ± 13,4 meses.

Durante o ensaio, 68,8% dos pacientes deixaram de tomar o medicamento do estudo e 27,4% dos pacientes descontinuaram o seguimento.

Nas análises de intenção de tratar, um dos eventos do desfecho primário ocorreu em 188 pacientes do grupo celecoxibe (2,3%), 201 no grupo do naproxeno (2,5%) e 218 no grupo do ibuprofeno (2,7%). Relação para celecoxibe vs naproxeno, 0,93; intervalo de confiança [IC] de 95% foi de 0,76 a 1,13; razão de risco para celecoxibe versus ibuprofeno, 0,85; IC 95%, foi de 0,70 a 1,04; p<0,001 para não inferência em ambas as comparações.

Na análise em tratamento, um evento primário ocorreu em 134 pacientes no grupo de celecoxibe (1,7%), 144 no grupo do naproxeno (1,8%) e 155 no grupo do ibuprofeno (1,9%) (razão de risco para celecoxibe vs naproxeno, 0,90; IC 95% de 0,71 a 1,15; razão de risco para celecoxibe versus ibuprofeno, 0,81; IC 95% de 0,65 a 1,02, p<0,001 para não inferioridade em ambas as comparações).

O risco de eventos gastrointestinais foi significativamente menor com celecoxibe do que com naproxeno (P=0,01) ou ibuprofeno (P=0,002). O risco de eventos renais foi significativamente menor com celecoxibe do que com ibuprofeno (P=0,004), mas não foi significativamente menor com celecoxibe do que com naproxeno (P=0,19).

Concluiu-se que em doses moderadas o celecoxibe não é inferior ao ibuprofeno ou ao naproxeno no que se refere à segurança cardiovascular.

 

Fonte: The New England Journal of Medicine (NEJM), de 29 de dezembro de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. NEJM: segurança cardiovascular do celecoxibe, naproxeno ou ibuprofeno no tratamento da artrite. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1283938/nejm-seguranca-cardiovascular-do-celecoxibe-naproxeno-ou-ibuprofeno-no-tratamento-da-artrite.htm>. Acesso em: 15 out. 2019.

Complementos

1 Osteoartrite: Termo geral que se emprega para referir-se ao processo degenerativo da cartilagem articular, manifestado por dor ao movimento, derrame articular, etc. Também denominado artrose.
2 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
3 Hemorrágica: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
4 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
5 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
Gostou do artigo? Compartilhe!