Gostou do artigo? Compartilhe!

Exercícios moderados afetam a estrutura e a função ventriculares de adultos saudáveis?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para verificar se a atividade física moderada em adultos saudáveis está associada ao remodelamento cardíaco, pesquisadores do Reino Unido realizaram um trabalho divulgado pelo periódico Circulation: Cardiovascular Imaging.

Massa e volume cardíacos são frequentemente elevados em atletas, mas não se sabe se a atividade física moderada também está associada à dilatação cardíaca e à hipertrofia1 ventricular em uma população adulta saudável.

Veja mais sobre "Atividade física", "Cardiomiopatia hipertrófica", "Cálculo2 do IMC3", "Sete passos para um coração4 saudávele "Como reduzir níveis de LDL colesterol5?"

No total, 1096 adultos (54% do sexo feminino, com idade mediana de 39 anos), sem doenças cardiovasculares6 ou variantes genéticas associadas à cardiomiopatia, foram submetidos à ressonância magnética7 cardíaca para determinar o volume e a função cardíaca nos dois ventrículos.

A atividade física foi avaliada através de um questionário validado de atividade. A relação entre os parâmetros cardíacos e atividade física foi avaliada por meio de regressão linear múltipla com ajustes para idade, sexo, raça e pressão arterial sistólica8. A regressão logística foi realizada para determinar o efeito da atividade sobre a probabilidade dos indivíduos terem dilatação cardíaca ou hipertrofia1 ventricular de acordo com valores padrões normais de ressonância magnética7 cardíaca.

Aumento da atividade física foi associado com maior massa do ventrículo esquerdo (VE) (β=0,23; P<0,0001) e volumes do VE e do ventrículo direito (VD) elevados (VE: β=0,26, P<0,0001; VD: β=0,26, P<0,0001). A atividade física tem um efeito maior sobre parâmetros cardíacos do que a pressão arterial sistólica8 (0.06≤β≤0.21) e um efeito semelhante à idade (-0.20≤β≤-0,31). O aumento da atividade física foi um fator de risco9 para satisfazer critérios de imagem para a hipertrofia1 ventricular esquerda (odds ratio ajustado 2,1; P<0,0001), dilatação do VE (odds ratio ajustado 2,2; P<0,0001) e dilatação do VD (odds ratio ajustado 2,2; P<0,0001).

Concluiu-se que o exercício físico relaciona-se com a remodelação cardíaca e isso não se limita a atletas e há um risco de excesso de diagnóstico10 de dilatação cardíaca ou de hipertrofia1 em uma proporção de adultos ativos e saudáveis.

Assuntos relacionados:

 

Fonte: Circulation: Cardiovascular Imaging, de 8 de agosto de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Exercícios moderados afetam a estrutura e a função ventriculares de adultos saudáveis?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1275568/exercicios-moderados-afetam-a-estrutura-e-a-funcao-ventriculares-de-adultos-saudaveis.htm>. Acesso em: 15 jul. 2020.

Complementos

1 Hipertrofia: 1. Desenvolvimento ou crescimento excessivo de um órgão ou de parte dele devido a um aumento do tamanho de suas células constituintes. 2. Desenvolvimento ou crescimento excessivo, em tamanho ou em complexidade (de alguma coisa). 3. Em medicina, é aumento do tamanho (mas não da quantidade) de células que compõem um tecido. Pode ser acompanhada pelo aumento do tamanho do órgão do qual faz parte.
2 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
3 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
4 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
5 LDL colesterol: Do inglês low-density lipoprotein cholesterol, colesterol de baixa densidade ou colesterol ruim.
6 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
7 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
8 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
9 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
10 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
11 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!