Atalho: 5VIB1MV
Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo revela que consumo exagerado de carnes vermelhas ou de carne processada pode aumentar o risco de câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Artigo publicado na revista científica PLoS Medicine relata que o consumo de carne vermelha ou de carne processada pode estar associado ao maior risco de desenvolver câncer1 de intestino e de pulmão2. O estudo também encontrou associação positiva entre risco mais elevado de ter um diagnóstico3 de câncer1 de esôfago4 e de fígado5 e a maior ingestão de carnes.

Os pesquisadores analisaram a dieta e o histórico de saúde6 de 494 mil pessoas com idades entre 50 e 71 anos. Aqueles que consumiam mais carne tiveram, ao longo de oito anos, 25% a mais de chances de serem diagnosticados com o câncer1 colorretal. Em relação ao câncer1 de pulmão2, esse aumento foi de 20%. Eles afirmam que um em cada dez casos de câncer1 de pulmão2 e de intestino poderia ser evitado se as pessoas diminuíssem a ingestão de carnes vermelhas, carnes defumadas, presunto, salsichas e bacon. O estudo também encontrou associação positiva entre o consumo elevado de carnes vermelhas e processadas e um maior risco para câncer1 de esôfago4 e de fígado5.

Relatório do Fundo Mundial para Pesquisa do Câncer1 deste ano alertou que a carne vermelha é um dos principais fatores para o aparecimento da doença. A recomendação é que as pessoas parem de comer carne processada e limitem a ingestão de carne vermelha para até três bifes de 170 gramas por semana.

Os cientistas acreditam que a carne vermelha possui substâncias que podem aumentar a síntese de DNA e a proliferação celular, afetam o metabolismo7 hormonal, promovem danos aos radicais livres e produzem aminas heterocíclicas carcinogênicas, podendo desencadear o processo cancerígeno. Estas substâncias são: nitrosaminas – que requerem a ativação metabólica para se converter em formas carcinogênicas; nitrosamidas - que não requerem esta ativação; além de sais, nitratos, nitritos, ferro heme, gorduras saturadas8 e estradiol.

Os fatores de risco mais importantes para o desenvolvimento de câncer1 nos Estados Unidos são o cigarro e a obesidade9. Entretanto, entendendo a complexa interação entre dieta, fumo e obesidade9, assim como a maneira como são metabolizados alimentos específicos e nutrientes, poderemos entender melhor como prevenir o câncer1.

 

Fontes: PLoS Medicine

NEWS.MED.BR, 2007. Estudo revela que consumo exagerado de carnes vermelhas ou de carne processada pode aumentar o risco de câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/12309/estudo-revela-que-consumo-exagerado-de-carnes-vermelhas-ou-de-carne-processada-pode-aumentar-o-risco-de-cancer.htm>. Acesso em: 8 ago. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
3 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
4 Esôfago: Segmento muscular membranoso (entre a FARINGE e o ESTÔMAGO), no TRATO GASTRINTESTINAL SUPERIOR.
5 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
8 Gorduras saturadas: Elas são encontradas principalmente em produtos de origem animal. Em temperatura ambiente, apresentam-se em estado sólido. Estão nas carnes vermelhas e brancas (principalmente gordura da carne e pele das aves e peixes), leite e seus derivados integrais (manteiga, creme de leite, iogurte, nata) e azeite de dendê.
9 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
Gostou do artigo? Compartilhe!