Gostou do artigo? Compartilhe!

Cerca de metade dos antidepressivos prescritos destina-se a tratar condições diferentes da depressão

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os dados de prontuários eletrônicos usados na pesquisa, coordenada pela doutoranda Jenna Wong e publicada pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA), são do Canadá e descrevem as indicações de tratamento para os antidepressivos e as tendências temporais na prescrição de antidepressivos para depressão em Quebec, de 2006 a 2015.

O uso de antidepressivos nos Estados Unidos tem aumentado ao longo das últimas duas décadas. Uma razão suspeita para esta tendência de crescimento é que os médicos de cuidados primários estão prescrevendo os antidepressivos cada vez mais para indicações diferentes da depressão, incluindo indicações não aprovadas e que ainda não foram avaliadas por agências reguladoras, como pela Food and Drug Administration (FDA). No entanto, a frequência com que os médicos prescrevem antidepressivos para indicações não depressivas é desconhecida, pois as indicações de tratamento são raramente documentadas. No presente trabalho, analisou-se a prevalência1 de indicações de tratamento para os antidepressivos e as tendências temporais na prescrição de antidepressivos para depressão.

Os resultados mostram que quase três em cada dez antidepressivos prescritos, entre 2006 e 2015, por médicos no Canadá, foram destinados a tratar doenças para as quais os medicamentos não tinham recebido a aprovação da FDA dos EUA. Entre as condições que estão sendo tratadas com antidepressivos estão: insônia, dor, enxaquecas2, transtornos obsessivos compulsivossintomas3 da menopausa4, déficit de atenção e hiperatividade, transtornos de ansiedade, ataques de pânico e até mesmo doenças digestivas.

As conclusões sugerem a necessidade de um melhor entendimento das indicações dos antidepressivos e dos fins para os quais estão sendo prescritos, pois o uso de medicamentos para finalidades não aprovadas pode ter consequências inesperadas.

 

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 315, número 20, de 24 de maio de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. Cerca de metade dos antidepressivos prescritos destina-se a tratar condições diferentes da depressão. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1163554/cerca-de-metade-dos-antidepressivos-prescritos-destina-se-a-tratar-condicoes-diferentes-da-depressao.htm>. Acesso em: 24 out. 2019.

Complementos

1 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
2 Enxaquecas: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
Gostou do artigo? Compartilhe!